15 de Novembro de 2018,

Polícia

A | A

Quinta-Feira, 13 de Setembro de 2018, 22h:23 | Atualizado:

NO BANHEIRO

Alunas denunciam sofrer assédio sexual dentro da UFMT

ufmt.jpg

 

Alunas da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), campus Cuiabá, relatam que estão sofrendo assédio sexual dentro da universidade e que, apesar do local possuir vigias, se sentem inseguras. Durante uma reunião realizada nessa quarta-feira (12) com representantes do Diretório Central dos Estudantes (DCE), diretores de unidades acadêmicas e a Coordenação de Segurança da UFMT, a universidade apresentou propostas para aumentar a iluminação e o número de vigias, além do retorno das rondas policiais dentro do campus e campanhas para que os alunos saibam como lidar com essas situações.

Ao G1 uma estudante de Saúde Coletiva, 29 anos, que pediu para não ser identificada, contou que há duas semanas ela e outras duas colegas que cursam Biologia foram assediadas e perseguidas por um homem próximo ao bloco de Direito. “Encontrei as meninas correndo e chorando. Quando perguntei o que tinha acontecido, elas me disseram que um homem mostrou o órgão genital e cuspiu nelas. Fomos caminhando até o guarda para contar o que houve e o homem veio atrás de nós fazendo ameaças”, contou.

Segundo a estudante, na semana passada o mesmo homem entrou no banheiro feminino do bloco de Saúde Coletiva e assediou outras meninas. Na mesma semana, ela encontrou o homem com a mão nos órgãos genitais e tentou despistar ele. “Ele é jovem e é facilmente confundido com outros estudantes. Já avisamos os vigias, mas eles disseram que não podem fazer nada, pois são guardas de patrimônio”, disse.

Outra estudante, de 19 anos, disse que está sendo perseguida há mais de uma semana por dois homens em um carro, dentro da universidade. Segundo ela, o caso se repetiu nessa quarta-feira (13). “Isso acontece de manhã, quando estou sozinha. Um deles fica me encarando e dando um sorriso irônico. Ontem chegou perto de mim e disse alguma coisa, mas eu estava de fone e não ouvi e saí de perto o mais rápido possível. Tenho muito medo”, relatou.

De acordo com as estudantes entrevistadas pelo G1, ainda não houve registro de boletim de ocorrência, pois têm vergonha. No entanto, a universidade já foi informada sobre os acontecimentos.

Nas redes sociais, uma página publicou nesta semana, através dos chamados 'stories', relatos de alunas que sofrem ou já sofreram assédio sexual dentro da universidade. Mais de 20 relatos já foram publicados. “Meninas, cuidado quando forem andar pela UFMT sozinhas. Hoje, 17h, fui seguida por um cara dentro do campus Cuiabá e ele só não fez nada porque apareceram outras pessoas no meio do caminho. Então tomem muito cuidado”.

Já em outra publicação, uma outra aluna disse que na terça-feira (11) foi perseguida desde o bloco de Administração até o banheiro. “Percebi que tinha um cara me seguindo. Eu fui ao banheiro, me acalmar sobre a situação porque podia ser coisa da minha cabeça e então olhei no espelho e ele estava próximo do banheiro feminino me encarando. Eu saí de lá e comecei a dar passos mais rápidos em direção ao Instituto de Linguagens (IL) e, por ser escura essa região, eu fiquei mais assustada”, relatou.

CASO ANTIGO

Uma ex-aluna de Educação Física da UFMT contou que os casos de assédio sexual dentro da universidade acontecem há muito tempo e que ela também já foi vítima. De acordo com a educadora física que preferiu se identificar apenas como Karla, ela sofreu assédio dentro do salão de ginástica da universidade em 2012.

“Estava esperando alguns amigos para ensaiar e deixei a porta apenas encostada. De repente apareceu um cara e disse que era aluno novo e estava conhecendo o lugar. Ele perguntou se eu estava sozinha e se meus amigos já estavam chegando e, de repente, ele segurou o meu braço com força e colocou uma mão dentro da calça”, contou.

Segundo Karla, ela ficou assustado e hesitou em gritar, pois ao lado do ginásio estavam pessoas acompanhando um jogo.

“Acredito que ele tenha se assustado, em seguida me soltou, pediu perdão e saiu correndo. Se eu o encontrasse hoje, iria reconhecê-lo”, disse.

A ex-aluna disse que não teve reação no momento e que, logo depois, chegaram alguns amigos dela e deram apoio emocional.

Segundo ela, à época recebeu o apoio do coordenador e foi informada que a segurança do campus era falha. Ela disse que se sentiu insegura até o fim do curso.

 

 

Postar um novo comentário

Comentários (6)

  • José Luiz | Sexta-Feira, 14 de Setembro de 2018, 08h51
    1
    1

    O1 - as universidades publicas brasileiras têm de deixa de ser antro de esquerdopatas. Alguém menciona acima "greve, greve e mais greve". 02 - Não transformem o Deputado Jean Willys na sua alma matter, porque ele é um aborto que não deu certo. Não por ser gay, não tenho nada contra gays, mas por suas idéias doentes. Não existem tantos usuários de maconha no armário como o deputado prega, porque usuário de maconha tende não ir bem nem no ensino médio, nem superior e nem profissionalmente. Não façam então como a USP, lutando contra a presença da policia e pela presença da maconha. De resto, creio que há: "coisas da cabeça", alunos engraçadinhos e marginais e doentes frequentando o. Campus. É preciso torna-lo mais restrito, crachá pra visitante, presença da PM.

  • José Luiz | Sexta-Feira, 14 de Setembro de 2018, 08h50
    0
    0

    O1 - as universidades publicas brasileiras têm de deixarem de ser antro de esquerdopatas. Alguém menciona acima "greve, greve e mais greve". 02 - Não transformem o Deputado Jean Willys na sua alma matter, porque ele é um aborto que não deu certo. Não por ser gay, não tenho nada contra gays, mas por suas idéias doentes. Não existem tantos usuários de maconha no armário como o deputado prega, porque usuário de maconha tende não ir bem nem no ensino médio, nem superior e nem profissionalmente. Não façam então como a USP, lutando contra a presença da policia e pela presença da maconha. De resto, creio que há: "coisas da cabeça", alunos engraçadinhos e marginais e doentes frequentando o. Campus. É preciso torna-lo mais restrito, crachá pra visitante, presença da PM.

  • Pai de família | Quinta-Feira, 13 de Setembro de 2018, 23h06
    4
    0

    Entram com afastamento do reitor. ...todos da administração desta faculdade. Só greve. ..só greve. ...só greve. ...só isto que sabem fazêr. Responsabilidade civil e criminal imediatamente antes que aconteça algo mais grave ainda. Quarita de identificação já. Seguranças imediatamente. Seguranças que realmente sejam de empresa séria. Isto é um absurdo. Acabou a UFMT! Infelizmente!

  • Mixtense | Quinta-Feira, 13 de Setembro de 2018, 22h59
    5
    0

    Será que Eron Jason está atacando novamente?

  • Trabalhador | Quinta-Feira, 13 de Setembro de 2018, 22h41
    4
    5

    Infelizmente esse é o caminho machista, fascista, d desrespeito as mulheres, negros e homossexuais que o país ta tomando...o desrespeito a nós pobres e trabalhadores...denunciem...a Policia resolve isso...eu ainda confio muito nessa instituiçao...tanto na PM quanto PJC

  • Galileu | Quinta-Feira, 13 de Setembro de 2018, 22h29
    1
    2

    Nenhum internauta de plantão manifestou-se. Mas será que esse grave problema não infere na família dele? Pois é , todos têm que pagar por isso.

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS