23 de Janeiro de 2020,

Cidades

A | A

Quinta-Feira, 05 de Dezembro de 2019, 18h:04 | Atualizado:

PARALISIA CEREBRAL

Mãe em MT vende trufas para levar filho para Tailândia

mae-filhoparalisia.jpeg

 

Uma mãe está vendendo trufas para arrecadar dinheiro e custear o tratamento de saúde do filho de 3 anos, que tem paralisia cerebral. Rayane Kezia Ferreira Corrêa mora com o filho, Ícaro Henrique Ferreira do Amaral, no Bairro Santa Amália, em Cuiabá. Os bombons feitos em casa são vendidos nas ruas da cidade.

Segundo Rayane, ela faz os bombons em casa e vende nas ruas próximas ao bairro onde mora.

Ela vende trufas com recheio de brigadeiro, morango, beijinho, maracujá e limão, nos bares, pizzarias e estabelecimentos comerciais à noite.

Às sextas-feiras ela vende na feira livre no Bairro Jardim Imperial. O preço unitário do bombom é R$ 3,50 ou R$ 10, três unidades.

A cada seis meses, ela leva Ícaro para Brasília. Ao G1, Rayane contou que o sonho dela é conseguir pagar um tratamento de células-tronco na Tailândia.

Ela ouviu falar de um tratamento no país asiático e gostaria de levar o filho.

De acordo com Rayane, a paralisia do filho foi causada após complicações no parto, por meio do fórceps. Ao nascer, Icaro foi para Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e ficou 23 dias em tratamento.

Devido ao parto complicado, Icaro ficou com sequelas graves, com o comprometimento na mobilidade. Diagnosticado como tetraplégico, ele não tem coordenação motora, pois não consegue mastigar e precisa de apoio a todo momento, segundo a mãe.

Rayane contou que recebe a ajuda e o apoio da mãe quando precisa, mas não pode trabalhar porque precisa cuidar do filho.

Uma campanha para ajudar Icaro está sendo feita como vaquinha na internet.

De acordo com ela, o dinheiro que ganha com o trabalho de vendas de trufas é destinado para o filho.

“Elé uma criança esperta e inteligente. Ele é tudo na minha vida. Icaro é muito bonzinho, um anjinho que Deus me enviou. Graças a ele a minha vida mudou, dou minha vida por ele. Eu era totalmente irresponsável, não dava valor em nada, hoje eu sou outra pessoa graças a ele”, disse, emocionada.

Rayane é natural de São José dos Quatro Marcos, a 343 km da capital e o filho é cuiabano. Ela aprendeu a fazer as trufas com uma amiga farmacêutica, para poder ganhar dinheiro e ter tempo flexível para se dedicar totalmente aos cuidados do filho.

Icaro recebe um auxílio-doença, mas, segundo ela, o benefício não é suficiente para manter o tratamento e as necessidades básicas deles.

A mãe explicou que deixou de trabalhar para que o filho conseguisse receber o benefício. Com o dinheiro que recebe, Rayane também paga o aluguel da casa onde moram, além dos gastos com necessidades básicas. Icaro precisa de continuar o tratamento e de equipamentos que o auxiliem a manter a saúde estável.

Além do tratamento em outro estado, Icaro faz equoterapia, fisioterapia, hidroginástica e fonoaudiológico na capital.

Ele gosta muito de música e televisão. Segundo a mãe, o filho gosta de coisas simples e o sonho dele é andar.

“Eu saio no frio, na chuva, em qualquer situação para ajudar o meu filho. Não tenho vergonha e chego nas pessoas para oferecer. Conto que estou vendendo as trufas para ajudar meu filho, pagar o tratamento, comprar os equipamentos. Meu filho me mostrou o que é viver, minha força vem dele. Agradeço sempre, primeiramente Deus no céu e meu filho na terra.”, declarou.

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS