Opinião Domingo, 07 de Abril de 2019, 10h:32 | Atualizado:

Domingo, 07 de Abril de 2019, 10h:32 | Atualizado:

Pedro Félix

Cuiabá da minha infância

 

Pedro Félix

Compartilhar

WhatsApp Facebook google plus

pedrofelix.jpg

 

Cheguei aqui com seis anos de idade, um garoto atrás de sua família nordestina que veio antes conhecer o lugar. Um grupo de migrantes, que antes eram candangos em Brasília.

A imaginação estava a mil por hora. Como seria o lugar? Onde moravam meus pais? Que lugar era este que demorou nove dias para chegar?

O medo do fim do mundo era o que me assombrava, pois assim era a configuração do lugar, dito pelos mais velhos do lugar de origem.

Finalmente cheguei! Apeei da baleia (ônibus antigos da época), ao lado da atual Praça Ipiranga. De imediato fui até a padaria, ao lado da ponte velha (Júlio Muller) onde meu pai trabalhava e vi pela primeira vez o rio Cuiabá. Encanto de imediato! Não sabia nadar, mas o afoito menino queria ir logo tomar banho naquele rio de águas verdes, transparentes e cheio de piraputungas saltitantes.

Depois de um breve tempo morando do outro lado do rio, finalmente me mudei para o bairro Terceiro (destruído pela enchente de 1974).

De novo, outro universo se abriu para o pobre retirante, chamado jocosamente de pau rodado. O rio de lado, logo me ensinou a nadar em suas águas caudalosas e piscosas. Os sarãs que ladeavam as águas serviam para brincadeiras de saltos, esconderijos e outras inventadas no dia a dia.

Intenso era a presença de pescadores e suas varas e redes de pescar. (Os jacás ficavam carregados de peixes (cestos de bambu grandes), deixados à beira do rio, com água pela metade, onde se colocam os peixes após capturas).

Maravilha era ver as linhas de pescar com pinhão na ponta do anzol, singrando o ar e caindo no meio do rio, procurando o bendito fruto para alimentação do ribeirinho.

As charretes iam e vinham com tonéis cheio de água que abasteciam as casas sem água encanada. Ofereciam seus serviços também de venda de toda sorte de mercadoria vendida de porta em porta.

A alegria do bairro era geral, com sua vida cultural intensa. Em junho lavava-se o santo na beira do rio. Em fevereiro o cordão carnavalesco “Coração da mocidade” saia com seus índios, apitos e penas à frente, agitando a galera. O point era o clube do Zé Maria. Aonde todos iam aos bailes dos finais de semana.

O Congá do Dandí, nas sextas feiras lotava de gente de todos os matizes sociais, levando muita gente na semana santa para Louvar o caboclo sete flechas, nas matas de Chapada dos Guimarães. 

Diversão não faltava e no domingo o legal era ir para frente do Cine São Luís (Em frente ao bairro e na Avenida XV de novembro no Porto), trocar figurinhas, ou revistas em quadrinhos. Mas o melhor estava reservado dentro da sala, com filmes de Tarzan ou épicos do velho oeste.

Você teve infância? Eu tive e eis aqui um pouco das reminiscências nesta velha e acolhedora Cuiabá.

Cuiabá te abraço e te reconheço como minha cidade. Parabéns pelos seus 300 anos.   

PEDRO FÉLIX é escritor em Cuiabá.

 





Postar um novo comentário





Comentários (1)

  • Marcos Aur?lio

    Domingo, 07 de Abril de 2019, 12h34
  • Um dos melhores professores e mestre, a qual tive a honra de ser aluno.
    1
    0









Copyright © 2018 Folhamax - Mais que Notícias, Fatos - Telefone: (65) 3028-6068 - Todos os direitos reservados.
Logo Trinix Internet