24 de Agosto de 2019,

Opinião

A | A

Domingo, 21 de Julho de 2019, 08h:10 | Atualizado:

Paulo Lemos

Até quando o absurdo será ovacionado?

paulolemos.jpg

 

O ideário de "República", desde Cícero na antiga Roma, se funda sobretudo no princípio da impessoalidade, sendo antítese às monarquias. 

O critério de ocupação de cargos públicos não seria mais a hereditariedade dos príncipes e princesas e o compadrio dos barões. 

Passaria ser competência, aferida na formação, experiência e disposição viável de cumprir a respectiva função pública. 

Por isso surgiu o instituto do concurso público. E no caso de livre nomeação e exoneração, a idéia é que quadros de fora ou de dentro da Administração Pública que possuam notórios predicados de aptidão para o cargo possam contribuir mais no andar estratégico ou tático, menos no operacional. 

Agora, entre milhões de brasileiros, muitos deles mais compatíveis com o posto, o presidente escolher seu filho para embaixador nos EUA, é vilipendiar a memória de Cícero e desconsiderar por completo o caráter republicano do Brasil, inscrito no artigo 1° como República Federativa do Brasil. 

Sem falar nas condecorações teratológicas e idiossincráticas que o tríduo filial recebeu, única e exclusivamente por serem filhos do presidente, como ocorria durante as monarquias absolutistas e os impérios.

Só que o mais incrível é ver a maioria da população não entender o significado disso, o retrocesso em termos de cultura democrática, e uma parte até achar conveniente, normal, assim como num evento cristão fazer por mímica uma arma, possivelmente metralhadora ou fuzil, e ainda ser aplaudido, logo por aqueles que se dizem seguidores do sujeito histórico revolucionário, Jesus, que falou para Pedro abaixar a espada e usou da comunicação não violenta, que inspirou grandes personalidades mundiais, como Ghandi, Luther King e Mandela, para o não uso da violência, como técnica de combate, e, sim, a resistência pacífica. 

Realmente estamos vivendo tempos de pouca compreensão da realidade, ou de desentranhamento das entranhas da condição humana coletiva no estágio evolutivo que ela se encontra. 

Juiz e procurador da República podem até combinar o que vão fazer no processo contra o réu, sendo que os prêmios pelo cumprimento da missão dada sabe-se lá por quantos mandantes e financiadores, foram cargos na alta cúpula do Governo Federal e bilhões de dólares que estavam sendo costurados para uma fundação de fachada, denunciada como fundo eleitoral pelo ministro do STF, Gilmar Ferreira Mendes. O primeiro foi criticado por juízes que participaram da operação Mãos Limpas na Itália. O segundo foi um escândalo sem precedentes e sem resposta, sobreveio um silêncio retumbante.

E as mesmas pessoas que aplaudem o que foi citado acima, acha que não houve nenhuma irregularidade na Lava Jato. 

Olhe, sua concepção política ou desconhecimento mesmo da matéria jurídica, em boa parte dogmática, noutra zetética, enfim, a princípio papo para jurista, pode comprometer seu entendimento e sua opinião. Se bem que qualquer pessoa sensata e isenta consegue entender o que aconteceu. 

A operação Lava Jato, às luzes da criminologia, do Código Penal, do Código de Processo Penal, de leis extravagantes e da Constituição Federal, no futuro, não muito lonjíquo, será reconhecida como um tribunal de exceção, inquisitório, com métodos medievais, como sentenciou o saudoso ministro do STF, Teori Zavascki, possivelmente assassinado.

Na condução da operação, hoje já é de conhecimento público e geral, até mesmo da comunidade internacional, a ocorrência da prática em série de vários crimes por parte da Força Tarefa, todavia, principalmente pelo ex-juiz Sérgio Moro, o timoreiro da trapaça, melhor, da farsa judicial que transgrediu todos os princípios e regras da judicatura, além de ter sido dissimulado, desleal e desonesto o tempo todo, ele jogou uma pá de cal na pedra angular do Judiciário, a imparcialidade, como quem enterra o próprio sentido e razão de ser e existir da Justiça.

Paulo Lemos é advogado especialista em Direito Público e professor de Filosofia.

 

Postar um novo comentário

Comentários (6)

  • João | Domingo, 21 de Julho de 2019, 22h18
    6
    1

    Até quando vou ver e ter que ler o absurdo desses petralhas defendendo bandidos que saquearam o Brasil? Um site da qualidade do Folhamax não deveria se dar ao vexame de permitir a publicação de um cidadão cuja ideologia seja defender o a corja petista e sua ideologia, deveria ter mais respeito com seus leitores.

  • Paulo Martins | Domingo, 21 de Julho de 2019, 21h45
    5
    0

    Nuna nivre, nuna nivre!!!

  • Verdadeiro | Domingo, 21 de Julho de 2019, 16h05
    7
    0

    Tatua na sua testa agora: "EU SOU UM PASPALHO"

  • +Rogério | Domingo, 21 de Julho de 2019, 15h36
    7
    1

    Êêêê o Dotô PaTeta voltou para nós brindar com seu lixo "hintelectual". Tatua um orifício corrugado ao redor da boca, assim seu discurso terá mais coerência. Ió,Ió,ló...

  • alexandre | Domingo, 21 de Julho de 2019, 12h15
    7
    1

    e os politico indicados por lula para diplomata em cuba e venezuela ? muito mimimi petebas..porque o acordo União europeia - mercosul, não saiu em 16 anos de petismo e saiu com 6 meses de Bolsonaro e articulação ? ou sera´q que a aproximação com os EUA e não cuba, que milindra a esquerda festiva ?

  • Francisco | Domingo, 21 de Julho de 2019, 09h46
    4
    1

    A agenda esquerdista despersonaliza, e até mesmo desumaniza os cidadãos quando exalta a bondade de um ‘todo’ abstrato sobre a soberania do indivíduo, que deve assim estar subordinado aos fins coletivos do estado”, ele escreve em sua obra. “De fato, para o integrante do governo imerso nos propósitos coletivistas, seres humanos são coisas a serem dominadas; são meros meios para se atingir fins. Apenas a agenda política realmente importa, e não a experiência consciente do indivíduo que ela domina. Gazeta do Povo.

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS