20 de Outubro de 2019,

Mundo

A | A

Domingo, 16 de Fevereiro de 2014, 07h:26 | Atualizado:

Suplicy rebate Mendes: 'ministro não julgou mensalão com a razão'

De Teerã, no Irã, onde está em viagem oficial, o senador Eduardo Suplicy respondeu neste sábado as críticas feitas pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), de que as doações feitas a petistas condenados no mensalão "sabotam" as penas aplicadas aos réus do processo. De acordo com Suplicy, Mendes não teria julgado o caso com base na razão e deveria se expressar com maior reserva sobre questões políticas.

 

"Devo externar que não tenho dúvidas de que, como cidadão, tem todo o direito de se expressar sobre essa ou aquela situação da vida política de nosso País. Porém, como juiz da causa que condenou os acusados, caberia a Vossa Excelência maior reserva", escreveu o senador.

 

Suplicy afirma que Mendes não apresentou "qualquer prova material" de irregularidade nas doações e que a campanha para arrecadação de fundos para o pagamento das multas teve iniciativa entre as famílias dos condenados, contrapondo qualquer tipo de "ilegalidade" na ação.

 

"Até onde tenho conhecimento, as famílias dos quatro membros do Partido dos Trabalhadores é que tiveram a iniciativa de fazer a campanha para arrecadar fundos e pagar as multas condenatórias. Não vejo ilegitimidade ou ilegalidade nessa conduta", defendeu o senador.

 

Ontem foi divulgado o teor da carta enviada por Gilmar Mendes a Suplicy. No documento, o ministro do STF afirma que a pena de multa é "intransferível" e que as doações "sabotam" as penas aplicadas aos condenados. Ele também defendeu que as informações sobre doações sejam submetidas à avaliação da Receita Federal e do Ministério Público.

 

De forma irônica, Mendes ainda sugeriu que Suplicy lidere uma campanha para ressarcir os cofres públicos do dinheiro desviado pelo esquema do mensalão.

 

Em resposta, o senador pediu ao ministro que, como novo membro titular do Tribunal Superior Eleitoral, incentive campanhas de moralização da política, como as encabeçadas pelo Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral e pela Ordem dos Advogados do Brasil, que, entre outros pontos, propõem uma reforma eleitoral que vede doações de empresas a campanhas políticas.

 

"Vossa Excelência, que acaba de assumir como ministro efetivo do Tribunal Superior Eleitoral, poderia, pela posição que ocupa, incentivar os formadores de opinião da sociedade no que diz respeito à efetivação desses anseios como normas que têm sido apoiadas pelo Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral, pela OAB e muitas outras entidades da sociedades civil", disse.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS