04 de Abril de 2020,

Cultura

A | A

Quinta-Feira, 26 de Março de 2020, 06h:15 | Atualizado:

Máscaras artesanais dão falsa sensação de proteção em MT


Gazeta Digital

Desde que passaram a circularem informações sobre a contaminação pelo coronavírus Covid 19, pessoas começaram a usar máscaras. A procura foi tanta que o equipamento de proteção indivídual (EPI) sumiu do mercado. Na busca desesperada por alternativas, várias produtos foram criados, mas será que eles funcionam mesmo?

O  falou com o médico Marcelo Sandrin, diretor do Hospital e Maternidade Santa Helena, que esclarece alguns mitos e verdade quanto ao uso das máscaras. Há muitos casos em que o efeito é o contrário, tornando a pessoa ainda mais exposta ao vírus. Segundo o médico, a máscara que tem eficácia na proteção do indivíduo é a cirúrgica, usada em ambiente hospitalar e que tem uma composição especial que “filtra” a passagem de microorganismos. Assim, evita que a pessoa seja infectada.

“A máscara cirúrgica é boa. Não recomendo essas feitas artesanalmente e mostradas na internet. É bom frisar isso. Aquelas feitas de papel toalha não funcionam. Ela é muito bem feita e a ideia é muito boa, mas a porosidade dele é muito alta e não impede a passagem do vírus, além de ter uma durabilidade muito baixa”, afirma o médico.

O exemplo citado pelo profissional é de um experimento feito na internet, que mostra a proteção feita com folha de papel toalha, grampeador e elástico. Além dessas, há pessoas produzindo o produto de tecido, que também não é indicada, como diz o médico. Nem as  de materiais semelhantes ao TNT, que são mais simples.

“Há estudos que recomendam que não se use essas máscaras mais simples por mais de 3 horas. Essas outras, de tecido, também não são indicadas porque a trama é muito grande e permite a passagem do vírus. O ideal são as máscaras cirúrgicas de boa procedência”, reafirma.

Sandrin alerta aos homens para que mantenha a barba aparada para que a máscara tenha a aderência adequada. Ainda ressalta que nos casos em que as pessoas usam o equipamento artesanal a sensação de proteção se torna ainda mais nociva, pois negligenciam as orientações de higiene e precaução, se tornando ainda mais expostas ao vírus. “A principal indicação do uso das máscaras é para quem está tossindo, sintomático. Não para quem teoricamente está sadio. Não tem como todas as pessoas usarem máscaras e trocarem 3 vezes ao dia, como indicado”, ressalta.

Sandrin ainda reforça que o melhor cuidado é manter a higiene pessoal e da casa. Ao sair, que seja rápido e mantenha distância da outra pessoa. Tossir no cotovelo e se isolar do voncídio social. O vírus se espalha por gotículas de saliva ou muco de infectados, principalmente através de tosse e espirros, ou ao passar a mão contaminada em olhos, nariz e boca. Por isso é mais eficiente que sintomáticos usem a máscara, para evitar que essas gotículas se espalhem.

Até a manhã noite terça-feira (24), o Ministério da Saúde divulgou 46 mortes pelo coronavírus no país. Em Mato Grosso existem 7 casos confirmados de infecção pelo Covid 19 e 269 sob investigação.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS