27 de Maio de 2020,

Curiosidades

A | A

Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h:00 | Atualizado:

EFEITO DA CRISE

Com quase 25 anos de existência, Chorinho fecha as portas


Olhar Conceito

chorinho2.jpg

 

Os choros e serestas, que por tantas noites de quinta-feira animaram Cuiabá, acabaram. Prestes a completar 24 anos de casa, o ‘Chorinho’ fecha as portas. Não vai mais ter roda de samba quarta-feira nem sábado, nem forró, nem nada. O almoço continua – mas apenas até o mês de setembro. Segundo o proprietário, Antônio Marinho de Souza Fortaleza, “a crise engoliu”.

Os problemas começaram há cerca de cinco anos, quando a casa saiu do Jardim Tropical e veio para o Quilombo. No antigo endereço, os universitários da região lotavam a casa, principalmente às quintas-feiras. “Depois que mudamos os universitários vieram, falaram que ficou longe demais, que não tinha ônibus de madrugada pra voltar pra casa, que o taxi custava 50, 60 reais (...) estudante tem dinheiro pra beber e fumar, mas pra pagar taxi não”, conta Marinho. 

A mudança não aconteceu por vontade própria. Segundo o proprietário, a Prefeitura fez com que eles saíssem do Jardim Tropical porque “os carros estacionavam dos dois lados e o caminhão de lixo não passava. (...) A gente estava lá há 19 anos, nunca aconteceu nada, um dia a polícia chegou como se fosse um centro terrorista, tirando todo mundo”, lembra. 

Firme e forte, Marinho levou seu choro para outro bairro, mas as circunstâncias não deixaram continuar. “A crise nos engoliu. Tinha gente que era sagrado, ia toda quarta e todo sábado no chorinho. Eu encontrava depois e falava que estava saindo uma vez por mês. Gente que bebia cinco cervejas, tá bebendo uma só. Fazer o que... a gente sai, mas é supérfluo”, lamenta o dono. “Bar e restaurante é a único tipo de empresa que não tem cartel no Brasil. A cerveja aumenta e não podemos repassar... ganha quem tem o menor preço, com música de qualidade”. 

O Chorinho continua servindo almoço, das 10h30 às 14h, mas somente até o contrato acabar. “Preciso pagar o último aluguel”, afirma Marinho. Sem o choro dos violões e bandolins, agora quem chora somos nós. 

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS