Sexta-Feira, 28 de Março de 2014, 15h45
PASSEIO NO CPA
Henry flagrado na rua e pode perder semiaberto

Folha do Estado

\"henry-avenida

 

O ex-deputado federal Pedro Henry (PP) que cumpre pena de sete anos e dois meses de prisão em regime semiaberto pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no processo do mensalão, foi flagrado ontem (27), às 10h30, andando livremente em seu horário de trabalho na Avenida do Rubens de Mendonça, mas conhecida como do CPA, em frente ao Edifício Office Tower acompanhado de uma mulher. Com o “passeio”, Henry poderá perder o seu direito de trabalhar, e, consequentemente o regime semiaberto. A informação é do é do Juiz de Direto da 2ª Vara Criminal da capital, Geraldo Fernandes Fidelis Neto, que concedeu o beneficio ao mensaleiro.

“A nossa decisão foi clara quando decidimos conceder o beneficio ao reeducando. A regra estabelecida pela Justiça foi de que ele permaneça no local de trabalho até que o Estado implante o sistema de utilização de tornozeleiras eletrônicas. Então se ele não estava em seu local de trabalho, no horário determinado, ele terá que se explicar. E se for comprovado a infração ele perderá seu direito de trabalhar e só poderá exercer alguma atividade de trabalho internamente no local onde se encontra detido”, disse Fidelis.

Para a Justiça, Henry tem que se apresentar diariamente ao anexo I da Penitenciária Central do Estado (Polinter) das 19 horas às 6 horas e, no sábado, o recolhimento será a partir das 14 horas e saída na segunda-feira às 6 horas da manhã, bem como, lá permanecer nos finais de semana e feriado, com permissão para sair apenas para o trabalho, com permanência no local de sua realização (hospital) e retorno nos horários fixados.

Para o advogado criminalista Ulisses Rabaneda, caso seja comprovada a infração em desrespeito à decisão judicial, Henry deverá perder imediatamente o beneficio de trabalhar fora da Polinter, e podendo apenas, trabalhar internamente. “Se ele desrespeitou uma decisão judicial na condição de reeducando, ele perderá esse beneficio e dificilmente conseguirá novamente. Por que a legislação é clara ao dizer que o reeducando deve cumprir na integra a decisão da Justiça”, analisou Rabaneda.

Pedro Henry se apresentou à Policia Federal no dia 13 de dezembro no complexo da Papuda em Brasília. Chegou a Cuiabá no último dia 27 de dezembro, onde foi encaminhado ao anexo do Presídio Pascoal Ramos, na Polinter.

 


Fonte: FOLHAMAX
Visite o website: https://www.folhamax.com/