Opinião Quarta-Feira, 03 de Abril de 2019, 17h:18 | Atualizado:

Quarta-Feira, 03 de Abril de 2019, 17h:18 | Atualizado:

Renato Nery

Meu desejo

 

Renato Nery

Compartilhar

WhatsApp Facebook google plus

Renato Nery.jpg

 

Lembro-me da minha infância numa casa de taipa, onde as camas eram imbricadas na parede e o assoalho era de chão batido. A primeira cama de colchão de capim, em que me deitei foi comprada por mim aos 06 ou 07 anos de idade, com a féria de minha caixa de engraxate. Caixa essa que eu mesmo fabriquei e gostaria de tê-la guardado, como uma lembrança daquela época. 

Não tinha sequer talheres. Comer era com a mão. Lembro-me de uma bacia, onde a comida era posta e colocada no chão batido e nós ao redor minorávamos a fome crônica e infindável. A minha mãe ficava sem comer para que nós, os seus filhos, dividíssemos o pouco que tinha.

Sair dessa condição era o desejo de toda a família. Muito tempo depois, mudamos para uma casa de adobe de onde não mais saímos. Tempos difíceis! Meu pai e minha mãe eram migrantes. A vida não é fácil para os que são forçados a viver em terras estranhas. A minha ojeriza à fome e às péssimas condições de vida vem dessa época. Fico inquieto, quando vejo pela televisão tanta gente tentando se refugiar. Não se esqueçam de que estamos aqui de passagem e todos nós, em algum momento da nossa ascendência, fomos estrangeiros. E sinto que a indiferença dos donos do mundo ainda é grande para acolher aqueles que não têm nada e somente sofrem.

Além do mais, tanta gente que tem mais que o suficiente se nega a contribuir para minorar os males do mundo. 

A insensibilidade é a mãe da miséria. O outro ao nosso lado merece, também,   ter uma vida digna. Enfim, creio que tudo foi posto neste mundo para beneficiar a todos, mas a ganância de uns poucos aproveitadores se apossa de tudo e provoca tanta miséria. 

Sei da nossa responsabilidade para com a continuidade da vida, pois este é um plano de evolução e já andamos muito desde o molusco que nos deu origem. 

Lutei no meu canto e continuo batalhando para melhorar as condições humanas da vida neste mundo.  Melhorou, acho que sim! Hoje passado tanto tempo não vejo grandes progressos, mas certamente que a vida tem melhorado e boa parte das pessoas alcança e continuará a alcançar os bens  que foram colocados à disposição de todos. A vida dos meus pais foi pior do que a minha e a dos meus filhos é muito melhor do que a minha. E vislumbro, desta ótica, que a da dos meus netos será melhor ainda. 

Gostaria dividir toda a riqueza do mundo com todos aqueles que passam necessidades. De sair das agruras do dinheiro contado e da comida regrada.  De ter um trabalho bem remunerado, uma vida digna, uma casa decente e de visitar tantos lugares lindos pelo mundo afora! Seria muito? 

P.S. O drama dos refugiados tem origem nos colonizadores europeus que dividiram, no passado, arbitrariamente o mundo, sem respeitar as limitações dos territórios habitados secularmente, provocando, ainda hoje, a cizânia e a diáspora nos países colonizados. E estes colonizadores se furtam em consertar os erros e equívocos históricos do passado. A questão migratória é apenas umas das cruéis consequências. 

Renato Gomes Nery. E-mail –[email protected]

 





Postar um novo comentário





Comentários (1)

  • odenil

    Quinta-Feira, 04 de Abril de 2019, 10h00
  • Se você sendo imigrante passou por isso, eu sendo daqui do estado passei por também, isso em meu próprio estado MT e na minha cidade que nasci Cuiabá, tive um bom tempo de revolta, mas com o tempo isso foi superado por mim e minha casa, mas agradeço a Deus por isso, pois me deu forças para superar isso tudo e hoje minha vida está entregue nas mãos do Senhor, que me ajudou e me ajuda. As pessoas que se isenta de ajudar os necessitados, tem essa prerrogativa, mas seu futuro é incerto. Deus que abençoe todos!
    0
    0









Copyright © 2018 Folhamax - Mais que Notícias, Fatos - Telefone: (65) 3028-6068 - Todos os direitos reservados.
Logo Trinix Internet