06 de Agosto de 2020,

Cidades

A | A

Quinta-Feira, 25 de Janeiro de 2018, 08h:39 | Atualizado:

PARECER

MPE contesta laudo e defende manutenção da prisão de Arcanjo

Órgão ainda destacou risco de fuga de ex-comendador


Gazeta Digital

Chico Ferreira - A Gazeta

arcanjo.jpg

 

O Ministério Público de Mato Grosso (MPE-MT) dá parecer contrário à progressão de regime de João Arcanjo Ribeiro, para o semiaberto, apontando falta de atualização nos cálculos de penas, além de questionar o laudo psiquiátrico. O documento foi encaminhado nesta quarta-feira (24) para o juiz da Segunda Vara de Execuções Criminais, Geraldo Fidelis. A promotora Josane Fátima de Carvalho Guartente pediu vistas nos autos antes que ocorra uma audiência admonitória, caso haja decisão favorável à saída de Arcanjo.

Logo após o parecer do MPE ser protocolado, passou a constar no processo de execução de pena, no site do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, o cálculo de pena do réu que, até o momento, não era de conhecimento público. Por este cálculo, Arcanjo tem sete condenações que somam 87 anos e seis meses de prisão. Ele teve remido 76 dias. Considerando 1/6 para progressão, e que ele foi preso no dia 11 de abril de 2003, o cálculo aponta que o ex-comendador já poderia estar no regime semiaberto desde o dia 26 de agosto do ano passado.

Em dezembro do ano passado o MPE entrou com recurso contestando o cálculo de pena. Para o órgão, a atualização é urgente pois Arcanjo não teria direito de sair da prisão. No trâmite processual, o juiz Geraldo Fidelis determinou que a defesa se manifeste sobre o agravo, para então decidir sobre a manutenção ou reforma do cálculo.

Em relação ao resultado do exame criminológico de Arcanjo, que concluiu que ele apresentou baixo escore de violência, reincidência e psicopatia, e apresentou bom comportamento no período em que está encarcerado, a promotora diz que o bom comportamento carcerário não é suficiente para progressão de regime e lembrou ainda que esse bom comportamento ocorreu enquanto Arcanjo cumpria penas em presídios federais, onde passou a maior parte do tempo de reclusão. “É notório o rigor e a disciplina da rotina dos recuperandos que cumprem pena em estabelecimento federal, o que praticamente impossibilita ou dificulta sobremaneira desvios de conduta por parte dos apenados (...)”, diz trecho.

A promotora lembrou que Arcanjo foi inserido no sistema federal em 2007, após a deflagração da operação “Arrego”, que comprovou na época que mesmo na Penitenciária Central do Estado (PCE), ele continuava comandando uma organização criminosa no Estado. Além disso ela destaca que analisando as denúncias criminais, o ex-comendador sempre figurou como mandante nos crimes de homicídios e nunca como executor, razão pela qual, segunda a promotora, seus atos não são “dotados de violência real”, mas, conforme ela, isso não significa que ele não seja de alta periculosidade, ainda que exame psiquiátrico tenha concluído seu baixo score.

Promotora destaca recursos abusivos

A promotora entende que a progressão para o regime semiaberto, que atualmente é cumprido no Estado em regime de prisão domiciliar, mediante o monitoramento eletrônico, trará para a população um sentimento de “impunidade”, principalmente em razão dos processos ainda em andamento nos quais Arcanjo é acusado como mandante de crimes contra a vida e deverá ainda ser julgado.

A promotora Josane Fátima de Carvalho solicitou ao Ministro de Estado da Justiça informações a cerca do pedido de extensão da extradição de João Arcanjo Ribeiro e destacou os diversos recursos interpostos pela defesa de Arcanjo,classificando-os como “abusivos”, com fim de atrasar todos os processos em que o ex-comendador é citado e já foram incluídos no pedido de extradição ao Uruguai. Segundo ela, os processos encontram dificuldades de tramitação durante a instrução processual por causa dessas manobras.

Para o MPE, a progressão para o semiaberto prejudicaria as instruções desses processos, pois o temor que a sociedade possui sobre Arcanjo pode atrapalhar a produção de provas testemunhais. Foi destacado também a fuga de Arcanjo para o Uruguai, afirmando que este fato vem prejudicando a instrução em vários processos, inclusive aqueles de crimes contra o sistema financeiro. A promotora lembrou que Arcanjo possui “notório poder econômico”, o que facilita a possibilidade de nova fuga para outros países, já que é evidente o interesse dele em “esquivarse” dos julgamentos que ainda estão por vir.

No parecer a promotora citou ainda três processos nos quais Arcanjo é réu, e que vem se arrastando em razão de recursos. Entre eles está o processo sobre a morte de Mauro Sérgio Benedito Manhoso, assassinado com nove tiros, que teriam sido disparados por Célio Alves que estava na garupa da moto dirigida por Hércules Araújo. Manhoso era proprietário de uma empresa que desenvolvia sistemas para sorteios eletrônicos e bingos.

Segundo denúncia do MPE, o empresário vinha montando um sistema de jogos denominado “raspadinha”, fazendo concorrência aos jogos ilegais que Arcanjo comandava. Outro processo citado é o do ex-vereador de Várzea Grande, Valdir Pereira. A acusação aponta Arcanjo como mandante. O caso foi registrado em 7 de agosto de 2002 e mais uma vez a causa seria negócios envolvendo os jogos de azar.

 



Postar um novo comentário

Comentários (7)

  • Cidadao | Quinta-Feira, 25 de Janeiro de 2018, 18h35
    0
    0

    Eu não sei pra que; ainda dar ouvido pra esse tal de MP!

  • Clemente | Quinta-Feira, 25 de Janeiro de 2018, 14h56
    1
    2

    O povo está cego... Definitivamente o certo virou o errado... você ser justo e correto hoje em dia é quase um crime, você ter valores morais, religiosos e éticos na sociedade de hoje é pedir para ser crucificado...Quero dizer aqui que não tenho nada pessoal contra esse cidadão (ARCANJO), oro e torço para que o Senhor Jesus salve ele.Porem será que agora o povo ira retirar das costas os crimes cometidos por esse senhor? Agora ele virou anjo ? Este senhor destruiu familias, muitas... chefiou o crime organizado por muitos anos, era tido por Comendador, pois toda a população temia a sua frieza e crueldade, e ainda tem pessoas dizendo que o MPE está errado ? Como muitos tem coragem de criticar aqueles que praticam a justiça ? O MPE não está se alegrando com a desgraça de ninguém, lembrando vocês que a culpa dele estar aonde está é somente dele, ele escolheu isso e não o MPE... Deixem as pessoas serem integras conforme a justiça ordena...Mais uma vez a história se repete, mesmo após mais de dois mil anos, o Povo continua escolhendo a BARRABÁS...Mas ainda tem o remanescente, ainda existe pessoas íntegras.PARABENS AO PROMOTOR, AO MPE E TAMBEM A TODOS OS CIDADÃOS DE BEM(VAMOS SER O REMANESCENTE POVO) !!! Deus seja louvado.

  • marcelo | Quinta-Feira, 25 de Janeiro de 2018, 13h12
    2
    0

    Essa promotora ta agindo a serviço de outros, para não deixar o cara sair.... um levantamento vcs vão ver quem é ela e seus amigos...

  • Bruno | Quinta-Feira, 25 de Janeiro de 2018, 11h05
    1
    0

    Quem não deve, quem não deve ter gostado nada disso é a publicitária Tatiana Sangalli, que vai ter que aguardar ainda pelo seu casamento com o bicheiro.

  • said joseph | Quinta-Feira, 25 de Janeiro de 2018, 09h40
    12
    0

    Lá vem o MPE -MT, querem criar mais um empecilho para prejudicar um simples cidadão. É aquela história, na falta do que fazer cria-se mais um processo em desfavor do Sr. Arcanjo Ribeiro. Motivo? Dá IBOPE.

  • Ulisdete | Quinta-Feira, 25 de Janeiro de 2018, 09h26
    10
    1

    O MPE nao é de Deus. Se alegra com a desgraça e faz o que for possivel para conseguir o quer mesmo sendo contra legem

  • Ruidnan | Quinta-Feira, 25 de Janeiro de 2018, 08h57
    11
    1

    Isto tudo é monte de baboseira, Arcanjo tem os seus direitos, independente dos recursos, além do mais é culpa de todo um judiciário que não se moderniza para agilizar os processos sejam quais forem

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS