09 de Agosto de 2020,

Opinião

A | A

Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 17h:44 | Atualizado:

Leonardo Oliveira

Dante de Oliveira, meu eterno e inspirador professor

leonardooliveira-artigo.jpg

 

É nos momentos de turbulências e incertezas que desperta o espírito humano, pronto para a mudança, para realizar as transformações necessárias. Em momentos como o que vivemos, evocamos figuras como Dante de Oliveira, alguém que conseguiu tão bem traduzir os anseios populares, transformando-os em ações efetivas, das quais podemos sentir até hoje os efeitos. Dante, que neste 6 de fevereiro completaria 66 anos, foi, sem dúvida, um homem à frente de seu tempo, exemplo de ética e de quem herdei a paixão pela política, como um orgulhoso sobrinho.

Na década de 1980, quando o país era comandado por uma ditadura, Dante teve a clareza de que a restauração da democracia, tirada do povo 20 anos antes, somente ocorreria com um grande apoio popular. Mesmo com a emenda derrotada em Plenário, o movimento, que chegou a contar com 84% de aprovação dos brasileiros, foi o início de um caminho sem volta que deu a cada eleitor o poder de escolher seus governantes, algo que perdura até os dias de hoje.

Anos depois, já na condição de governador de Mato Grosso, foi Dante quem entendeu que era preciso transformar o Estado para que fosse superada uma forte crise econômica, talvez tão grande quanto a que vivemos nos últimos anos. A saída foi a implantação de programas de incentivos que respeitassem a vocação de Mato Grosso e que, sem dúvida alguma, transformaram o Estado no celeiro do mundo, líder global na produção de alimentos, mola propulsora do nosso desenvolvimento.

Décadas se passaram desde que Dante lançou as sementes da democracia e do desenvolvimento, e novamente vemos um sentimento de inquietação, o desejo de transformarmos as turbulências das incertezas no vento que nos move ao progresso, os obstáculos que permeiam o nosso caminho no impulso necessário para seguirmos avançando. Não há dúvidas de que encontraremos nosso rumo, bastando apenas nos assegurarmos em olhar para trás e ver de que forma foram forjadas as nossas conquistas.

É preciso que haja uma comunhão entre o povo e a política, entre líderes e liderados, nesta ordem, porque quem comanda o nosso futuro somos nós mesmos, no sentido de trabalharmos unidos em prol de um país melhor. Do mesmo modo que herdamos de homens como Dante um país livre, temos que ter como profissão de fé a missão de deixarmos um Brasil mais justo para nossos filhos e netos.

Pois como Dante sempre dizia, "jamais seremos um povo livre enquanto tivermos um só brasileiro analfabeto, um único compatriota desempregado, uma única criança passando fome nas ruas ou favelas". Esse é meu eterno e inspirador professor.

Leonardo de Oliveira é sobrinho de Dante e, atualmente, é o secretário adjunto de Esporte e Lazer de Mato Grosso

 



Postar um novo comentário

Comentários (9)

  • Fran.CO | Sexta-Feira, 09 de Fevereiro de 2018, 20h46
    1
    0

    Muito bem jovem Leonardo Oliveira. Eu tenho, ainda, um grande respeito e admiração por tudo que foi Dante M. de Oliveira, sua conduta, seu caráter e seu ideal voltado para o bem do povo. Você jovem, lembra muito seu tio Dante. Aconselho-lhe disputar o cargo de Deputado Estadual e, se assim acontecer, o meu voto será seu, além de pedir encarecidamente aos meus para todos lhe acompanhar nas urnas.

  • Claudia Fraga | Quarta-Feira, 07 de Fevereiro de 2018, 06h18
    1
    1

    VOTÊ, ESSE AI TA1 PIOR QUE VALTENIR. DEIXA O DANTE DESCANSAR EM PAZ. QUEREM SUGAR O CARA ATE MORTO!!!

  • Zé Trabalhador | Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 23h55
    2
    1

    Melhor apagar esse artigo meu amigo. Não é pra tanto, aproveita que ainda dá tempo.

  • ROBERTO RUAS | Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 23h36
    1
    1

    Não tenho nada contra o Dante , mas é fato que se vivo fosse , seria mais um desses políticos velhos e decadentes que vemos no Brasil todo. Morrer ainda jovem é uma forma de tornar o morto um herói , um mito , alguém acima das mazelas de nossa política. É assim no mundo todo. Imaginem , por exemplo, se o Che Guevara fosse vivo; que diferença teria ele do ditador caquético FIdel? Morrer cristaliza o indivíduo.

  • Mohamed3 | Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 22h36
    1
    1

    Dante infelizmente quando nomeou Antônio Joaquim, Novellei e Valter Albano para Conselheiros do TCE acabou.

  • Said Joseph | Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 21h49
    2
    1

    Dante de Oliveira foi um dos grandes pilantras da Política , no Estado de Mato Grosso. No auge da crise na Segurança Pública ele foi omisso, tercerizou a Segurança Pública ao então todo poderoso Comendador João Arcanjo Ribeiro. Ato imperdoável e covarde de qualquer homem público.

  • Dudu | Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 20h47
    4
    0

    Menos menos menos

  • Raimundo | Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 19h47
    5
    1

    Esse Dante era um pilantra como todos os outros, vejam seus pupilos que continuam na política até hoje... Maioria mamando no TCE.

  • Observador | Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 17h52
    6
    1

    É impressão minha ou sempre em ano eleitoral os caras ressuscitam o Dante, principalmente esse aí.

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS