03 de Julho de 2020,

Cultura

A | A

Quinta-Feira, 26 de Março de 2020, 12h:26 | Atualizado:

AMOR AO PRÓXIMO

Casa do Migrante em Cuiabá pede doações

casamigrante-cuiaba.jpeg

 

A Casa do Migrante em Cuiabá suspendeu o acolhimento de pessoas devido à pandemia do Covid-19. A medida foi tomada para proteger as pessoas que residem no local de eventual contaminação.

A entidade está precisando de doações. De acordo com a Pastoral do Migrante, a entidade não está recebendo novos moradores porque não tem mais vagas e está operando com a capacidade máxima desde o dia 13 de março deste ano.

O atendimento ao público externo também foi suspenso e não tem previsão de retorno do serviço que era a prestação de documentação e encaminhamento de migrantes. Em nota, a Casa do Migrante informou que nenhum migrante que está morando no local tem sintomas do Covid-19, mas que os moradores são monitorados o tempo todo.

Além da suspensão de novos acolhimentos e serviços prestados, a instituição está em quarentena e permanece fechada. Apenas colaboradores têm acesso à Casa porque são necessárias as funções essenciais para a manutenção do lugar.

Segundo a direção, os moradores e colaboradores recebem orientações diárias sobre a prevenção da doença provocada pelo novo coronavírus. Os ambientes da entidade são higienizados constantemente e de forma sistemática, de acordo com a nota.

A Pastoral conta com doações para a manutenção e está recebendo doações. Pede ainda a colaboração da sociedade civil para continuar prestando o apoio aos migrantes, ainda mais nesse momento de pandemia.

A coordenadora do local, Eliana Aparecida Vitaliano, disse que sempre faltam mantimentos. A entidade está precisando de fraldas, leite, legumes, carne de frango, água sanitária e também álcool em gel e máscaras. Brinquedos e objetos de recreação, como jogos e livros, também são precisos.

Atualmente na entidade moram cerca de 100 pessoas, entre eles, 72 adultos, sendo 54 homens e 18 mulheres, 28 crianças, 15 meninas e 13 meninos, segundo a coordenação.

Eliana contou que cerca de 70% dos migrantes conseguem ingressar no mercado de trabalho com a parceria da Casa do Migrante e com outros órgãos públicos e empresas privadas. “Agradecemos o apoio e estamos confiantes de que passaremos por esta situação de forma segura,” declarou a coordenadora.

A Casa do Migrante fica localizada na Avenida Gonçalo Antunes de Barros, no Bairro Carumbé, na capital. Os contatos para as doações são: (65) 3641-1451 e 3653- 1353, das 13h às 17h.

A instituição surgiu em 1980 e já acolheu mais de 2 mil pessoas. No início, a maioria eram brasileiras. Em 2012, os haitianos buscaram ajuda e mais de 5 mil foram atendidos. Já em 2018, a maior parte do acolhimento foi de venezuelanos.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS