05 de Agosto de 2020,

Opinião

A | A

Terça-Feira, 30 de Janeiro de 2018, 12h:00 | Atualizado:

Rodrigo Rodrigues

A coragem versus a covardia

rodrigo-rodrigues.jpg

 

Sem entrar no mérito jurídico, partidário ou ideológico, se está certo ou errado, inocente ou culpado, fato é que está ganhando corpo uma ação covarde que se iniciou contra políticos do Partido dos Trabalhadores e agora atinge até ministros do Supremo. 

Os ratos de esgoto, inflamados por setores da mídia e por membros anti-éticos do Ministério Público, vem utilizando seus smartphones para constranger, agredir com total desrespeito autoridades políticas e do judiciário em restaurantes, dentro de aeronaves e em locais públicos em geral.

Esse ato de extrema covardia, que se torna viral nas redes sociais, deve ser prontamente rechaçado pelas pessoas de bem. Eu já tinha demonstrado a minha indignação quando se tratava dos políticos do PT. E manifestei também quando foi contra políticos do PSDB e do PMDB.

Há várias maneiras de uma pessoa demonstrar que não concorda com determinados atos de pessoas públicas. Ela pode fazer através de sua página no facebook, pode gravar um vídeo ou um áudio e postar no whatsapp, ou pode escrever um artigo e assinar embaixo, como eu estou fazendo neste caso. O que não pode é se aproveitar de uma situação e se esconder atrás do anonimato para praticar esse tipo de abordagem abominável. 

A última vítima desde ato execrável foi um mato-grossense, que ao lado de Dante de Oliveira, Roberto Campos, Filinto Muller, presidente Dutra, Marechal Cândido Rondon e Joaquim Murtinho, compõem a galeria dos homens da mais alta estirpe desse país, que contribuíram e contribuem de forma a promover a grandeza do Brasil e elevar o nome do nosso estado ao patamar da mais alta glória, honrando a todos nós que nascemos nesta terra querida e acolhedora.  

Sempre polêmico em suas decisões, o Ministro Gilmar Mendes , este brilhante diamantinense, só não poderá ao longo de sua história ser acusado de ser covarde e ficar em cima do muro. Gilmar tem sido, no fundo, o ponto de equilíbrio quem vem barrando essa sanha descontrolada, amparada por um discurso pseudo-moralista, de tolher os direitos constitucionais, legais, da ampla defesa e do contraditório, querendo inclusive sobrepor aos legítimos representantes do povo, que são eleitos pelas urnas, criando uma ditadura jurídica, onde meia dúzia de juízes e membros do Ministério Público querem ditar quem é culpado ou inocente e impor suas próprias leis, presumindo que o que eles pesam é a verdade absoluta, ainda que essas verdades contradigam o que está nas leis e na Constituição Federal.

Quando o primeiro político foi hostilizado em público seus adversários e boa parte de seus companheiros se calaram. Agora, bateu na porta do judiciário, com um membro da mais alta corte e, até o momento, não vi nenhuma nota de repúdio dos demais magistrados, através de suas associações, e muito menos de nenhum colega seu do STF. Vão esperar de braços cruzados como a classe política fez? Ou tomar as medidas necessárias contra esses pusilânimes? 

Se eu fosse deputado, senador ou ministro exigiria de imediato a presença de uma autoridade policial para lavrar o flagrante e, em seguida, abriria um processo por calúnia e difamação. Todos têm direito de expor sua opinião, desde que o façam como estou fazendo aqui, que dê seu nome, seu sobrenome e seu endereço, e não atrás de um smartphone, escondido  entre as multidões. 

Encerro deixando aqui toda a minha admiração e respeito ao Ministro Gilmar Mendes e, em seu nome, estendo a minha solidariedade a todos aqueles que passaram pela mesma situação que ele passou. 

Saudações a quem tem coragem!

Rodrigo Rodrigues, jornalista e gestor público.



Postar um novo comentário

Comentários (6)

  • Luis | Quarta-Feira, 31 de Janeiro de 2018, 10h02
    1
    0

    Da mesma forma então deveriam se portar os baderneiros que cobravam rga na assembléia, que xingavam os deputados de todos os nomes. Mas isso o Sr. não falou. Vem querer defender agora este Senhor que envergonha aos mato-grossenses a nível nacional? E o áudio em que ele trata Silval como seu amigo íntimo? E as justificativas injustificáveis por não anular a chapa dilma-temer, o qual aceitou expressamente a compra de votos por "não se poder trocar 2x de presidente", ainda que eleito de fora ilegal? De onde ele tirou isso? Tem gente que sabe se queimar mesmo!

  • Chacal | Quarta-Feira, 31 de Janeiro de 2018, 06h11
    0
    0

    Concordo com o Carlos Eduardo, não dá para comparar Gilmar Mendes com Cândido Rondon, porém ele usa a lei para justificar seu voto, que mudem a legislação.

  • cluadia Morales | Terça-Feira, 30 de Janeiro de 2018, 17h32
    4
    4

    Rogerio Silvestri, não sabe ler? Rodrigo deixa claroque todo mundo pode omitir sua opiniáo desde que faça de maneira tramsparente. Ao contrario de vocé que esta usando um nome falso, quando Rodrigo detonou os deputados ele se indentificou!

  • said joseph | Terça-Feira, 30 de Janeiro de 2018, 16h42
    7
    5

    Quase sempre discordei das teses defendidas pelo Ministro Gilmar Mendes no STF. Mas reconheço sua altivez, seu pensamento coerente e a defesa intransigente que faz de sua idéias. As pessoas que tentam hostilizá-lo, constrangê-lo e atacá-lo não tem nenhum argumento para desafiá-lo para um debate sério. A maioria das pessoas que o constrange nos locais públicos é inculta e mal educada, não possui nenhum preparo intelectual, moral e ético.

  • Rogério Silvestri | Terça-Feira, 30 de Janeiro de 2018, 15h27
    9
    7

    "Os ratos de esgoto, inflamados por setores da mídia e por membros anti-éticos do Ministério Público, vem utilizando seus smartphones para constranger, agredir com total desrespeito autoridades políticas e do Judiciário em restaurantes, dentro de aeronaves e em locais públicos em geral."???? Semana passada ese cidadão desrespeitou autoridades políticas do estado!!! Que moral tem pra escrever sobre isso agora?? Ele também está neste grupo!!!!

  • Carlos Eduardo | Terça-Feira, 30 de Janeiro de 2018, 14h19
    12
    7

    Só faço um reparo colocar Gilmar no patamar de Rondon e Joaquim Murtinho é forçar demais a amizade.

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS