17 de Fevereiro de 2019,

Cidades

A | A

Segunda-Feira, 11 de Fevereiro de 2019, 16h:15 | Atualizado:

Defensoria organiza debate para estudar intervenção cidadã junto à população de rua

Um grupo de 16 pessoas que atuam em ações sociais, com pesquisa e produção de conhecimento, com foco em populações vulneráveis, reuniu-se a convite da defensora pública que integra o Fórum de População de Rua, Rosana Monteiro, para debater formas de resgate da cidadania, autonomia e dignidade das pessoas que vivem nas ruas da Capital.

Durante o encontro ficou decidido que até o final de fevereiro, duas rodas de conversas serão organizadas, nas praças públicas mais frequentadas por pessoas que estão vivendo nas ruas, para ouvir os anseios, as necessidades e as carências delas.

O grupo, formado por profissionais das áreas de direito, psicologia, sociologia e serviço social pretende criar mecanismos de intervenção educacional direta, junto a essa população, além de encaminhar para autoridades responsáveis, necessidades pontuais que forem identificadas.

“Foi uma formação, capacitação, na qual tivemos a oportunidade de debater como auxiliar essas pessoas a se enxergarem como sujeitos de direitos, além de estimulá-los a assumir o protagonismo na luta por suas vidas. Queremos que deixem de ser invisíveis e passivos. E a princípio, faremos essas conversas para nos aproximarmos e principalmente, ouvi-los”, explica a defensora.

O primeiro encontro do ano foi na sala de reuniões da Defensoria Pública de Mato Grosso, no edifício Maruanã, na avenida Rubens de Mendonça e contou com palestras do psicólogo e coordenador do curso de psicologia da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Amilson de Barros, e da psicóloga Carine Muller de Barros. Ambos atuam na linha da psicologia social e comunitária, que orienta intervenções que valorizam a autonomia do indivíduo.

“Queremos estabelecer atividades de educação em direito, cidadania e política para população em situação de rua e eles nos orientaram como deve ser essa abordagem. A Defensoria Pública, via Fórum de População de Rua de Cuiabá, está coordenando as ações, que serão desenvolvidas por voluntários, que hoje, compõe uma equipe interdisciplinar, que busca a inclusão e valorização dessas pessoas”, explicou Rosana.

Além de Rosana, participaram do evento a defensora pública que atua em Várzea Grande, Cleide Regina Nascimento, a que atua em Rosário Oeste, Giovanna Santos, que atua em Chapada dos Guimarães, Janaína Yumi Osaki e o defensor que atua em Itiquira, Vinicius Fuzaro. O ouvidor-geral da Defensoria Pública, Cristiano Preza, também esteve presente.

“A ideia é ainda em fevereiro começarmos as atividades e numa das ocasiões, organizar um grupo exclusivo para mulheres em situação de rua e outro, aberto para qualquer pessoa em situação de rua. Estamos definindo os locais e datas”, finalizou Rosana.

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS