26 de Maio de 2020,

Opinião

A | A

Sexta-Feira, 27 de Março de 2020, 13h:48 | Atualizado:

Érica Pacheco e Julianne Caju

Decreto da quarentena e do isolamento social

CAJU.JPG

 

Diante dessa guerra contra um “inimigo invisível”, pensamos aqui com nossos botões que há muitas pessoas que precisam ficar em casa, outras que não podem e as que não querem. E seguindo por esse pensamento, algumas questões começam a surgir e uma delas é: Por que foi necessário o decreto da quarentena (período de incubação de determinada doença) e do isolamento social?

Naturalmente, ao tentarmos responder a pergunta, surgem algumas reflexões. Será que a quarentena foi necessária por que não estamos aplicando com eficácia e eficiência os hábitos (nada novos) de higiene? Como por exemplo,  lavar sempre as mãos; tirar os sapatos quando chegar em casa e não circular dentro da residência calçado e espalhar toda a sujeira da rua dentro do lar; tomar banho logo após adentrar a residência para impedir de trazer aos seus todas as partículas de sujeira que aleatoriamente ficaram impregnadas no próprio corpo;  não tocar o rosto com as mãos sujas; tapar com o cotovelo a boca e o nariz ao espirrar e tossir (quem já não passou por alguém que espirrou ou tossiu daquele jeito ‘espalhafatoso’ jorrando gotas de saliva e outras coisas por todos aqueles que estavam ao redor?); não cuspir no chão; se estiver gripado, usar lenço descartável; dentre outros que já sabemos, mas que as vezes não praticamos. 

De outro lado, também questionamos se essa pandemia não nos faz analisar que ainda esquecemos da importância de uma alimentação saudável e higiênica, de lavar bem as verduras, legumes e frutas, de evitar contato com pessoas e animais que estejam doentes (e se precisar, adotar todas as medidas de assepsias), e quando doente, evitar contato com outras pessoas, e outras práticas importantes para nossa saúde e a saúde do próximo. Será que realmente preocupamos com nossa própria saúde e com a saúde do outro?

Essas são apenas algumas das possíveis reflexões. Várias perguntas ainda ficarão e deverão ser posteriormente analisadas, com mais calma e maior precisão. Tentar analisar agora, em meio a tudo que vem acontecendo, podem não nos trazer respostas fidedignas. No entanto, é válido, começarmos a levantar questões, para uma futura meditação: Por que foi necessário o decreto da quarentena e do isolamento social? Quem precisa fazer quarentena, conseguiria ficar em casa sem um decreto? O que podemos e o que não podemos controlar? O que devemos proteger primeiro? Quais são as nossas virtudes? Como cada um de nós pode cuidar de si, da família, da sociedade, do meio ambiente e evitar o caos em todos os setores? O que deve estar bem na esfera individual para o coletivo ficar bem? Ou o contrário, o que precisa estar bem no coletivo para a esfera individual ficar bem? Qual o papel do estado e do(a) cidadão(a) em momentos como ao qual estamos passando? Estamos todos no “cantinho do pensamento”? Qual o melhor caminho a seguir? E a principal, ao nosso ver: O que estamos aprendendo com essa pandemia?  

O Covid-19 (novo coronavírus) veio para nos relembrar que não vivemos sozinhos e que o mundo não gira em torno de nós. Vivemos em sociedade e precisamos aprender o que significa o convívio social. Esse é momento de realizarmos reformas íntimas, meditar sobre o que cada um de nós pode e deve fazer para que possamos ter, desde já, um mundo mais humanizado, com igualdades, equidades, solidariedade, gentileza, educação, cooperação, respeito e paz. Essa pandemia pode alimentar o que há de melhor (e pior) na humanidade para quem está em casa, para quem não pode estar e para quem não quer estar. No entanto, todos nós temos de impedir a proliferação do vírus, preservar a vida (todas as vidas), cuidarmos do meio ambiente e lutarmos pela garantia do emprego e da renda de todas as pessoas.

Érica Pacheco Mocker é advogada e Julianne Caju é jornalista

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS