11 de Dezembro de 2019,

Opinião

A | A

Segunda-Feira, 11 de Novembro de 2019, 10h:26 | Atualizado:

Gonçalo de Barros Neto

Alegria, alegria...

goncalo-antunes.jpg

 

Muito se dialoga sobre filosofia de vida.  Como entender a vida segundo a concepção e valores de cada qual? O que se destina àqueles que se esmeram em viver nos termos ditados pelo senso comum?

Ao conjunto de ideias, atitudes, pensamentos e ações reais, se ancora o modo tão sonhado de se encarar a existência. Fatores econômicos, sociais e culturais afetam as escolhas diárias.      

As uniões, por exemplo, se perfazem em aprendizados importantes. As sociedades de pessoas fazem a conjunção de valores diferentes, onde este ou aquele deve ceder em sua verdade irretocável. 

A apreensão das verdades são percepções subjetivas, um pouco para mais um pouco para menos; São particulares ao âmbito cultural, intelectual e ambiental de cada um. 

Atitudes positivas podem ajudar na escolha de como proceder para viver com sabedoria. 

O estudo é o caminho natural no desenvolvimento da capacidade de raciocinar de forma estável e profunda. O diálogo com outrem, sem qualquer preconceito, é capaz de quebrar estereótipos negativos, podendo levar a denominadores comuns. Há evolução e construção de pontes a ligar interesses. 

A vida se perfaz em ciclos. Em cada época, com as sua singularidade, fatores culturais e hábitos. 

A calma e tranquilidade em desenvolver o processo de autoconhecimento, acalenta as mentes e corações enfáticos pela melhor ‘filosofia em se viver’.

Joseph Campbell, diligente no estudo da mitologia e religião comparada e criador da ‘Jornada do Herói’, no afã de compreender melhor a existência terrena, deixou o que tinha para trás para viver por cinco anos em um casebre, apenas lendo. Um dos seus maiores ensinamentos foi deixar a vida, que até então havia planejado, de lado, e viver o que ela esperava dele. 

Mas cuidado, a verdade nunca é ou será absoluta. Nem o tempo é absoluto, acredito. Esperar pela receita de como viver melhor é sentimento utópico, irreal, e que nada acrescentará no angustioso processo de redescobertas.

O mencionado estudioso deixou pérolas reflexivas: ‘Seu espaço sagrado é onde você consegue se encontrar de novo e de novo’... ‘A caverna que você teme adentrar guarda o tesouro que você busca’. 

Aquilo que temo, me sobrevém (JÓ 3:25). Liberte-se do medo. As coisas que implicam uma existência necessária não dependem de causas exteriores para serem compreendidas. Siga a própria intuição; defronte-a com aquilo que entendes por realidade. Vá e seja feliz. 

GONÇALO ANTUNES DE BARROS NETO, da Associação Mundial de Poetas, é formado em Filosofia e Direito (UFMT) e escreve em A Gazeta aos domingos (email: antunesdebarros@hotmail.com). 

 

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS