Cidades Sexta-Feira, 12 de Abril de 2019, 21h:40 | Atualizado:

Sexta-Feira, 12 de Abril de 2019, 21h:40 | Atualizado:

Notícia

MPMT debate tecnologias para coibir o desmatamento em tempo próximo ao real

 

Da Redação

Compartilhar

WhatsApp Facebook google plus

O uso de ferramentas tecnológicas para monitorar e coibir o desmatamento ilegal em tempo próximo ao real é tema de audiência pública marcada para a próxima terça-feira (16/04), em Itiquira (363 km ao sul de Cuiabá). Realizado pela Promotoria de Justiça de Itiquira, o evento propõe conscientizar a comunidade a fim de prevenir, em primeiro lugar, que os proprietários cometam ilícitos ambientais.

O promotor de Justiça Cláudio Angelo Correa Gonzaga, da Promotoria de Justiça de Itiquira, sustenta que, com a evolução tecnológica dos sistemas de imagens de satélites e o reconhecimento de padrões (machine learning), aliados aos princípios da prevenção e precaução, o Estado deve adotar procedimentos visando a atuação imediata para coibir o dano ambiental irreversível, inclusive porque o desmatamento ilegal e as queimadas são a maior causa das emissões brasileiras de gases que contribuem para o aquecimento global e a mudança climática (de consequências ainda imprevisíveis para a economia, a natureza e a sociedade).

Como instrumento para esse trabalho de monitoramento dos desmates, Gonzaga destaca a utilização pela Promotoria de Itiquira da plataforma Global Forest Watch (https://www.globalforestwatch.org/), que fornece alertas com grande precisão de queimadas em até 24 horas após o ocorrido e de perda de cobertura florestal em até uma semana. Com cruzamentos de informações constantes em outras bases de dados, o Ministério Público consegue identificar o imóvel e o proprietário e expedir notificação pelos correios em poucos dias.

"O tempo decorrido entre um alerta do DETER, a confirmação do polígono pela Sema ou Ibama e o aporte do auto de infração ao Ministério Público é de vários meses. Já os alertas do Global Forest Watch de incêndios ativos, por exemplo, que exibe dados de incêndios das últimas 24 horas a 72 horas, são atualizados duas vezes por dia. Após receber os alertas por e-mail, cruzamos a coordenada do local com outras bases de dados a fim de identificar o imóvel e o proprietário, e conseguimos notificá-lo poucos dias após a ocorrência do fato. Como na esfera da reparação civil do dano ambiental, ao contrário do que se verifica na esfera administrativa e penal, o Ministério Público tem a seu favor a possibilidade de inversão do ônus da prova, nos termos da Súmula 618 do STJ, diante do recebimento de um alerta e do grau de certeza destes, de quase 90%, o proprietário é notificado a cessar o desflorestamento ilegal e apresentar os esclarecimentos necessários, coibindo-se a intensificação do dano ambiental logo no seu início" , explicou o promotor.

Segundo ele, a audiência pública também contará com representantes da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, a fim de que os proprietários interessados a fazer intervenções na cobertura florestal possam ser orientados sobre como proceder dentro da legalidade, com autorização do órgão ambiental competente, o que, além da proteção ao meio ambiente, confere segurança jurídica aos proprietários.

"A Constituição Federal diz, em seu artigo 186, que a função social da propriedade rural é cumprida quando ocorre a utilização adequada dos recursos naturais disponíveis e preservação do meio ambiente e seu aproveitamento racional e adequado. O direito de propriedade existe e, em razão dele, o proprietário também pode fazer intervenções em sua propriedade, inclusive para dar uma destinação economicamente produtiva. Mas isso tem que ser feito respeitando as normas ambientais. Nosso objetivo é orientar os proprietários a fim de que possam exercer esse direito com segurança", explicou.

Também participará da audiência pública o doutor Felipe Augusto Dias, presidente do Instituto Socioambiental da Bacia do Alto Paraguai SOS Pantanal, que falará sobre a iniciativa MapBiomas Alertas, que utiliza técnicas avançadas de inteligência artificial para a validação de alertas com precisão baseado em imagens de satélite de alta resolução (superior a 3 metros).

No dia seguinte à audiência pública, quarta-feira (17), será realizado um workshop com o engenheiro ambiental José Guilherme Roquette, visando fornecer treinamento básico no site e aplicativo do Global Forest Watch para agentes públicos ligados às atividades de fiscalização ou pesquisa ambiental. A participação é gratuita e, para se inscrever, basta enviar nome completo, órgão, cargo e matrícula para o e-mail [email protected]  até o dia 16/04/2019.

A audiência pública (16) e o workshop (17) serão realizados no auditório da Secretaria Municipal de Cultura, localizada no Complexo Turístico Beira Rio, às margens do Rio Itiquira. O endereço é Rua Rolim de Moura, 418-592, Itiquira.

 





Postar um novo comentário





Comentários

Comente esta notícia






Copyright © 2018 Folhamax - Mais que Notícias, Fatos - Telefone: (65) 3028-6068 - Todos os direitos reservados.
Logo Trinix Internet