15 de Novembro de 2018,

Polícia

A | A

Quarta-Feira, 07 de Novembro de 2018, 18h:50 | Atualizado:

EM CANA

Gerente é morto por "caso" com esposa de colega em MT

assassino-gerente.jpeg

 

O autor de um crime de homicídio ocorrido no município de Sorriso (420 km ao Norte) foi preso pela Polícia Judiciária Civil, na terça-feira (06.11), durante cumprimento de  mandados de prisão e busca e apreensão domiciliar. O trabalho de investigação foi realizado pela equipe  policial da Divisão de Homicídio e Proteção a Pessoa, da Delegacia de Polícia de Sorriso. 

O suspeito, João Walchak Netto, 43 anos, teve a prisão preventiva decretada após ser identificado como autor do assassinato de Cleiton Domeni Naitzki, ocorrido em 12  de  agosto de 2017, dentro de sua residência  no bairro Jardim Porto Alegre, na cidade de Sorriso, com perfurações de arma de fogo.

Com o suspeito também foram apreendidas duas armas de fogo e munições.

A vítima, Cleiton Domeni Naitzki, 28 anos, trabalhava como gerente de uma propriedade rural na região. Os investigadores descobriram que a vítima mantinha relacionamento extraconjugal com a mulher de João Walchak, que era colega de trabalho de Cleiton.

O relacionamento amoroso da vítima com a mulher do suspeito está relacionado a  motivação do crime. Diante dos indícios colhidos pelos policiais civis e provas de autoria, a Polícia Civil representou pelo pedido de prisão de João Walchak, bem como pelo mandado de busca e apreensão domiciliar, deferidos pelo juízo da 2ª Vara Criminal da Comarca de Sorriso.

Com as ordens judiciais expedidos, os policiais civis realizam buscas na casa do investigado, local em que foram localizados um rifle calibre 22 com registro vencido, contento dispositivo óptico de pontaria (luneta) e dispositivo de pontaria com emprego de luz (laser sight), e uma espingarda calibre 28, com oito munições.

Na Delegacia, além do mandado de prisão, João Walchak foi autuado em flagrante por posse ilegal de arma de fogo e munições, conforme artigo 16 do Estatuto do Desarmamento c/c artigo 16, inc. XVIII do R-105.

Depois de ser interrogado, o suspeito foi encaminhado para audiência de custódia, sendo mantido preso pelo Poder Judiciário.

 

Postar um novo comentário

Comentários (8)

  • Joab Mendes | Quinta-Feira, 08 de Novembro de 2018, 21h53
    1
    0

    Esse aí já pagou, não merece ser preso.

  • José Luiz | Quinta-Feira, 08 de Novembro de 2018, 09h43
    5
    0

    Nenhum apoio contra a vingança. Mas só observamos que um trabalhador, que cometeu o crime por ser traído saia da audiência de custódia para o presídio. Se fosse um assaltante ou traficante com várias passagens o juiz soltava. O Judiciário está cheio de ptralha.

  • Peralta | Quinta-Feira, 08 de Novembro de 2018, 08h46
    5
    0

    Era corno. Agora é presidiário e continua corno. kkkkk

  • Said Joseph | Quinta-Feira, 08 de Novembro de 2018, 08h31
    4
    0

    Nunca subestime um CORNO. Ele pode ser fatal.

  • Fábio | Quinta-Feira, 08 de Novembro de 2018, 05h52
    7
    4

    É melhor bater uma siririca do que mexer com mulher casada. Mulher casada cheira chumbo, já dizia meu velho avó.

  • Nego Preto | Quarta-Feira, 07 de Novembro de 2018, 20h25
    16
    0

    Além de corno, o cara é burro. Matou o ricardão, está preso, complicou a sua vida para sempre e a sua ilustríssima esposa logo logo irá arrumar outro camarada para consolá-la.

  • jocadomas | Quarta-Feira, 07 de Novembro de 2018, 19h50
    17
    0

    matou o cara e a mulher vai continuar a colocar um par de adorno rssss

  • Chico Butija | Quarta-Feira, 07 de Novembro de 2018, 19h12
    23
    0

    Risco da atividade do pé de pano.... Deu ruim!

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS