21 de Setembro de 2018,

Política

A | A

Quarta-Feira, 11 de Julho de 2018, 14h:27 | Atualizado:

APOIO SOB RISCO

Senador confia na lealdade do MDB, mas diz que mudanças "são naturais"

Wellington também acredita que PSD estará em seu arco de alianças nas eleições deste ano


Da Redação

wellington-bezerra.jpg

 

O pré-candidato ao Governo, senador Wellington Fagundes (PR), acredita na lealdade do MDB e dos partidos que fecharam aliança em torno do seu projeto. Apesar da confiança, admite que as migrações partidárias são decorrentes do processo eleitoral. 

“As conversas sobre aliança se afunilam ao aproximar as convenções, e acaba acontecendo as migrações. O que eu quero colocar, de forma muito clara, é que nós confiamos uma aliança que queira construir para ganhar as eleições, mas que acima de tudo para fazer um bom governo. Eu tenho procurado manter a mesma linha principalmente de respeito aos adversários”, explica o senador em entrevista a Rádio Capital FM. 

O republicano conta que o MDB é um dos partidos que participa desde o princípio das conversas sobre sua pré-candidatura, inclusive com grandes chances de indicar o candidato a vice. Ele destacou que já possui um bom arco de alianças e busca a adesão de mais siglas. "Acho que assim nós vamos construir essa coligação, e vamos apresentar como candidato a governador com uma chapa bem formada e principalmente com bons propósitos”.

Entre as agremiações que também acredita permanecer na composição, é o PSD. Fagundes destaca que teve conversa “muito franca” com as lideranças da legenda e que, mesmo com divergências partidárias com alguns parlamentares da sigla, aposta que estarão juntos nas eleições. 

“No PSD tem as divergências dos deputados estaduais que hoje ainda dão sustentação e apoiam o atual governo. O presidente do partido, Carlos Fávaro, vinha buscando um posicionamento e desde do ano passado nos procurou. Tivemos muitas reuniões e continuamos abertos. Penso que o diálogo na politica é a principal mola propulsora para chegarmos em alguma decisão”, frisa.

Ainda sobre aqueles que podem migrar para outras alianças, ele afirma que PP e PTB garantiram seguir no grupo. “Muitos partidos tem nos procurado. Eu penso que o mais importante é a construção de uma aliança com responsabilidade para ganhar, mas acima de tudo para governar o Estado”.

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia