25 de Março de 2019,

Curiosidades

A | A

Quinta-Feira, 14 de Março de 2019, 18h:25 | Atualizado:

CASAS DE SWING

Mulheres compartilham suas experiências

SWING3.jpg

 

Já pensou em fazer sexo com mais de uma pessoa ao mesmo tempo? Então talvez a casa de swing seja o que você está buscando — com ou sem parceiro

Ainda existe muita curiosidade quando o assunto é uma balada liberal, também conhecida como casa de swing. No geral, as opiniões de quem nunca foi em um desses bares "hot" costumam ser bem negativas, mas muitos dos casais que frequentam os locais acreditam que as experiências que já tiveram por lá mudaram a perspectiva sobre o sexo — além de ser um fato confirmado por especialistas que prática pode ajudar a fortalecer os relacionamentos.

Para acabar com tabu sobre a  casa de swing , o Delas conversou com mulheres que já foram à esses lugares para ter experiências sexuais em grupo. De forma anônima, elas concordaram em compartilhar as experiências com os parceiros para mostrar que não é só porque a balada é liberal que só acontecem coisas "indecentes". Confira abaixo:

A estudante PS, de 19 anos, namora há mais de um ano com RM. Os dois se conheceram em uma balada liberal , mas a primeira experiência dela não foi com o parceiro. "Eu já havia feito uma suruba espontânea, ou seja, sem combinar antes, no aniversário de um amigo meu e, depois, um casal me convidou para sair com eles. Acabei indo para a casa de swing à convite de uma amiga", relata. 

Segundo ela, a primeira impressão que teve do lugar é que as pessoas que o frequentam são muito seguras de seus relacionamentos, afinal, a proposta ali é oferecer uma troca de casais e ter experiências em grupo.  "Achei que todos tinham uma mente aberta fora do comum e havia uma preocupação sobre todas serem saudáveis e não portadoras de ISTs. Além disso, todos pareciam estar curtindo e se divertindo sem pudor", diz. 

Essa preocupação com a questão das ISTs realmente é algo necessário em um ambiente que as pessoas vão para fazer sexo , principalmente quando se trata de novos participantes. No caso da jovem, ela afirma que esse foi o motivo pelo qual ela sempre preferiu sair com pessoas que já conhecia, mesmo que sempre seguisse a recomendação e  usar camisinha . 

Depois da primeira vez, P continuou frequentando o swing, mas sua perspectiva sobre os participantes mudou. "A ideia de estar em um lugar sem medo de preconceitos e pudores me deixava com uma sensação de liberdade, mas antes eu achava que tudo era mais simples, que não havia ciúmes, por exemplo, e que as pessoas estavam genuinamente ali se divertindo."

A estudante afirma que, conforme você frequenta mais o espaço, começa a conhecer os casais e perceber que o relacionamento nem sempre é tão seguro quanto parece. "Muitos casais brigam no meio da festa, há pessoas que vivem uma 'vida dupla' por conta do preconceito. E isso me fez começar a considerar se isso era algo que eu queira. É realmente necessário fazer sexo com várias pessoas em um mesmo ambiente pra se sentir feliz?" questiona.

MC, de 32 anos, é jornalista e começou a buscar informações sobre o swing depois de usar um aplicativo de relacionamento. Ela conta que os usuários do app indicaram que ela fosse em uma balada liberal "por ser legal pra quem tá começando" e, por isso, decidiu testar essa possibilidade com o namorado, AG, com que está há cinco anos. "Minha primeira experiência foi com meu namorado e mais um casal que ele conheceu nesse aplicativo. Depois de alguns dias de conversa marcamos um encontro lá e fomos. Foi legal, porque tudo é permitido, mas nada é obrigatório. Então se rolar, rolou", diz.

Desde a primeira vez, M gostou desse "universo" da casa de swing. "Achei o ambiente super agradável e aconchegante, com gente bonita e que normalmente sabe o que quer. Parece uma balada 'normal', porém tem partes para o sexo livre, sem tabus e preconceito. Com certeza a impressão que eu tinha antes de frequentar esse lugar mudou para melhor. É uma sensação de liberdade que não dá pra descrever."

Outra questão é o preço. Por ser focada em um tipo de público, as baladas liberais geralmente cobram um valor diferente de baladas "comuns". Isso, para a jornalista, é um motivo para as pessoas que frequentam o espaço serem tão decididas. "Por causa do preço alto, a galera vai sabendo o que vai encontrar e dificilmente vemos 'curiosos'."

Além de ter sido importante para a própria sexualidade, começar a frequentar baladas liberais também afetou o namoro com A. "Meu relacionamento ficou mais saudável depois que conhecemos esse universo, porque nós temos cada vez mais consciência de quem somos e do que queremos enquanto casal e seres independes." 

Para ela, é possível estar em um relacionamento sério e, mesmo assim, fazer sexo com outras pessoas — desde que tudo seja consentido pelo parceiro. "Acredito em monogamia sentimental, mas não em monogamia sexual. Vivemos em uma sociedade totalmente preconceituosa e machista, mas tem muita gente 'gostosa' por aí. Então por que não experimentar?".

GF é estudande de Comércio Exterior e foi pela primeira vez em um casa de swing há cerca de dois meses. Aos 21 anos, ela é solteira e mantém um relacionamento casual com FD, com quem foi à balada liberam pela primeira vez. "Estávamos tendo uma conversa sobre fetiches sexuais e coincidiu de os dois terem interesse em experiências em grupo."

Segundo ela, logo depois da descoberta mútua, eles já começaram a procurar formas de encontrar outras pessoas que tivessem a mesma vontade. "Primeiro olhamos em aplicativos de casais que estão interessados em ménage ou swing e, por lá, conhecemos um casal que já frequentava as baladas liberais e eles nos apresentaram para outras pessoas na 'festa'." "Quando falei com o F sobre participar do swing parecia ser apenas uma ideia que a gente teve na hora e logo iríamos esquecer, mas foi tudo muito rápido. Ele sugeriu de baixar o aplicativo e em menos de um mês conhecemos um casal", conta G.

"Sinceramente, não achei que fosse encontrar alguém tão rápido assim e, quando  fomos na balada liberal, eu me senti receosa a princípio, porque pensei que seria julgada pelas outras pessoas", diz.

Apesar de achar que foi tudo "rápido demais" entre conversar com o parceiro e ir à casa de swing, a estudante universitária aprovou a experiência e pretende continuar frequentando o espaço. "Depois que cheguei lá, minha perspectiva e meu pensamento mudaram muito. A sensação lá dentro me trouxe segurança, o que ajudou bastante para me sentir à vontade no ambiente, tanto que quando fomos embora eu já estava empolgada de marca uma volta", comenta.

"É um ambiente em que as pessoas se sentem mais livres, com vontade de fazer o que querem sem o medo de serem julgadas, e seguras de si mesmas. Se eu pudesse descrever a experiência em algumas palavras, essa foi a sensação que eu tive lá dentro: liberdade e segurança. Isso também me deixou confiante para voltar em breve", completa. 

Assim como foi no caso de P, G afirma que ter conhecido o casal antes de ir à casa de swing pela primeira vez fez toda a diferença. "Foi importante ter conversado muito com o casal que acompanhei e, depois que cheguei na balada, ter ficado apenas com outras pessoas que eles nos apresentaram, porque eram conhecidos." "Meu primeio pensamento quando surgiu a ideia de me relacionar com  mais de uma pessoa durante o sexo foi sobre doenças e a preocupação delas com higiene. Esses são fatores muito importantes quando decidimos participar de um swing, porque, por mais que haja o uso da camisinha, outros tipos de contatos sexuais também podem transmitir ISTs", finaliza. 

Em  entrevista prévia ao Delas, a sexóloga Thais Plaza afirma que conversar com o parceiro é o primeiro passo para entender os desejos relação ao sexo. 

“A gente precisa entender que a sexualidade, que é conexão, desejos, vontades — muito mais do que só sexo —, é algo livre, mas que, infelizmente, é colocado em caixinhas socialmente aceitáveis, que nos aprisionam. Então causa um estranhamento quando alguém sai da caixinha."

Por isso, a ideia é tentar "quebrar esse tabu" expondo o que você quer e, também, escutando quais são as vontade do outro de uma forma construtiva e positiva. Lembrando que, além dessa conversa, é preciso ter consentimento para experimentar coisas novas na cama. Até porque o sexo só vai ser bom se as duas (ou mais) pessoas estiverem à vontade, certo?

Entretanto, a casa de swing não é aberta só para casais. Solteiros que querem fazer menáge ou sexo em grupo também podem se divertir nesse espaço. Em ambos os casos, pesquise o que as baladas liberais podem te oferecer para encontrar um lugar que seja a sua casa. Algumas casas tem pole dance, festas temáticas e até quartos para praticar fetiches, como BDSM. 

Se tratanto de sexo, o importante é entrar em contato com essa e outras experiências (tanto positivas quanto negativas) para descobrir o que é ou não uma ideia interessante — seja testando a casa de swing com parceiro, quanto descobrindo seus próprios interesses.

Galeria de Fotos

Postar um novo comentário

Comentários (6)

  • KZLcurioso_FA | Sexta-Feira, 15 de Março de 2019, 10h39
    2
    0

    Corno é o cara que se acha o machão, não trata bem a mulher e ela encontra outro pra dar o que o marido nao dá... Ja no caso do Swing, acho que é um casal que se ama, e compreende as vontades, fetiches e fantasias do outro e sabem separar relacionamento afetivo, do sexo... Acredito que um swing, é a prova de fogo do relacionamento do casal... ou engata de vez.. ou desanda.. Na maioria das vezes, acredito que a cumplicidade e confiança de ambos pode aumentar... sabendo que tem no parceiro, aquela pessoa onde pode confidenciar seus desejos e tesões e que possivelmente o parceiro(a) pode ajudar a realizar!

  • BARBOSA | Sexta-Feira, 15 de Março de 2019, 08h03
    0
    2

    ISSO É O CARA SER CORNO MANSO ISSO SIM KKKKKK

  • Experiencia própria | Sexta-Feira, 15 de Março de 2019, 01h50
    3
    0

    O sonho de toda dama é ter dois homens juntos lhe possuindo de amor em uma noite quente de amor selvagem.

  • maria | Quinta-Feira, 14 de Março de 2019, 23h28
    4
    2

    kkkk a maioria dos homens não aguentam nem com as mulheres deles , vai cassar jeito de passar é vergonha lá . francamente, o que tem de mulheres reclamando de homem mole não ta no gibi. e olha que são bonitas esses caras dai que procuram isso é só as mulheres deles arrumar um macho pra eles que é isso que eles estão procurando DESCONFIEM kkkkk conheci um monte que começou assim hoje casou com macho depois de velho ISSO É FATO

  • Angela | Quinta-Feira, 14 de Março de 2019, 23h20
    2
    3

    se realmente tivesse interesse em estudar não tinha tempo pra baladas e coisas assim. Nada contra a pessoa gostar de sexo . mas isso não foi feito para fazer assim de qualquer jeito não .se não encontrou um homem legal com você ,saiba que ainda existe. uma jovem dessa idade deveria estar vivendo uma linda paixão. O amor vem com o tempo ,e quanto mais durador o relacionamento ,mais afinidade no sexo .

  • mitiko xamae | Quinta-Feira, 14 de Março de 2019, 18h43
    6
    2

    Duro é transar só com a muié em casa depois.

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS