08 de Abril de 2020,

Economia

A | A

Terça-Feira, 18 de Fevereiro de 2020, 13h:30 | Atualizado:

Hortaliças cultivadas por reeducandos de Diamantino são doadas para comunidade

Todas as semanas cerca de 20 caixas de legumes e verduras saem dos portões da Cadeia Pública de Diamantino (182 km de Cuiabá) rumo a diversas instituições sem fins lucrativos. São alimentos produzidos por reeducandos que irão alimentar pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Entre os produtos cultivados na horta local estão abóbora, alface, cebolinha, couve, jiló, rúcula, tomate e outros. Quatro reenducandos são responsáveis pelo plantio, rega, colheita e seleção de tudo que é produzido na horta de 15x30 metros.

Todo este trabalho é reconhecido pela Prefeitura Municipal, Ministério Público do Estado, Poder Judiciário e por empresários locais, já que auxiliam no custeio de mudas, adubos e até mesmo de ferramentas necessárias para que o projeto siga em funcionamento.

Entre as entidades beneficiadas pelo projeto da horta, está a APAE, o Lar dos Idosos São Roque, o Lar das Crianças e outros projetos sociais de Diamantino que atendem crianças e jovens. O município vizinho, Alto Paraguai, também é beneficiado com as doações de alimentos produzidos na Cadeia de Diamantino, que são destinados às creches municipais.

“A cada três dias trabalhados na horta, o reeducando reduz um dia em sua pena. Mesmo com um efetivo reduzido, a Cadeia de Diamantino tem mostrado sua função social com este projeto de nossa horta e com outros projetos que temos desenvolvido aqui”, disse o diretor da unidade, Anaides da Silva Pereira Queiroz.

Outros projetos

Outros 10 recuperandos trabalham com a confecção de tapetes, que além de ser uma possibilidade na redução da pena, representa também uma fonte de renda para a família destas pessoas. Semanalmente são produzidas cerca de 40 peças, que são levadas pelos familiares e comercializadas para auxiliar no sustento mensal.

O estudo e a leitura também são parte do dia a dia dos reeducandos da unidade prisional. Cerca de 15 deles estudam por meio da parceria com a Fundação Nova Chance (Funac). Já outros recuperandos participam de um clube de incentivo à leitura, no qual ao final de cada livro, são estimulados a escreverem uma resenha, que é avaliada e, por fim, têm a pena reduzida por meio do acesso ao conhecimento.

Planos futuros

Mesmo com tantas iniciativas contempladas pela unidade prisional, o diretor ainda planeja outras ações. “Recentemente recebemos a doação de cinco máquinas de costura e queremos futuramente implantar uma oficina para que os reeducandos confeccionem seus próprios uniformes”, planeja.

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS