26 de Maio de 2020,

Economia

A | A

Quinta-Feira, 15 de Maio de 2014, 03h:17 | Atualizado:

Média do salário cresce além da inflação

O avanço do salário nominal está menor nos últimos meses, mas ele ainda cresce acima da inflação.

Nos 12 meses encerrados em março (último dado disponível), a alta acumulada é de 8,2% nas seis regiões metropolitanas (Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre) pesquisadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O Brasil só não enfrenta um paradoxo com um salário nominal crescendo tanto num momento em que a economia dá sinais de desaceleração porque a inflação continua elevada.

A expectativa do mercado expressa no boletim Focus, do Banco Central, divulgado na segunda-feira, 12, é de que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) encerre o ano em 6,39%, enquanto o crescimento esperado para o Produto Interno Bruto (PIB) será de 1,69%, abaixo do avanço de 2,3% de 2013. 

‘Um cenário melhor do ponto de vista da estabilidade seria se o País tivesse uma inflação mais baixa, consequentemente um reajuste nominal menor, e mantivesse o patamar atual do ganho real dos salários‘, diz Fernando de Holanda Barbosa Filho, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

‘O aumento do salário nominal reflete o que os trabalhadores estão pedindo.‘

A inflação elevada mantém o salário nominal num nível alto e compromete o ganho real dos trabalhadores.

No acumulado em 12 meses até março, o reajuste acima da inflação era de 2,2%, um resultado inferior ao do mesmo mês do ano passado, quando o aumento chegou a 3,5%.

A retroalimentação entre aumento de preços e ganhos salariais acaba dificultando a queda da inflação no País, que se mantém distante do centro da meta do governo (4,5%).

‘Tanto a inflação elevada como o baixo crescimento estão dificultando os ganhos salariais‘, afirma Rafael Bacciotti, economista da consultoria Tendências.

Ao longo dos últimos anos, a renda nominal já cresceu mais, mas também permaneceu em patamares mais baixos.

Em maio de 2009, o crescimento acumulado em 12 meses chegou a 11,1%, enquanto entre abril e junho de 2010 aumentou 6,8%.

Os salários avançaram nos últimos anos por causa da forte expansão do mercado de trabalho.

O crescimento econômico brasileiro aumentou a demanda por trabalhadores em setores que empregam mais mão de obra - como comércio e serviços -, o que causou um aquecimento no mercado de trabalho.

‘Esses setores utilizam mais mão de obra do que a indústria, que deixou de crescer no Brasil‘, diz Hélio Zylberstajn, professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/USP) e pesquisador da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

Atualmente, o mercado de trabalho dá sinais de perda de fôlego, mas o desemprego ainda continua baixo - a desocupação em março foi de 5%, segundo a Pesquisa Mensal de Emprego (PME), do IBGE, o menor nível para o mês desde o início da série histórica em 2002.

‘A taxa de desemprego continua baixa, mas não porque o emprego cresceu de maneira contundente. O emprego tem crescido pouco, e o que a gente tem visto é a saída de pessoas da força de trabalho‘, diz Bacciotti.

Em 2014, o mercado de trabalho não deverá ser tão afetado pela desaceleração da economia. Dois fenômenos - a Copa e as eleições - devem ajudar a sustentar o emprego.

‘Com base na PME, a expectativa é que o mercado fique estagnado‘, diz Barbosa Filho, do Ibre.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS