Economia Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 13h:18 | Atualizado:

Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 13h:18 | Atualizado:

MAIS UM ESQUEMA

CPI suspeita que produtores "sonegam" compra de diesel em Mato Grosso

Oitiva de Aldo Locatelli apontou diversas formas de fraudes no setor dos combustíveis no Estado

Da Redação

Compartilhar

WhatsApp Facebook google plus

cpi-aldo.jpg

 

A diminuição na geração de empregos e a concorrência desleal foram dois dos principais problemas apontados pelo primeiro-secretário da Assembleia Legislativa, o deputado Max Russi (PSB),  em sua participação na oitiva de Aldo Locatelli. Presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de Mato Grosso (Sindipetroleo), o empresário apresentou comparativos, que apontam déficit de arrecadação na ordem de R$ 425 milhões no estado, em relação a  produção de grãos, com base no combustível utilizado. Esse dados foram apresentados durante a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Renúncia e Sonegação Fiscal desta terça-feira (23).

O parlamentar se mostrou otimista, quanto as soluções sugeridas por Locatelli ao fim de suas explanações. Porém propõe um trabalho minucioso, devido ao comparativo alarmante, que aponta um aumento no número de áreas plantadas em MT, no período de 2003 a 2019. No entanto, o relatório também demonstra que o consumo do óleo diesel, utilizado nas operações de transporte, não sofreram aumento compatível.

Informações extra-oficiais dão conta de que mais de 1000 postos revendedores de combustível fecharam suas portas em 16 anos.  Boa parte desses empreendimentos  surgiram a partir de empresas familiares.

"Precisamos mexer forte nessa ferida, porque ao final dessa CPI nós temos a possibilidade de voltar a reabrir esses postos que fecharam e o empresariado sentir que não vai ter mais essa concorrência desleal. E isso vai motivar a esse comércio voltar, novamente, a atividade, além de aumentar significativamente a a arrecadação do nosso estado ", argumentou o deputado.

 





Postar um novo comentário





Comentários (5)

  • Andre

    Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 18h10
  • Pacufrito, todos pagam N impostos para poder produzir e ainda pagam impostos em cima do que foi produzido, por que apenas o agronegócio não paga imposto sobre a produção??? Essas falácias do agro de que "já pagamos impostos demais para produzir" só serve pra enganar bobo, pois faltam pagar imposto sobre a produção, coisa que as indústrias fazem e os barões não!!!
    0
    1



  • Adelar

    Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 17h38
  • é respeitoso (se conseguir) não falar do agronegócio de boca cheia!
    0
    0



  • Pacufrito

    Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 15h36
  • Quem fala quero o agronegócio paga pouco impostos e. O mínimo desinformado, para não dizer analfabeto. Só dois tributos, só dois, FETHAB 1,5 no, ICMS diesel 0,35 bilhão, só nestes dois impostos são 10% de tudo o que o estado arrecada, se este estado não tivesse agronegócio que tem estes que falam mal, estariam desempregados, no mínimo são os que mamam nas tetas do dinheiro público. Quer outros tributos? ICMS sobre máquina, empregos na agricultura, no transporte, energia, o maior consumidor de energia e a indústria nem vamos perder tempo com analfabeto.
    2
    1



  • Pacufrito

    Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 15h11
  • Ainda bem que estes deputados entende de agricultura, em 2004 para plantar 1000 há precisava de 5 trator, hoje planta com um e muito mais econômico, a colheita a mesma coisa, acordem...acordem...não falem bobagem
    2
    0



  • fala o que pensa

    Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 14h18
  • pode ter certeza que tem podridão nesse negócio envolvendo a agronegócio, já que esses tubarões e barões não gostam de colaborar com o Estado de Mato Grosso com seus impostos, vai investigar e puna se houver sonegação para o Bem do Estado e da Sociedade......................
    6
    3









Copyright © 2018 Folhamax - Mais que Notícias, Fatos - Telefone: (65) 3028-6068 - Todos os direitos reservados.
Logo Trinix Internet