11 de Novembro de 2019,

Economia

A | A

Sexta-Feira, 23 de Agosto de 2019, 23h:30 | Atualizado:

Propriedade rural mantida por pai e filho é considerada modelo pela eficiência na produção

“É uma vida dura e muitas pessoas não dão valor a esse trabalho”. Essa é a fala de Pedro Paulo Teobaldo Ribeiro, de 16 anos, que trabalha no Sítio Cantinho do Céu, na Comunidade Guanandi, município de Acorizal (62 km ao Norte de Cuiabá). Pedro ajuda o seu pai, o produtor rural Ernesto Teobaldo de Assis Filho (55), na lida diária. Numa área de 14 hectares, pai e filho cultivam limão, banana da terra, quiabo, melancia, melão caipira e mandioca. Também criam gado de leite e recentemente implantaram uma Unidade de Referência Tecnológica (URT) com o plantio de maracujá em parceria com a Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer).

Pedro trabalha no sítio, no período da manhã e estuda durante a tarde. Ele comenta que gosta muito do que faz e que pretende cursar agronomia para ajudar ainda mais a sua família.  O adolescente descreve que a URT de maracujá é uma novidade na propriedade e que estão aprendendo a lidar com a cultura. No local foi realizado o plantio de 450 pés da variedade Maracujá Gigante Amarelo. A expectativa é de começar a colheita em janeiro, com a primeira safra produzindo cinco mil quilos de frutos.

O produtor Ernesto conta que está nesta propriedade há cinco anos e que a transformou em área produtiva, de onde tira todo  o sustento da família. No início investiu no cultivo da melancia e foi tão bem que agora já domina a técnica de cultivo e planta todos os anos. Nesta safra já semeou mais de duas mil sementes do fruto, numa área de um hectare. A expectativa é de colher 11 toneladas de melancia no mês de setembro. O produtor fala que os frutos chegam a pesar de 12 a 18 quilos cada e são comercializados por até R$ 25,00 a unidade.

Todas as culturas que pai e filho cultivam são irrigadas e produzem durante o ano todo. Com 200 pés de limão Taiti, apenas 100 pés estão produzindo, são colhidos por semana mais de oito caixas de 20 quilos. A fruta está sendo comercializada por até R$ 55,00 a caixa e na época da safra pode cair a R$ 15,00. O produtor comenta que tudo que produzem é comercializado nos restaurantes em Cuiabá toda segunda e sexta-feira. “Nossa intenção é ampliar o cultivo do limão com a implantação de uma URT, com o plantio de 500 pés”, explica.

Quem percorre a propriedade tem que andar com cuidado para não pisar nos canos que levam a água para abastecer toda produção. Assim é com o cultivo da banana da terra (farta velhaco), que foi plantada no sistema adensado recomendado pelos técnicos da Empaer. O plantio adensado é uma estratégia para aumentar a produtividade, além de melhorar o aproveitamento da mão-de-obra, insumos e reduzir custos com controle de plantas invasoras. O plantio foi feito numa área de cinco mil metros quadrados e nos intervalos das covas foi plantada melancia.

O cultivo do quiabo é permanente na propriedade, ocupando uma área de quatro mil metros quadrados. São vendidos por semana 400 quilos, ou seja, 40 caixas de 10 quilos. O preço da caixa oscila conforme a época, sendo comercializada por R$ 8,00 até R$ 50,00 a caixa. O cultivo da mandioca Camanducaia, uma variedade nova, ocupou 1.500 covas e foram colhidas nove toneladas. A produção chegou a seis quilos por pé de mandioca e surpreendeu a todos com sua boa produtividade. “Gosto do que faço, não sei fazer outra coisa além de cuidar da terra e ser produtor”, confessa Ernesto.

O técnico agropecuário da Empaer, Liduino João de Lima, explica que o cultivo da mandioca da variedade Camanducaia é extremamente precoce. Enquanto outras produzem entre 10 a 12 meses, essa, em apenas seis meses, está pronta para colheita. O técnico fala que a propriedade do produtor Teobaldo é considerada modelo, pelo cuidado e esforço de pai e filho em produzir o ano todo com qualidade e eficiência.

Para facilitar a entrega dos produtos na cidade, o técnico da Empaer explica foi feito um projeto de crédito rural do Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar) Mais Alimentos, no valor de R$ 42 mil para aquisição de um veículo. E este ano, os produtores estão tentando recursos financeiros do Pronaf, no valor de R$ 18 mil, para construção de um barracão na propriedade. O financiamento já foi aprovado pelo banco e o produtor está aguardando.

 

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Gláucio | Terça-Feira, 27 de Agosto de 2019, 08h03
    0
    0

    Parabéns a Empaer

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS