25 de Abril de 2019,

Entrelinhas

A | A

Segunda-Feira, 11 de Fevereiro de 2019, 10h:44 | Atualizado:

CRÉDITO PODRE

Empresário morto negociava delação

defaz-nova.jpg

 

Executado na noite do último sábado, o empresário Wagner Florêncio Pimentel estaria em estágio avançado para firmar um acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Estadual e revelar um amplo esquema de sonegação fiscal no Estado. Wagner foi morto no bairro Jardim das Américas dentro de seu carro e, apesar de portar quase R$ 2 mil no momento do crime, nada foi levado.

A Polícia Civil tem tratado com cautela as investigações do assassinato, que são conduzidas pela Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP). No entanto, uma das hipóteses seria “queima de arquivo”, já que o empresário poderia revelar nomes de “barões” suspeito de sonegação milionária no Estado.

O empresário é apontado como um dos líderes da organização criminosa investigada na “Operação Crédito Podre”, da Delegacia Fazendária. O grupo é suspeito de sonegar mais de R$ 140 milhões em ICMS.

 

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • CANALHADA | Segunda-Feira, 11 de Fevereiro de 2019, 15h43
    14
    0

    Grande noticia! Isso todo mundo sabe. Ele foi laranja e testa de ferro de grandes no estado, forjando a saída de produtos para auferirem esses famosos "créditos podres", coisa que aconteceu por omissão e negligência dos órgãos fiscalizadores: SEFAZ, DEFAZ, CGE, MPE, ALMT e etc... E talvez participação de alguns deles! A própria reportagem menciona um estágio avançado de delação com o MPE! Quem e por que foi vazada a informação? INTERESSES ESCUSOS DE QUEM TINHA INFORMAÇÃO PREVILEGIADA!

  • Elias | Segunda-Feira, 11 de Fevereiro de 2019, 12h14
    14
    0

    Gente do céu. Esse mato.grosso.nao vai mudar.nunca...tudo aqui e na base da falcatrua e pistolagem..tô até com.medo de fazer.comentarios aqui..tu é doido...

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS