25 de Maio de 2020,

Cidades

A | A

Quinta-Feira, 09 de Abril de 2020, 12h:35 | Atualizado:

MAPEAMENTO DA COVID-19

Cuiabá tem casos confirmados em 26 bairros; Morada da Serra é "campeão"

Estudo da UFMT deixa Capital em alerta; boa notícia é nenhum registro de morte


Da Redação

mascaras-covid.jpg

 

Cuiabá tem uma incidência de 5,4 casos de infecção pelo novo coronavírus a cada 100 mil habitantes, o que caracteriza uma média muito acima da nacional, de 4,9 casos por 100 mil. A informação foi divulgada pela Diretoria de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Cuiabá em estudo conduzido em conjunto com o Instituto de Saúde Coletiva da UFMT.

Esse mapeamento inclui trabalho do Departamento de Geografia da mesma universidade federal que revela que 26 bairros da capital tinham casos confirmados da Covid-19 até o aniversário da cidade, comemorado nesta quarta-feira (8). A região que possui o maior número de casos é Morada da Serra com quatro casos, seguida pelo Florais e Jardim Itália com três cada.

Entre os 157 casos suspeitos entre os residentes em Cuiabá até o dia 04 de abril, 52 (33% do total geral) esperam pelo resultado dos testes. Dos 105 casos testados, 33 (algo em torno de 31%) foram confirmados e outros 72 (por volta dos 68%) já foram descartados.

A Prefeitura de Cuiabá informa também que haverá boletins semanais divulgados para instrumentalizar monitoramento de padrões de morbidade e mortalidade, além de observar características clínicas e epidemiológicas dos casos de SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave, na sigla em inglês) causados pela sétima cepa do coronavírus.

O estudo dos geógrafos da UFMT foi coordenado pelo professor Emerson Soares dos Santos sobre pesquisa que analisou os dados e aponta — até o sábado (4) passado — a notificação de 185 casos suspeitos de SARS em Cuiabá. Desses, 60 (32,4%) esperam pelo resultado do exame para Covid-19.

Outros 125 já testados tiveram 88 descartados e 37 positivados, sendo 33 em Cuiabá, dois em Várzea Grande e outros dois em Poconé (distante 100 quilômetros da capital).

ALENTO TEMPORÁRIO

A boa notícia contida nos estudos advém do fato de Cuiabá ainda manter — pelo menos por hora e ao menos oficialmente — uma taxa de letalidade zero. A maioria das confirmações de casos foi em mulheres.

Entre os 33, 19 pacientes são do sexo feminino e o mito de que é doença de velho cai por terra ao demonstrar idade média de 44 anos para os atingidos e vasto intervalo na faixa etária, que vai de um caso com quatro anos de idade até o mais velho, com 63, além de ampla maioria que se concentra entre os 30 e 59 anos (29 casos), 14 entre os 40 e 49 anos. Só dois idosos foram oficialmente testados e positivados.

Sempre conforme os pesquisadores locais, os primeiros sintomas apareceram na capital no dia 12 de março e a primeira notificação se deu dois dias depois, dia 14 de março. E essa demora foi aumentando e causa preocupação, pois esse intervalo médio entre os primeiros sintomas e a notificação chegou a 5,23 dias em uma pandemia que está só no começo.

Entre os sintomas já conhecidos e pacificados pela comunidade científica mundial, coordenada pela OMS (Organização Mundial de Saúde), a febre apareceu na maior parte dos positivados: 14; a tosse vem logo atrás, com 13 casos, seguidos de dispneia, com cinco casos, e cefaleia, dor de garganta, dor orbital e dores pelo corpo, com uma queixa dos pacientes cada um.

Ao contrário do que pregam alguns, até o momento as doenças pré-existentes, classificadas como “comorbidades” pelos médicos, também são minoria absoluta entre os atingidos. Diabetes e hipertensão lideram, com dois casos cada um, seguidos pelas cardiopatias, problemas de fígado, leucemia e imunodeficiência, com um caso cada.

Dos 23 casos que precisaram de internação, somente 12 receberam alta, outros 11 continuam nos hospitais. Não é possível se falar em cura, de acordo com a OMS, pois a comunidade científica alerta que não dá para saber se as pessoas que saíram dos hospitais não vão voltar a serem infectadas e, portanto, voltar a apresentar os sintomas.

“A doença ainda é muito nova e não temos dados suficientes para respondermos todas as questões sobre o vírus. Esses dados que estamos compilando serão muito úteis para começarmos a construir estudos que possam nos nortear acerca do melhor caminho a ser tomado para o controle desta pandemia”, esclareceu a gerente de Vigilância em Doenças e Agravos Transmissíveis da prefeitura, Flávia Guimarães.

A vasta maioria das 157 notificações, numa taxa de algo em torno de 60% vem de hospitais privados. O CIAPS Adalto Botelho, policlínicas, UPAs, novo Pronto Socorro e Júlio Muller notificaram outros 31% e a vigilância epidemiológica trouxeram 8% dos casos (os números foram arredondados, por isso aparecerão divergências nas somas até 100%).

Os bairros cuiabanos com casos confirmados são os Florais Cuiabá, Residencial Paiaguás, Jardim Vitória, Solar de Chapada, Morada da Serra, Morada do Ouro, Bela Vista, Bosque da Saúde, Pedregal, Duque de Caxias, Santa Rosa, Quilombo, Centro Sul, Bandeirantes, Dom Aquino, Boa Esperança, Jardim das Palmeiras, Jardim Gramado, Parque Atalaia, Altos do Coxipó, Jardim Universitário, Jardim Imperial, Santa Cruz, Jardim Leblon, Lixeira e Jardim Itália.

Como esperado, o crescimento é exponencial. Eram somente oito no dia 28 de março, número que saltou para 18 três dias depois, dia 31 de março, que pulou para 25 no dia 3 de abril, chegou a 37 no dia 4, até bater nos 50 no dia do aniversário de 301 anos, um aumento acima dos 35% em quatro dias e mais que quintuplicou em meros 11 dias.

covid-cuiaba (1).jpg

 

Postar um novo comentário

Comentários (7)

  • Silvana | Quinta-Feira, 09 de Abril de 2020, 18h37
    2
    0

    Fui hoje no CPA buscar máscaras com uma costureira. O comércio todo estava aberto! Sorveteria , ambulantes e até bar eu vi aberto com clientes aglomerados. Vi até tapeçaria aberta! Por isso o número de casos aumentando por lá.

  • LUIZ ALVES | Quinta-Feira, 09 de Abril de 2020, 18h09
    4
    0

    Morada da Serra é uma região, que abriga mais de 30 bairros, não é um único bairro. É que nem a região do coxipó. Deveriam ser mais específicos!

  • MARIA TAQUARA | Quinta-Feira, 09 de Abril de 2020, 16h26
    2
    1

    Cada um segue sua consciência. A morte é inevitável, raciocinar é opcional. Acho inteligente se preservar da exposição à um vírus que tem um efeito tão intenso na saúde humana. Quero trabalhar, não quero ficar em casa, sei que terei interação com o vírus em algum momento mas também quero resistir a ele. Resistir sem que haja danos intensos ao meu corpo, especialmente o sistema respiratório. Neste momento, caso eu precise de assistência médica haverá dificuldades pq os hospitais estão cheios. Tbem nao quero ir a um hospital sem necessidade sabendo que este vírus está lá. Nguem está seguindo ordem de prefeito, as recomendações que ele adotou são as adotadas pela maioria dos governos e entidades de saúde.

  • Carlos | Quinta-Feira, 09 de Abril de 2020, 16h10
    0
    0

    Cuiabano se mostra covarde. Menininha è quem se esconde atràs de um comentario

  • Zé | Quinta-Feira, 09 de Abril de 2020, 13h43
    2
    0

    Aonde fica o bairro Morada da Serra? Fica perto do cpa1,2,e,4...? O que significa cpa?

  • Cuiabano | Quinta-Feira, 09 de Abril de 2020, 12h50
    3
    15

    Bando de biscatinhas que estão recebendo ordem de um Prefeito que foi filmado colocando dinheiro sujo no Paletó. Vocês acham que realmente o Paletó está preocupado com a sua saúde? Seu trouxa, lógico que não. Menininhas!!

  • Cuiabano | Quinta-Feira, 09 de Abril de 2020, 12h46
    6
    16

    A morte é inevitável, portanto....por que temos quw temer o Vírus? Por que a imprensa quer? Por que os Políticos querem? A vida é de lutas e não agora seres conversar. A imprensa quer criar um bando de menininhas, acorvardados. Uma coisa é certa, os trabalhadores serão os mais prejudicados. Os políticos serão os mais beneficiados com o Vírus, vão roubar tudo que podem e depois liberar o comércio já falido.

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS