Quarta-Feira, 08 de Julho de 2015, 08h36
Gabriel Novis Neves
Causos

Gabriel Novis Neves

Gabriel Novis

 

No dia 15 de março de 1966 assumiu o cargo de governador do Estado de Mato Groso (ainda não dividido), o jovem engenheiro da Escola Politécnica de São Paulo, Pedro Pedrossian. 

Filho de imigrante armênio. Nasceu em Miranda, pequeno município no sul do Estado, próximo à cidade de Aquidauana. 

Muito pobre, foi educado com dificuldades materiais, mas conseguiu concluir seus estudos superiores em São Paulo. 

Quando foi nomeado diretor da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil, logo ficou conhecido nas cidades por onde passavam os trilhos da ferrovia. 

Foi eleito pelo voto direto pela coligação PSD-PTB, vencendo seu adversário político da UDN, então situação. 

Candidato da oposição, ele representava a juventude com os seus 37 anos. Sem nenhuma experiência política partidária, conhecia muito bem as dificuldades do Estado. 

Nos postos chave da sua administração, como a pasta da educação, solicitou que o Ministério da Educação indicasse o titular. 

Aproveitou também para o seu secretariado os recém-graduados, e até estudantes universitários. 

Fez algumas concessões convocando velhas raposas para “ajudá-lo” na criação do “Novo Mato Grosso”. 

Estes, não suportando o ritmo novo da administração, foram aos poucos sendo substituídos por jovens inexperientes - mas imbuídos de muita vontade para derrubar os velhos currais que os ‘barões’ criaram para dominar politicamente o Estado. 

Uma das primeiras medidas inovadoras do novo governador - não demitir em massa os ocupantes de cargos comissionados - desestabilizaram o poder vigente e, em represália, um pedido de  impeachment foi votado pela Assembleia Legislativa, onde o governador tinha minoria de deputados. 

O povo na rua, especialmente os estudantes, impediu a sua destituição, obrigando muitos deputados favoráveis ao ‘golpe’ a se ausentarem do plenário. 

Com o aval popular, mudou o tradicional expediente no Palácio Alencastro. Deixou de receber políticos, autoridades, empresários e destaques sociais em prol das audiências de interesses pessoais. 

Terminado o primeiro ano de governo verificou que nada de produtivo havia realizado em benefício do Estado. 

Daí, até o final do seu mandato, ‘fechou’ seu gabinete de trabalho e passou a despachar das secretarias, autarquias, hospitais - aonde chegava sempre de surpresa. 

Aumentou suas viagens de trabalho ao interior do Estado e foi atrás da captação de recursos nos grandes centros financeiros. 

Um novo processo de impeachment foi articulado, e outra vitória do povo. Cumpriu integralmente seus cinco anos de um governo de grandes transformações. 

Deixou o governo com duas Universidades Federais e inúmeros Centros Pedagógicos e Educacionais espalhados por todo o Estado. 

Recuperou, só em Cuiabá, dois grandes hospitais. O querido e amado pelos cuiabanos, Hospital Geral, hoje Hospital Geral Universitário e o Hospital Adauto Botelho, antiga Colônia de Alienados. 

Esses causos passaram há quase cinquenta anos!  A melhora na autoestima da nossa gente, que ansiava por dias melhores com oportunidades para todos, foi a sua maior conquista. 

Retrocedemos, ou vivemos um surto de modernidade administrativa?

Gabriel Novis Neves

 


Fonte: FOLHAMAX
Visite o website: https://www.folhamax.com/