24 de Maio de 2018,

Entrelinhas

A | A

Terça-Feira, 13 de Fevereiro de 2018, 01h:10 | Atualizado:

CRISE

Secretário compara MT com Portugal

RogérioGallo.jpg

 

O secretário de Estado de Fazenda, Rogério Gallo, anda comparando a situação financeira de Mato Grosso com Portugal – país que, ironicamente, de acordo com reportagem da revista The Economist, só vem conseguindo superar a crise financeira após deixar de tomar medidas de austeridade. De acordo com Gallo, é preciso melhorar o “fluxo de caixa”, do contrário, a administração entrará em “colapso”.

Postar um novo comentário

Comentários (18)

  • Contribuinte | Quarta-Feira, 14 de Fevereiro de 2018, 15h42
    0
    0

    João Plenário, o agricultor produz por que nós compramos! Ninguém nesse mundo dá nada de graça!

  • jose pavulto | Quarta-Feira, 14 de Fevereiro de 2018, 13h51
    5
    1

    VAMOS EXPLICAR AO "joao plenario", AGRONEGÓCIO NUNCA PRODUZIU ARROZ E FEIJÃO, ELE PRODUZ COMMODITIES, TAIS PRODUTOS, SÓ SERVER À EXPORTAÇÃO E SÃO ISENTOS DE IMPOSTOS NESTAS OPERAÇÕES, TRAZENDO UMA MAIOR CONCENTRAÇÃO DE RENDA AOS MAIS RICOS.

  • imigrante brasileiro | Quarta-Feira, 14 de Fevereiro de 2018, 11h26
    10
    1

    já fui em portugal várias vezes, e cada vez volto mais encantado com o país e o seu governo. quem vive em portugal não quer voltar, será porque né? portugal é governado por partidos de esquerda, e é um país rico, com qualidade de vida, saúde pública com qualidade e de graça, não há corrupção e centenas de milhares de empregos sendo ofertados. enquanto mato grosso é governado pela turma do agronegócio, dos capitalistas que só pensam no enriquecimento deles, adeptos da tese do estado mínimo, da concentração absurda da renda e dos péssimos serviços públicos. portanto, mil vezes sermos governados por comunistas.

  • joao plenario | Quarta-Feira, 14 de Fevereiro de 2018, 11h04
    2
    8

    vou explicar"servidor publico", quando se fala em taxação do agronegocio è trite.......lembram do feijao quando chegou a 15.00 reais, lembram do arroz a 17:00 o pacote de 5 kg....lembra"servidor publico"?, hoje graças ao setor produtivo agronegocio, independente do seu tamanho, estamos comendo feijao, de 2,70 a 6,00 0 kilo, estamos arroz de 7,00 a 11.00 o pacote de 5k, arroz de primeira qualidade, o senhor ja imaginou quanto emprego o agronecio, produtor rural gera, diretamente, e inditamente, o senhor por favor manda fazer um estudo de quanto a cadeia do setor produtivo, agropecuaria/agricultura gera em impostos, para todo este estado, todas as as classes tem o seu valor, mas hu,ildemente gostaria de ressaltar, sem ofender ninguem, tirem a agricultura/pecuaria e todos os derivados da area rural parar ver oque sobra em arrecadação para o estado? SE NAO FOSSE O SETOR AGRICOLA RURAL NESTE ESTADO SERIAMOS UM ESTADO ETERNAMENTE POBRE..... MAS POR CAUSA DO SETOR PRODUTIVO SOMOS RESPEITADOS, AQUI, NO BRASIL, E NO MUNDO.....entao voce que fala mal de nos povo agricola.... vai se informar, e por favor para de comer... por que somos nos que produzimos alimentos para alimentar a HUMANIDADE!!!!

  • daniel cunha | Quarta-Feira, 14 de Fevereiro de 2018, 08h02
    3
    13

    Faltou informação do site, Portugal, Espanha, França, e a Itália, Grécia, Etc tiveram que fazer ajustes anti- populares. Não há atalho para as constas publica, ou se ajusta agora, ou não haverá saída para essa casta de chamados beneficiados. Os estados no Governo PT acompanharam toda má gestão, o PMDB como um dos gêmeos siameses do PT, após a trauamatica separação veio a tona de como os 2 partidos tinha a visão de gestão publica, onde era PT e veio para o PMDB e onde era o PMDB, e veio para outros partidos é assim no RJ, RS MT MS BA . Repetindo não há atalho para uma boa gestão publica, tem que se gastar menos, para poder investir mais. Não morro de amores pelo jeito desse governo gerir, mais não se pode negar que tem siso austero no trato da coisa publica. Uma outra coisa que vai cair de moda , é o bloqueio de contas pelos poderes ou o que eu chamo de a "briga pelo butim", tem que se rever os valores dos duodécimos, um poder como a AL não pode ter seu valor atrelado a arrecadação, jamais tem que fazer uma PEC na carta de MT, e rever todas essas benesses, por isso o TJ não pede o bloqueio, pois o executivo tem o releasing pronto para explicar a sociedade de MT, e isso deixaria um desembargador que recebe quase 70 lascas/mês, + isso +aquilo de benesses que agora trocou de nome, chama se penduricallhos. Enfin a deixr ao gosto dos sindicalistas vigaristas, o estado passa ser um simples agente de pagar salários, aliais já virou isso, oo governo de MT arrecada apenas para pagar os graúdos salários, e o que é pior, o serviço publico nunca funcionou, porque isso??? Porque a estabilidade, da a garantia a essa casta de não funcionarem, onde tem estabilidade, o serviço não funciona. isso é aritimético, facil de entender. E agora reformei aqui termo SERVIDOR PUBLICO, virou SERVIR DO PUBLICO. O que mais me alegra em tudo que não necessitará a iniciativa privada fazer nada frente a voracidade dos estados, eles se auto ajustara nun arranca rabo de base, contra o topo da piramide, onde um funcionário que 3mil/mes e trabalha se voltará contra um que ganha 25mil/mês e não mais traablha, e a autofagia da existencia

  • alexandre | Quarta-Feira, 14 de Fevereiro de 2018, 00h29
    14
    1

    VAI taxar o agronegócio ?

  • Said Joseph | Terça-Feira, 13 de Fevereiro de 2018, 20h54
    14
    5

    Pelo visto, esse secretário aprendeu muito rápido com Pedro Taques, Sá abre a boca para falar asneiras e vociferar conversa mole, conversa fiada.

  • analista politico | Terça-Feira, 13 de Fevereiro de 2018, 17h36
    12
    4

    quando se fala de portugal, é preciso lembrar alguns que o país europeu é governado por socialistas e comunistas, lá não falta emprego, se respira prosperidade econômica, não há esse absurdo abismo desigualdade social vivida em mato grosso. portanto, é melhor ser governado por um comunista do que ter um governo atrelado ao agronegócio ,que só pensa em enriquecer meia duzia. quando se lembra de portugal é derrubado a tese do "estado mínimo" defendido pelos empresários gananciosos e sonegadores de impostos, e também defendido por idiotazinhos que não tem idéia do mundo que vivem.

  • João José | Terça-Feira, 13 de Fevereiro de 2018, 12h31
    20
    4

    Vai TNC, a incompetência administrativa fala por si... Governo canalha e incompetente

  • Contribuinte Indignado | Terça-Feira, 13 de Fevereiro de 2018, 12h05
    26
    3

    Se tem crise, é em virtude da malandragem, da falta de competência desses políticos incompetentes que não soube gerir a coisa pública. Pergunto ao governador: cadê a Reforma Administrativa? há necessidade da manutenção de um número tão grande de secretarias, empresas públicas, gabinetes? O Estado tem que priorizar o que é essencial. No Brasil, acostumaram a depender inteiramente do Estado. Pari filho e querem que o Estado dê comida, creche, assistência médica, educação, etc e o governo incompetente e os deputados que pra nada serve, não faz nada.

  • P.R | Terça-Feira, 13 de Fevereiro de 2018, 10h33
    20
    1

    Sui generis a comparação Portugal estado unitário, apenas o poder central tributa, Brasil estado Federativo alem do poder central também os Estados e municípios possuem competência tributária... e por aqui não ha como flexibilizar gasto sem ferir a LRF. o que o governo faz frequentemente é exatamente o contrario do que manda a lei , e isso mesmo com teto de gastos ..etc...etec... Em fim.... Nau a deriva perdida e sem comandante

  • eduardo | Terça-Feira, 13 de Fevereiro de 2018, 09h22
    26
    0

    que comparação absurda senhor gallo, isso mostra que o senhor não tem noção de muita coisa, desconhece economia e pior, politica e geografia. portugal é administrado por um governo socialista, formado por uma coalização formada inclusive pelo partido comunista português, e o país europeu vive um auge de desenvolvimento, com forte demsnda da industria textil e da industria de serviços, principalmente turismo e hotelaria. portugal possui ofertas de empregos jamais visto. são centenas de postos de trabalho precisando ser ocupado, e a única alternativa é estimação a imigração. portugal não tem mendigo e nem favelas. e o estado de mato grosso? esse estado periférico brasileiro, é totalmente inverso, baseado numa economia primária, há forte concentração de renda. parte significativa da população vive na miséria, sua classe politica é corrupta e controlada por um segmento econômico, o agronegócio. por aqui há doenças epidêmicas há muitas décadas erradicadas de portugal. são duas realidades bem distintas, com portugal vivendo um governo socialista-comunista com prosperidade econômica, e por aqui em mato grosso, governado por um governo de direita, conservador e acusado por envolvimento em vários escândalos de corrupção. ahhh, se pudesse já estaria morando em portugal há muitos anos.

  • servidor publico | Terça-Feira, 13 de Fevereiro de 2018, 09h08
    14
    1

    Convence seu chefe maior a taxar o agronegócio acabando um pouco com os privilégios de meia duzia de barões da soja que a anos a anos vem acumulando fortunas...quem sabe pedrinho te ouve...faça um jantar pra ele , contrata umas dançarinas(os) cria um clima e no final sugere a ele a taxação....

  • Araqueto | Terça-Feira, 13 de Fevereiro de 2018, 08h15
    16
    2

    Mais outro pra fazer terrorismo à economia mato-grossense. Um dos estados que mais arrecada, mas por incompetência não consegui administrar o que arrecada. Uma administração inchado, com excesso de burocracia, excesso de secretarias e de servidores comissionados. Isso sem contar de benevolência de incentivos fiscais às empresas que não dão a contrapartida. A população de Mato Grosso já paga uma das maiores cargas tributárias do País: energia, telefonia, água potável e em vários itens da cesta básica. Incrível que o que se arrecada nunca dá. Saúde é um caos, educação é uma das piores do País, as estradas estão em péssimas condições de trafegabilidade.

  • João José de Rosário | Terça-Feira, 13 de Fevereiro de 2018, 07h52
    18
    2

    Esses INCOMPETENTES parecem não pensar em outra coisa a não ser o AUMENTO DE ARRECADAÇÃO... blitz no trânsito com novos equipamentos, blitz na SEFAZ, MULTA EM FAIXAS DE ÔNIBUS... MAS CORTAR DESPESAS NINGUÉM COGITA NÉ ????

  • vando | Terça-Feira, 13 de Fevereiro de 2018, 07h39
    9
    2

    mais um para reclamar, forsa de vontade e pensamentos positivo ajuda superar difilcudades, o povo não quer saber de reclamações quer solução se não tem condições de o fora pede para sair, incopetentes

  • Alberto | Terça-Feira, 13 de Fevereiro de 2018, 07h19
    10
    2

    Então vamos fazer que nem Portugal, deixar de tomar medidas de austeridade. Vamos gastar a rodo. kkkk

  • Gilmar | Terça-Feira, 13 de Fevereiro de 2018, 06h48
    16
    2

    melhorar fluxo de caixa, grande conhecimento hahaha

Loading...

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS