20 de Março de 2019,

Economia

A | A

Quinta-Feira, 14 de Março de 2019, 00h:17 | Atualizado:

DÍVIDAS DE R$ 311 MILHÕES

Desembargador se revolta com decisão de colega que determinou recuperação de grupo de ex-deputado de MT

Rubens de Oliveira alega que Dirceu contrariou entendimentos do TJ e STJ


Da Redação

tjmt.jpg

 

Uma disputa judicial envolvendo uma das maiores multinacionais agrícolas do mundo, a Louis-Dreyfus, e um pedido de recuperação judicial do “Grupo Viana” do ex-deputado estadual Zeca Viana (PDT), e que alega dívidas de mais de R$ 311 milhões motivou uma discussão quente entre os desembargadores do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT), Dirceu dos Santos e Rubens de Oliveira Santos Filho, no último dia 7 de março. A “rusga” entre os magistrados começou quando o desembargador Rubens de Oliveira Santos cassou a decisão do juiz da Segunda Vara de Primavera do Leste (236 km de Cuiabá), Fabrício Carlota, que no dia 7 de fevereiro de 2019 autorizou o processamento da recuperação judicial do Grupo Viana.

Após a suspensão do trâmite da recuperação, o também desembargador, Dirceu dos Santos, em 1º de março deste ano, cassou a decisão do colega, por meio de um mandado de segurança, e deu aval para a continuidade da ação proposta pela organização em dificuldades financeiras. O conflito entre os desembargadores motivou uma discussão entre ambos no final da sessão de julgamento da 2ª Turma de Câmaras Reunidas de Direito Privado do TJ-MT, uma espécie de “2ª instância” do Poder Judiciário Estadual em ações que envolvem direito privado, ocorrida no dia 7 de março deste ano.

Rubens de Oliveira classificou como "inaceitável" a decisão de Dirceu dos Santos que, segundo ele, tem votos no mesmo sentido e que, misteriosamente, teria mudado de opinião ao analisar o caso dos Viana. “Me parece inaceitável que se defira uma liminar numa recuperação judicial seja ela de quem for contra ato de desembargador, ato calcado em inúmeras decisões da corte, inclusive do desembargador Dirceu. Não posso deixar de registrar minha indignação. Francamente, tenho votos de Vossa Excelência nos meses de novembro e dezembro, exatamente no sentido que proferi neste agravo de Primavera, deste produtor rural. Aliás, votos escritos, que tenho aqui”, declarou Rubens de Oliveira.

Ex-presidente do TJ, Oliveira comparou a situação com outros escândalos que atingiram o Poder Judiciário num passado recente. “Esse Tribunal não teve seu pior momento nos últimos anos no episódio Leopoldino. Esse Tribunal não teve seu pior momento nos episódios que afastaram colegas nossos, que foram aposentados. Teve, desembargador Dirceu, numa vergonhosa guerra de liminares, em mandado de segurança, no qual um desembargador, acompanhado pelas partes, quis invadir a conta única, as dependências da conta única porque não entendendo como funciona as questões dos alvarás para liberação de recursos. Eu, como vice-presidente, determinei a segurança que, fora o desembargador, prendesse todos que estavam invadindo lá, porque eram terceiros, não eram nem servidores”, disse. 

O desembargador prosseguiu, lembrando que Dirceu contrariou um entendimento "unânime" do TJ-MT, citando inclusive que Dirceu dos Santos tem decisões no mesmo sentido. “Isso foi fase que pensei que era encerrada no nosso tribunal. Porque, com todo respeito, não tem cabimento. Não proferi decisão teratológica, nem de longe. Ela é toda calcada num entendimento unânime do nosso tribunal, até ontem, antes da decisão de Vossa Excelência. Calcada basicamente no que entende a maioria do STJ”, continuou.

REPERCUSSÃO E CONFRARIA

Presente na sessão, o desembargador Guiomar Teodoro Borges lembrou que, em 15 anos de Tribunal de Justiça, nunca deu decisão liminar contra ato de desembargador, apesar de ter liminar sua derrubadas por colegas desembargadores. "Teve casos que segurei o processo de propósito para ver o julgamento no colegiado, no pleno. Nenhum foi levado a julgamento do pleno, por mais que segurasse o agravo para ver se a minha decisão é teratológica, se era abusiva ou se estava ou não exercendo o bem a ajudicatura. O que acontecia era que não era levado ao pleno, por mais que segurasse o agravo para saber isso", citou. 

Já Dirceu dos Santos disse que “ninguém gosta” de ter a decisão reformada ou alterada, fazendo referência ao seu próprio despacho, que derrubou a determinação do colega Rubens de Oliveira em suspender a recuperação judicial. “Ninguém gosta de ter decisão reformada e não é essa minha intenção de reformar a decisão de Vossa Excelência não. Meu pensamento vai além disto. Foi de dar uma contribuição para aquele caso daquele modo. Agora no momento que põe aqui para decidir você tem que decidir sim ou não, ou se nega ou se dá. E muitas vezes se fica entre a cruz ou a espada em determinado fundamento”, disse Dirceu dos Santos.

O desembargador continuou explicando que “se os magistrados fossem perfeitos, não seriam necessários, pois seriam divinos”, e aproveitou para se desculpar com o magistrado Rubens de Oliveira por eventuais ofensas. “Se nós acertássemos tudo é óbvio que não precisaríamos nem estar aqui. Seriamos divinos, então eu me submeto aos meus erros, vou fazer uma reflexão. Mas prometo a Vossa Excelência que vou refletir muito mais porque não esperava ter ofendido desta maneira e não pensava e não pensei em nenhum momento em estar fazendo qualquer coisa que pudesse ferir a instituição. Pensei que estava cometendo um ato judicial comum”, explicou Dirceu dos Santos.

Mesmo com o pedido de desculpas, o desembargador também lembrou que o Tribunal de Justiça de Mato Grosso não é uma “confraria”, e nem local para privilegiar partes no processo. “Prometo que vou estudar melhor o assunto, vou levar em conta as palavras. Nós devemos sim não ser uma confraria, mas um Tribunal que segue a ética”, ponderou Dirceu dos Santos.

Sobre o fato de reformar decisão de colegas desembargadores, Dirceu disse que não se furtará e proferir caso seja seu entendimento. "Senão, poderemos fazer um pacto e não ter mais recursos contra decisões de desembargadores aqui, sobe direto pro STJ. Se for para ter medo de decidir, pego meu boné e vou embora", disse o magistrado que admitiu que pode ter errado em sua análise. "Não sou Deus para acertar tudo", frisou.

O desembargador negou ainda ter "ferido a instituição", dizendo ter analisado apenas o fato. "Julguei o fato em si, me desculpe se o fiz errado".

Rubens de Oliveira, após ouvir atentamente as palavras do colega, resumiu-se a confirmar que o Tribunal não é mesmo uma “confraria” e que também não está acima do “bem e do mal”. “Óbvio desembargador Dirceu: não estamos aqui para agradar A ou B. Nosso dever é decidir. Aqui não é confraria. E não estou acima do bem e do mal”, respondeu Rubens de Oliveira Filho.

Após a resposta a sessão de julgamento chegou ao seu fim. Nenhum dos outros desembargadores tomou parte no caso.

O futuro da recuperação judicial do Grupo Viana está nas mãos do presidente do TJ-MT, Carlos Alberto Alves da Rocha, que ainda não tomou sua decisão. A Louis-Dreyfus cobra uma dívida de 189.483 sacas de soja da organização em crise.

A multinacional teme que a recuperação siga em frente. Se isso acontecer a suposta dívida só será paga após a conclusão do processo.

 

CONFIRA O EMBATE A PARTIR DO MINUTO 28 

Postar um novo comentário

Comentários (12)

  • Zé Silva | Quinta-Feira, 14 de Março de 2019, 14h44
    3
    0

    Parabéns Dr. Rubens de Oliveira Santos Filho, a Justiça com "J" maiúsculo é feita em observância as leis e as jurisprudências. Infelizmente em alguns casos estes preceitos estão ficando de lado. Estão decidindo conforme opinião própria ou com algum sentimento "amor ou ódio" por essa ou aquela parte. A Corregedoria do TJ/MT tem que ficar de olho, principalmente nos juizados especiais. Parabéns ao Dr. Dirceu dos Santos pela grandeza e humildade em reconhecer pode ter errado, e que estudará melhor o caso. Foi de grande valia o diálogo dos nobres Desembargadores. Isso só demonstra e reforça que o TJ/MT não é uma confraria.

  • Pacufrito | Quinta-Feira, 14 de Março de 2019, 13h57
    0
    0

    kkkkkkkkkk brigaaassss, brigassss, porque será? porque será???? mistériooooo, é só olhar bem que vão encontrar os porques.

  • João da Costa | Quinta-Feira, 14 de Março de 2019, 11h11
    1
    0

    Vergonhoso um julgamento quando se trata dos aposentados em compensação se é um cidadão comum com os mesmos direitos as decisões são monocráticas e está resolvido, ninguém discute por ser decisão judicial, vai entender.

  • ROBERTO RUAS | Quinta-Feira, 14 de Março de 2019, 10h25
    10
    0

    Para mim interessa quem está contra o deputado , para mim esse é que tem a razão . Essa historia de recuperação judicial é pura safadeza . Porque esse deputado esperou a eleição passar? Até outro dia era " um dos mais ricos do Brasil" agora tá falido e metido nesse imbróglio.? Isso tem mesmo cara de maracutaia.

  • news | Quinta-Feira, 14 de Março de 2019, 09h56
    6
    0

    Tá uma anarquia esse negócio de recuperação de empresas falidas, o governo financia dinheiros para recuperação , mas não fiscaliza, desse jeito até eu fico rico, com mão na cabeça. Se faliu e quer gerar emprego vende a empresa par outra empresa que é idônea e com certeza esta gerará empregos.

  • Amanda Duarte | Quinta-Feira, 14 de Março de 2019, 09h14
    7
    0

    Dona Matilde e seu comentário perfeito. Os meros mortais ficam no aguardo de algum respingo de alimento dos Tubarões.

  • PF de Olho | Quinta-Feira, 14 de Março de 2019, 08h48
    16
    0

    $$$$$ este TJMT ainda vai ter uma intervenção total, com raríssima exceções, podem escrever!!!

  • Contribuinte Indignado | Quinta-Feira, 14 de Março de 2019, 08h35
    11
    0

    Invocar o nome de Deus por essas figuras que não gozam de nenhum respeito por parte da população, beira a blasfêmia. Esses nobres desembargadores deveriam ser proibidos de citar o nome de Deus. Afinal, muito deles, com as devidas exceções, ao meu ver, não gozam de credibilidade para assim o fazer.

  • Andre | Quinta-Feira, 14 de Março de 2019, 08h13
    13
    1

    Acorda povao, REVOLTA POPULAR, Já!nao adianta essa pacificidade, esse caras só defendem o seu, ABAIXO A VITALCIEDADE NO JUDICIÁRIO, chega disso.

  • Julio dos Santos | Quinta-Feira, 14 de Março de 2019, 08h04
    8
    2

    Esses senhores são os juízes da mais alta corte de Mato Grosso? Caramba! Percebe-se que mal sabem ler, ou melhor, mal sabem repetir os bordões de sempre. É esses aí que decidem quem fica preso, quem é solto, quem paga, quem não paga etc. Mamãe me acode!

  • adelar | Quinta-Feira, 14 de Março de 2019, 07h48
    8
    0

    São essas atitudes que nos fazem engavetar os projetos! Chama-se risco jurídico, não se pode mais confiar que será feito justiça, pois estão jogando-a ao chão, é oque ouvimos, é oque vemos! O cidadão que tenta fazer certo hoje ao invés de confiar na justiça que seria seu amparo e protetor, a tem como inimigo e amigos de outros! Lamentável e trágico pra não dizer vergonhoso!! Onde há risco jurídico não ha segurança para investimentos, onde não ha segurança para investimentos não há emprego !!

  • Dona Matilde | Quinta-Feira, 14 de Março de 2019, 06h17
    23
    0

    E no meio tá nóis, esperando voar uma espiga de milho pra conzinhar na janta!

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS