21 de Julho de 2019,

Mundo

A | A

Domingo, 12 de Outubro de 2014, 13h:46 | Atualizado:

Marina Silva: “votarei em Aécio e o apoiarei”

A candidata derrotada à Presidência da República pelo PSB, Marina Silva, anunciou neste domingo seu apoio ao candidato Aécio Neves (PSDB) no segundo turno das eleições. "Votarei em Aécio e o apoiarei", disse a ex-senadora em coletiva de imprensa em São Paulo, ao lado de Beto Albuquerque (PSB), que era candidato a vice-presidente na chapa que ficou em terceiro lugar.

Segundo Marina, ela ainda vai discutir com Aécio Neves a forma que participará da campanha do PSDB.

Marina disse que resolveu apoiar o tucano após Aécio ter divulgado uma carta no sábado acatando compromissos para a área social e outras reivindicações defendidas por ela. No seu entendimento, o documento assinado pelo candidato do PSDB não teve o objetivo de ganhar o seu apoio, mas sim de se comprometer com políticas voltadas ao País.

"Os compromissos explicitados e assinados por Aécio têm como única destinatária a nação. É apenas nessa condição que eu os avalio para apresentar minha posição no segundo turno das eleições presidenciais", afirmou. "O que me move é minha consciência e assumo a responsabilidade pelas minhas escolhas", completou.

Segundo Marina, o documento intitulado "Juntos pela Democracia, pela Inclusão Social e pelo Desenvolvimento Sustentável" se assemelha à carta apresentada por Luiz Inácio Lula da Silva na campanha presidencial de 2002, em que o petista se comprometia com compromissos realizados no governo de Fernando Henrique Cardoso, como a manutenção do Plano Real.

Entre os compromissos defendidos pelo tucano, Marina destacou a reforma política, incluindo o fim da reeleição, continuidade do Bolsa Família, política de desmatamento zero, garantia dos direitos indígenas e adequação de uma política para o setor de energia do País.

Em sua fala, Marina ressaltou o que considera avanços realizados pelos governos dos presidentes Fernando Henrique Cardoso (1995 – 2002) e Luiz Inácio Lula da Silva (2003 – 2010), como a estabilidade econômica e políticas sociais. E disse que Aécio Neves pode completar o tripé do desenvolvimento do País.

“Fernando Henrique Cardoso traz a contribuição da estabilidade econômica. Luiz Inácio Lula da Silva traz a inclusão social. Poderemos colocar mais uma perna para completar o tripé: a sustentabilidade ambiental.”

A ex-senadora também criticou a postura da candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT), dizendo ter sofrido "ataques destrutivos de uma política patrimonialista, atrasada e movida por projetos de poder pelo poder" durante a campanha presidencial.

Marina também disse que é momento de alternância de poder, porque o País está abalado "com a volta da inflação" e com as "velhas alianças pragmáticas sem o suporte de um programa [de governo]."

"Agora, novamente, temos um momento em que a alternância de poder fará bem ao Brasil, e o que precisa ser reafirmado é o caminho dos avanços sociais, mas com gestão competente do Estado e com estabilidade econômica, agora abalada com a volta da inflação e a insegurança trazida pelo desmantelamento de importantes instituições públicas", afirmou Marina, criticando o governo Dilma Rousseff.

De acordo com Marina, sua decisão de apoiar a candidatura tucana acontece "após conversar com muitas pessoas" e "refletir sobre esse momento importante que o País está vivendo" e que esse posicionamento está apoiado em uma base de mais de 22 milhões de votos recebidos no primeiro turno.

1º turno

Com 21,32% ou 22,1 milhões de votos no primeiro turno, Marina Silva ficou em terceiro lugar, atrás de Dilma Rousseff, que obteve 41,59% dos votos do eleitorado (43,2 milhões no total), e Aécio Neves, que chegou ao segundo turno ao obter 33,55% (34,8 milhões). O PSB, partido pelo qual Marina concorreu, anunciou na última quarta-feira apoio a Aécio, mas seu presidente, Roberto Amaral, declarou apoio a Dilma. A Rede Sustentabilidade, grupo político criado por Marina e que deve se tornar um partido, recomendou voto em Aécio, branco ou nulo.

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS