25 de Junho de 2019,

Economia

A | A

Terça-Feira, 21 de Maio de 2019, 00h:10 | Atualizado:

SONHO AO PESADELO

TJ manda concessionária entregar Audi zero à médica de Cuiabá

Cliente acionou Justiça após probemas seguidos no veículo


Da Redação

AUDI-CUIABA.jpg

 

A Terceira Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça (TJ) de Mato Grosso negou provimento a um recurso interposto pela Audi do Brasil e a Saga Pantanal Comércio de Veículos para se desobrigarem de repor um de seus veículos, cujo modelo mais barato custa R$ 171 mil à vista, da médica obstetra B.B.C.A. A decisão é da quarta-feira (8).

Segundo consta no acórdão da decisão unânime, a médica comprou seu carro ainda zero quilômetro numa concessionária, mas só conseguiu utilizá-lo por cinco meses, quando começaram problemas, enguiços e outras dores de cabeça. Cansada de tentar resolver com a concessionária, que, afinal de contas oferece garantia de três anos sobre o produto, resolveu entrar com uma ação para que o carro fosse trocado por outro.

Ela ganhou o pleito e tanto a montadora quanto a revenda começaram a guerra de recursos para não cumprir a determinação judicial. O juiz de primeira instância que dera ganho de causa à obstetra deferiu também a tutela de urgência, determinando a substituição do Audi num prazo de 20 dias sob pena de pagamento de uma multa no valor de R$ 1 mil até o limite de 10 dias.

Os advogados da Audi/Saga entraram então com recurso de agravo de instrumento. No mérito, o relator Carlos Alberto Alves da Rocha afirmou que a ação de obrigação fazer com indenização por dano material já conquistada em primeira instância merecia prosperar porque as empresas rés tinham obrigação de entregar veículo novo nos mesmos moldes do veículo “zero quilômetro” adquirido porque os vários defeitos apresentados ainda no quinto mês de uso do automóvel, especialmente no motor, era quebra evidente de contrato entre as partes.

Para tentar derrubar ao que estavam obrigados agora na segunda instância, os advogados da montadora e da concessionária alegaram que a cliente não comprovou os requisitos necessários da tutela antecipada, de acordo com artigo 303 do CPC. Alves da Rocha, entretanto, não entendeu assim.

Para ele, é evidente que a antecipação de tutela é medida que defere ab initio, total ou parcialmente, observando-se preambularmente a possibilidade do acolhimento do mérito da ação e por isso deve ser analisada com cautela, consubstanciando em provas irretorquíveis. Assim, o magistrado deve estar convencido dos requisitos legais impostos para sua concessão e previstos no já citado artigo 303: a probabilidade do direito e o perigo de dano ou o risco ao resultado útil do processo, sendo a probabilidade do direito fundada em prova preexistente, não necessariamente documental, mas obrigatoriamente clara e evidente, portadora de grau de convencimento tal que a seu respeito não se possa levantar dúvida razoável.

“É cediço que o exame sobre a possibilidade de concessão da tutela antecipada não exige análise sobre a existência ou inexistência do direito posto em causa. No entanto, para fins de exame da tutela antecipada, os documentos juntados ao processo devem ser de tal ordem que permitam a configuração de um elevado grau de probabilidade de acolhimento da pretensão posta em Juízo. In casu, compulsando os autos, observo que restou devidamente demonstrado pelo recorrido a probabilidade do direito, fundada em prova inequívoca dos fatos narrados em sua peça inicial”, escreveu o desembargador.

Para ele, a fundamentação da médica ao requerer a antecipação da tutela se mostra relevante, porque comprou um veículo novo (zero quilômetro) que apresentou defeito no motor pouco tempo após a sua entrega. Isso e mais a inapetência da concessionária em resolver os problemas minaram a confiança da consumidora na empresa, de modo que indubitavelmente ela perdeu qualquer segurança que depositava no negócio, na expectativa de que a qualquer momento poderia bem surgir outro defeito.

“De outro norte, é certo que o perigo de dano está atrelado ao recorrido que se encontra com veículo inseguro para a locomoção nos afazeres profissionais e domésticos, porquanto, patente o perigo de ineficácia ado pronunciamento final, quando da entrega da prestação jurisdicional. Além disso, não vislumbro qualquer prejuízo à empresa agravante, pois, eventual condenação implicará na consideração do bem originário como garantia. Portanto, por estes termos e estribado nessas razões, tenho que o decisum objurgado merece mantida. Em conclusão, conheço do recurso e lhe nego provimento”, encerrou o relator Carlos Alberto Alves da Rocha.

Acompanharam o entendimento os desembargadores Antonia Siqueira Goncalves, Carlos Alberto Alves da Rocha, Dirceu dos Santos e o juiz convocado Gilberto Lopes Bussiki.

Postar um novo comentário

Comentários (6)

  • Sr. Calls | Terça-Feira, 21 de Maio de 2019, 13h10
    2
    0

    E se não fosse médica, será que o caso ia pra frente?

  • Licas | Terça-Feira, 21 de Maio de 2019, 10h07
    3
    0

    A saga monopolizou o comércio de veículos em Cuiabá e Vg, essa não é a primeira vez que ocorre isso, eu queria entender, quando eu era advogado, e via q ação judicial, principalmente relação de consumidor, como é quase regra aqui no Mato Grosso q a ação é favorável ao consumidor, infelizmente até os picaretas são favorecidos, eu recomendava para o meu cliente a solução imediata administrativa e ainda recomendava que fosse entregue algo a mais pelo transtorno, antes de propor a ação judicial, mas infelizmente as empresas parecem que preferem ser acionadas judicialmente e condenadas e ainda tem a sua imagem prejudicada do que entrarem num acordo.

  • Dona Matilde | Terça-Feira, 21 de Maio de 2019, 09h43
    4
    0

    Tenho uma briga idêntica com a Chevrolet e a Saga, fazem de tudo para procrastinar o processo e o consumidor que s dane, enquanto isso tenho que depender de um carro que comprei zero mas sabe-se lá o que pode acontecer.

  • Henrique Dias | Terça-Feira, 21 de Maio de 2019, 08h49
    10
    0

    Ou o carro não presta ou a concessionária é administrada por incompetentes. Negar um direito evidente e deixar chegar a esse ponto. Expor a empresa ao descrédito. Jamais verão meu dinheiro.

  • Luiz | Terça-Feira, 21 de Maio de 2019, 07h29
    11
    0

    Bom saber da politica de atendimento ao cliente da Audi e da Saga. Vou ponderar esse fato na compra do meu proximo carro.

  • Edyy | Terça-Feira, 21 de Maio de 2019, 06h41
    11
    0

    Parabéns a Justiça e que isso sirva de exemplos para outras concessionárias (mala) com seus clientes.

Matéria(s) relacionada(s):

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS