08 de Abril de 2020,

Opinião

A | A

Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h:00 | Atualizado:

Elizeu Silva

A modernização das campanhas políticas!

elizeusilva.jpg

 

Os movimentos sociais dos últimos anos e as crises política e financeira que ainda assolam o país mudou muito o comportamento do eleitor brasileiro. Claro, que as novas regras para as eleições municipais deste ano, trazidas pela minirreforma eleitoral, também ajudarão a ditar o tom crítico desse eleitorado em outubro próximo.

Dessa inquietude do povo e as mudanças às leis, podemos afirmar, que ambas tendem a incentivar nesta campanha, um relacionamento diferente de outros pleitos, entre o político e o eleitor. Há uma mudança comportamental nítida no eleitor, independente de classe social que pertence. Aquele candidato que saber discutir com maior objetividade os problemas sociais da sua própria comunidade, melhor sobressairá. Porém, mesmo com tanta cobrança por renovação política, políticos que irão à reeleição e já possuem serviços prestados à sociedade, sai com uma pequena vantagem sobre os principiantes.

Para que as disputas se equilibrem entre novatos e as alcunhas “velhas raposas", há necessidade de se investir num planejamento estratégico de campanha, - o chamado marketing político/eleitoral. Mas, primeiramente é bom aprender com a sabedoria do saudoso ativista democrático Mahatma Gandhi quando diz, "que nas grandes batalhas da vida, o primeiro passo para a vitória é o desejo de vencer!".

Claro que a Justiça ainda impede o começo da campanha com todo gás, pois, a legislação designa um período próprio para isso, porém, não é cedo para aprender e planejar. Querendo ou não, o eleitor está mais focado do que se pensa nas eleições vindouras. Sendo assim, um planejamento de campanha com racionalidade administrativa deve começar agora, imediatamente, ontem. Planejamento agora ajuda economizar em termos financeiros de até 30% do custo total e, em termos humanos, ainda fornece controle e qualidade para o duríssimo embate. E, como menos desse percentual de 30%, o candidato pode muito bem contratar um bom marqueteiro. Começar um planejamento eleitoral agora traz vantagens em outros aspectos, como a abertura de um caminho para uma campanha organizada e vitoriosa.

Na era do marketing eleitoral, as técnicas repassadas por um profissional gabaritado visa tornar um candidato ao cargo de prefeito ou vereador, conhecido e aceito no período eleitoral, através de suas propostas e projetos. Essas técnicas e estudos de ação de mercado são necessários e utilizados para segmentar os grupos sociais, os desejos e anseios da população, desenvolvendo sintonia entre aquilo que o político deseja fazer e o seu público-alvo espera. Inclusive, a propaganda política que será liberada, a partir de 26 de agosto, será uma das ferramentas de comunicação utilizada em uma estratégia de marketing eleitoral.

Não da mais pra fazer campanha no velho esquema. É a modernização da atividade. Mas pra isso é preciso planejar bem a campanha, avaliando as possibilidades, recursos e metas. É esse marketing que definirá qual será a postura do candidato, sua imagem, a propaganda, a assessoria de imprensa, os logotipos, a identidade visual, entre outras coisas. Então corra! Seja um vitorioso. Ainda dá tempo de se contratar um bom profissional em marketing político/eleitoral. Vai ai a dica.

Elizeu Silva é jornalista em Mato Grosso – Email: elizeulivramento@gmail.com

 

 

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS