29 de Março de 2020,

Economia

A | A

Quinta-Feira, 26 de Fevereiro de 2015, 12h:15 | Atualizado:

Cesta básica encarece 5,9% em Mato Grosso

 

O preço do feijão puxou a alta no valor da cesta básica em janeiro de 2015, na Capital. Os consumidores desembolsaram R$ 326,08 no início deste ano, contra R$ 307,70 calculados em dezembro de 2014, o que representa aumento de 5,97% na cesta AbrasMercado, que reúne 35 produtos de largo consumo - compreendendo alimentos, itens de limpeza e higiene pessoal. O levantamento da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) calculou um acréscimo de 32,93% no valor do feijão no intervalo de 30 dias.

Outros 15 itens, que tiveram alta, compõem o grupo de alimentos e higiene. A batata registrou a 2ª maior elevação de preços, 29,9%, seguida pela carne dianteiro (9,95%) e o queijo mussarela (9,40%). Supervisor de vendas da Rede Compre Mais, Derli Locatelli conta que o preço do feijão se estabilizou em fevereiro, voltou para o patamar de R$ 3,59, mas chegou a superar os R$ 4 no início do ano. A lei da oferta da procura explica a variação no valor cobrado pelo produto nos supermercados. Locatelli acredita que a produção do grão diminuiu e o consumo não foi alterado, afinal, o brasileiro não fica sem o feijão na mesa.

Já os fatores climáticos -excesso de chuva - afetaram a safra de batata, como ocorre normalmente com os hortifrutigranjeiros. “Começa a chover, eles não conseguem colher e valoriza o produto”, pontua o supervisor, acreditando numa possível baixa a partir de março. O restante das mercadorias permaneceu com o preço estável nos supermercados de Cuiabá, dentre eles, o leite longa vida, o detergente líquido e o refrigerante (garrafa Pet). 

Em queda - Doze produtos tiveram redução de preço em janeiro deste ano, sobretudo de higiene e limpeza. O xampu, por exemplo, pesou menos no carrinho da dona de casa no mês passado, com a baixa de 15,14% no preço. O desinfetante apareceu em 2º lugar (-13,33%) e o papel higiênico em seguida (-6,98%).

A dona de casa Cristina Oliveira diz que percebeu a queda de preços desses tipos de mercadorias nas gôndolas. “Mas eu preferia que estivesse mais barato a carne, o arroz. Espero que baixem porque meu salário não está acompanhando”, afirma.

Regiões - Conforme a Abras, a cesta AbrasMercado da região Centro-Oeste foi a que apresentou maior alta no mês passado, 4,60%, atingindo o valor de R$ 370,45. A maior queda foi registrada na região Nordeste (-0,77%), registrando R$ 330,92.

Brasil - Em janeiro, em todo o país, a cesta apresentou alta de 1,04% em relação a dezembro, chegando a R$ 385,06. No acumulado dos últimos 12 meses, (janeiro de 2015 versus janeiro de 2014) a cesta registrou alta de 5,64%.

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS