25 de Maio de 2020,

Cidades

A | A

Quinta-Feira, 20 de Fevereiro de 2020, 03h:42 | Atualizado:

Corregedoria usa videoconferência para reduzir taxa de congestionamento

Boas práticas aplicadas em dois Juizados Especiais, um em Cuiabá e outro em Várzea Grande, servirão de modelo para os demais juizados de todo Estado. As informações serão repassadas por meio de videoconferência, que, através de plano de trabalho elaborado pela Corregedoria-Geral da Justiça de Mato Grosso (CGJ-MT), vai difundir as informações com vistas a se alcançar a meta de 25% da taxa de congestionamento e, consequentemente, produtividade de 75%.

A primeira videoconferência ocorreu nesta terça-feira (18 de fevereiro), com a presença do presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha e do corregedor, desembargador Luiz Ferreira.

Os juizados modelos são a Quarta Vara Cível da Capital e o Juizado Especial Cível do Jardim Glória, em Várzea Grande. Levantamento realizado pelo Departamento de Aprimoramento da Primeira Instância (Dapi) avaliou todas as unidades, sendo selecionadas as duas melhores unidades. A determinação do corregedor-geral é que todos os juizados especiais de Mato Grosso se adequem a essas boas práticas, classificadas com nível de excelência, tomando como base o índice de taxa de congestionamento registrado.

Adotar a videoconferência como rotina para esse trabalho traz economia, rapidez, praticidade para o Poder Judiciário, como pontuou o desembargador Luiz Ferreira. Os trabalhos ganham celeridade e eficácia graças, também, à ferramenta Omni, que está dando vasão aos dados, segundo o magistrado. Com base nos números oferecidos pela ferramenta, o juiz tem condição de saber a situação dos processos de sua unidade.

“A melhoria dos serviços prestados é uma das metas da administração do desembargador Carlos Alberto desde o primeiro dia de gestão. Fazer com que o judiciário cada vez mais se aproxime da sociedade e cada vez mais ele consiga produzir com mais rapidez. Porque todo mundo sabe que quando alguém precisa procurar a justiça é porque algo ocorreu e se ele consegue esse bem da vida com mais rapidez, celeridade, é satisfatório, porque todos saem ganhando”, disse o corregedor.

De acordo com o juiz auxiliar da CGJ-MT, Gerardo Humberto Alves Silva Junior, há aproximadamente 93 unidades de Juizados Especiais em todo Estado e por conta da extensão territorial de Mato Grosso, o corregedor optou pelas videoconferências. Porém, em Cuiabá e Várzea Grande os trabalhos serão realizados de forma presencial. Serão explicados como o sistema Omni funciona e como ele propicia o ganho de tempo e de recurso financeiro.

“Estamos buscando a eficiência dentro do serviço público. O plano de trabalho foi elaborado no ano passado e aprovado na semana passada em decorrência da Instrução Normativa 1/2020. Os magistrados dos Juizados Especiais deverão observar e cumprir a instrução normativa, analisando os dados e estabelecer fluxo de trabalho a longo prazo, com medição presencial no mês de julho e medição final em novembro deste ano”, informa Gerardo Humberto.

O magistrado que atua no 4°Juizado Especial Cível de Cuiabá, João Alberto Menna Barreto Duarte disse que rotinas de trabalho fazem parte do dia a dia, tanto no gabinete quanto na secretaria, como triagem de processos, identificação da natureza dessas ações, organização das decisões, o que há no acervo processual e o que poderia ser feito. Além disso, orientação semanal é realizada com servidores e estagiários, além da cobrança de resultados.

“Estamos trocando experiências com essa videoconferência e isso é valioso para alinhar os objetivos. Deve haver sincronia entre gabinete e secretaria para se alcançar bons resultados”, pontua o magistrado.

O gerenciamento da unidade, com o auxilio do sistema Omni foi destacado pela juíza titula do Juizado Especial Cível do jardim Glória, em Várzea Grande, Viviane Brito Rebello Isernhagen. Ela diz que espera contribuir com os demais colegas na agilidade do trabalho e, principalmente eliminando tarefas desnecessárias, resultando no menor tempo de tramitação dos processos.

“Esse trabalho é de grande importância porque permite a comunicação de informação, das boas práticas. Vamos ouvir as dificuldades do colega e vamos procurar auxiliar da melhor maneira possível para que eles consigam trabalhar e terminar os processos no menor tempo esperado.

A videoconferência contou com a participação do Departamento de Apoio aos Juizados Especiais (Daje).

 

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS