28 de Janeiro de 2020,

Economia

A | A

Domingo, 08 de Dezembro de 2019, 08h:36 | Atualizado:

FISCALIZAÇÃO

Energisa recebe multas de R$ 13 milhões em Mato Grosso

Maior parte das reclamações diz respeito a cobranças abusivas

gisela-cpi.jpg

 

A secretária-adjunta do Procon-MT, Gisela Simona, foi a segunda convocada a prestar esclarecimentos perante a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Energisa-MT, na tarde de quinta-feira (5), na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT). A CPI tem como objetivo investigar denúncias de abusos nas contas de energia elétrica, enxugamento nos quadros de funcionários e a má prestação dos serviços oferecidos pela concessionária.

Gisela apresentou durante a oitiva, em slides, dados que, segundo ela, comprovam diversas irregularidades cometidas pela empresa.

Entre os dados apresentados pela secretária, chamam a atenção de que 82,6% das reclamações são de clientes se queixando de cobranças abusivas.

Outro fato, revelado por Gisela, sugere que a instauração da CPI para investigar a Energisa-MT tem estimulado o aumento das reclamações de clientes insatisfeitos com empresa. Em 2015, quando a empresa começou a operar em Mato Grosso, foram registrados 5.359 reclamações. No ano de 2016, foram 5.707, em 2017, 5.699. Durante 2018 houve um leve aumento, ficando em 5.809, já em 2019, ano em que foi instalada a CPI, o número saltou para 8.285 reclamações.

“A Energisa tem cometido diversas irregularidades e uma das mais graves é ela não efetuar a leitura mensal, fazendo somente por estimativa, saindo da sua faixa normal de consumo, o consumidor acaba pagando mais, pois em Mato Grosso o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) é escalonado, ou seja, quanto mais se consome, mais o cliente paga, de iluminação pública, ICMS e outros impostos, outra é não praticar a religação de urgência, dentro de 4h na área urbana, e 8h na zona rural, após o cliente ter a energia cortada. Outro erro da empresa, é não oferecer atendimento prioritário para seus clientes portadores de necessidades especiais. Essas são apenas algumas das infrações cometidas pela concessionária”, relatou Simona.

A secretária também explicou que o total de multas aplicadas contra a Energisa-MT já está em R$ 13.822,400,00. Mas desse total, somente R$ 267,271,83 foram pagos.

”A Gisela Simona apresentou documentos que irão contribuir muito com o nosso trabalho de investigação. Trouxe dados que já sabíamos, como a Energisa ser a campeã em números de reclamações e também informações novas, como o fato do Instituto de Pesos e Medidas de Mato Grosso (Ipem-MT) estar entregando laudos sem assinatura, que não tem nenhuma legitimidade, podendo até ser adulterados. Essas e outras informações coletadas serão investigadas até chegarmos a uma resposta para a população mato-grossense”, disse Elizeu Nascimento, presidente da CPI da Energisa.

A comissão vai convocar representantes da Ager e da Defensoria Pública, para serem ouvidos na próxima oitiva.

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Energisa, é composta pelo deputado Elizeu Nascimento, como presidente; Carlos Avallone (PSDB) como relator; Thiago Silva (DEM), vice-presidente; membros titulares, Paulo Araújo (PP) e Dr. Eugênio (PSB). Os suplentes são os deputados Valmir Moretto (Republicanos),Valdir Barranco (PT), Romoaldo Júnior (MDB), Xuxu Dal Molin (PSC) e Dilmar Dal Bosco (DEM).

 

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Junior | Domingo, 08 de Dezembro de 2019, 12h30
    1
    0

    Mas esse dinheiro vai ser revertido pro cliente , acho difícil!! Sempre o prejuízo fica pro consumidor!!!!

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS