19 de Setembro de 2018,

Política

A | A

Terça-Feira, 28 de Outubro de 2014, 15h:37 | Atualizado:

EXECUÇÃO FISCAL

TJ bloqueia R$ 159 mil do patrimônio de deputado eleito em MT

Decisão se deve a falta de pagamento de impostos pelo deputado eleito


Da Redação

Ilustração

adilton

 

O ex-prefeito de Rondonópolis e deputado federal eleito, Adilton Sachetti (PSB), sofreu penhora de bens na ordem de R$ 159.575,92 mil por conta de uma ação de execução fiscal movida pela Fazenda Pública do Estado de Mato Grosso. A decisão foi dada pelo juiz da 1ª Vara da Fazenda Pública, Francisco Rogério Barros. 

A execução Fiscal é o termo que se aplica a procedimento especial em que a Fazenda Pública exige de contribuintes inadimplentes o crédito que lhe é devido, recorrendo ao poder Judiciário. Sachetti é empresário no ramo do agronegócio e aparece como o deputado federal eleito mais rico de Mato Grosso.

Em sua declaração de bens registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), o socialista informou que possui um patrimônio avaliado em R$ 5,687 milhões. Ele foi o segundo mais votado entre os parlamentares eleitos com 112.722 mil votos, o equivalente a 7,75% do total válido. Entre os principais bens de Sachetti está a participação societária na empresa B.S Participações S/A, no valor de mais de R$ 2,395 milhões.

Inicialmente, Sachetti nomeou um imóvel pertencente a empresa Sachetti Armazéns Gerais S.A para penhora. No entanto, a Fazenda Pública Estadual discordou da indicação do bem, em razão de não ter juntado a certidão do bem imóvel atualizado, o que levou a requerer penhora online em suas contas bancárias.  A execução fiscal foi protocolada em 28 de dezembro de 2012 e ainda segue tramitando no Tribunal de Justiça de Mato Grosso. 

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Angela Maria | Terça-Feira, 28 de Outubro de 2014, 15h51
    2
    0

    É ASSIM MESMO, REQUISITO NUMERO 1 PARA SER TORNAR DEPUTADO FEDERAL. DEPOIS RECLAMAM DOS POLITICOS.