26 de Janeiro de 2020,

Opinião

A | A

Sábado, 29 de Março de 2014, 10h:24 | Atualizado:

Francisco Faiad

Cuiabá dos nossos sonhos

faiad183.jpg

 

Sei que é difícil fazer qualquer defesa pelo momento em que estamos vivendo nesta cidade. O atraso nas obras da Copa do Mundo provocou uma espécie de insatisfação popular em Cuiabá. Muitos prazos deixaram de ser cumpridos, por variados motivos. A população vive hoje um sentimento de medo e preocupação. Há, de forma latente o temor de passar por constrangimentos de ver uma cidade longe daquilo que sonhou para abrigar o maior evento de sua história, que são os quatro jogos da Copa do Mundo. 

É indiscutível que o preço que está sendo pago seja bem alto. Muito mesmo! O maior responsável por esse sentimento negativo está no trânsito, que se tornou caótico em função da necessidade de se realizar as grandes intervenções, visando garantir a melhoria da mobilidade urbana. A elasticidade dos prazos para conclusão de tais obras deram, naturalmente, amplitude ainda maior a esse sentimento. 

A revolta popular é justa, é bom que se diga. A execução das obras deveria, sim, trazer os prazos consolidados para que não gerasse tamanha expectativa. Vide o caso do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). Qual cuiabano não imaginou agora em junho sendo transportado pelo sistema mais moderno de transporte de passageiro do mundo? Quem não sentiu uma ponta de orgulho de ver turistas do mundo inteiro viajando do aeroporto ao centro ou chegando até o Tijucal pelo VLT? 

Vou mais além. Eu também queria estar lendo hoje nos jornais do mundo inteiro as impressões sobre a Cuiabá da Copa do Mundo, uma cidade com vias modernizadas, com transporte de qualidade, com serviços públicos eficientes, enfim. Compartilho esse momento. 

Mas, sou um otimista contumaz. Muitas das coisas que não veremos até o início do Mundial de 2014, certamente vão integrar o conjunto de melhorias que nós cuiabanos passaremos a ter a partir das realizações. Algumas, como as trincheiras da Miguel Sutil vão estar ao nosso alcance já, imediatamente: todas estão praticamente em fase final. Teremos uma via rápida, moderna, ligando um ponto a outro da cidade, sem congestionamentos ou barreiras dos indecentes ‘quebra-molas’ que deixam nossa cidade com aparência de atraso da nossa gente. 

Não se trata se assumir o discurso do Governo. Muito pelo contrário. Quando secretário muitos foram os embates internos em busca de soluções rápidas e adequadas. Mas, o ‘legado’ vai estar disponível mais cedo ou mais tarde. A paciência está praticamente esgotada, mas, com certeza, nós cuiabanos vamos desfrutar dessa importante iniciativa. Importante e rica iniciativa, é bom que se frise. 

A Cuiabá dos 300 anos de existência seria bem diferente da que se projetava até a bem pouco tempo. Viadutos, trincheiras, VLT e até mesmo um novo aeroporto - que está em Várzea Grande e integra a região metropolitana de Cuiabá - não faziam parte de qualquer plano político. Tampouco a melhoria das vias de acesso a Chapada dos Guimarães e Santo Antônio de Leverger. Quem poderia imaginar a entrada de Cuiabá, ali no Tijucal, da forma como vai estar em pouco tempo? 

Pois bem! Cuiabá está se aproximando de uma data histórica, verdadeiramente, com toda sua pujança voltada para o salto mais efetivo em sua existência. Cuiabá vai ser motivo de muito orgulho para os cuiabanos. Não será no tempo que todos nós desejávamos e queríamos, mas ela será alcançada com as obras que estão em andamento. Vamos nos orgulhar, em pouco tempo, por ser a cidade brasileira com o melhor sistema de transporte de massa, com a entrada em operação do VLT. 

É claro que não bastam as obras da Copa – que, infelizmente, ficarão para depois da Copa, para que haja o resgate efetivo do orgulho do povo cuiabano. É preciso revitalizar suas praças, tratar melhor os canteiros, ajardinar a cidade, torna-la limpa e abrir espaço para as manifestações culturais – que, a rigor, são maravilhosas. E preciso que a segurança pública tome medidas para dar conforto e tranquilidade às famílias. Principalmente com uma ação rígida no combate ao tráfico de drogas. 

Sim, porque com o transporte de qualidade, as vias modernizadas, um bom aeroporto, o melhor sistema de transporte, uma boa segurança, saúde pública eficiente e cultura fortalecida, Cuiabá chegará aos 300 anos, sem duvida, entre as melhores cidades do Brasil. Sou otimista, acredito e trabalho por isso. Porque o resto, o calor da cidade e o calor humano dessa gente completa. 

*FRANCISCO FAIAD é advogado e ex-presidente da OAB de Mato Grosso 

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • JOÃO SOUZA | Domingo, 30 de Março de 2014, 07h49
    0
    0

    É Dr. o Sr. foi um dos mais importantes secretários do governador Silval Barbosa na ocupando a Secretaria de Administração; e agora vem querer justificar a não conclusão das obras tão prometidas? O que faltou foi justamente PLANEJAMENTO e ADMINSITRAÇÃO, não houve a integração entre as secretarias.As obras que seriam um LEGADO para a Cuiabá, alias palavra esta mais em moda da gestão do governo Silval, agora passou a chamar PROBLEMA para a população cuiabana pelas execuções de obras mal feitas, com valores exorbitantes e todas fora do prazo de entrega. O LEGADO que restou a Cuiabá é a imagem de uma cidade que mais parece um palco de guerra onde impressa internacional esta mostrando para o mundo esse é o LEGADO que este desgoverno foi capaz de fazer.

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS