18 de Outubro de 2019,

Opinião

A | A

Segunda-Feira, 16 de Maio de 2016, 07h:27 | Atualizado:

Toshio Doi Junior

VG, o verdadeiro município de transformação

toshio.jpg

 

Popularmente conhecida como Cidade Industrial, Várzea Grande tem a 2ª maior população dentre as 141 cidades mato-grossenses e completa 149 anos de fundação hoje (15.05). O município abriga várias empresas prestadoras de serviços, comerciais e industriais. Beneficiada pelas obras da Copa do Mundo 2014, novos investimentos foram atraídos, como supermercados, lojas de grande porte e mais recentemente o primeiro shopping center da cidade.

A expectativa da população varzea-grandense é que os investimentos públicos – como a construção do VLT, a ampliação do aeroporto e do distrito industrial, as extensões do IFMT, da UFMT e da UNEMAT, a construção do Parque Tecnológico e do centro de treinamento, a reforma do Fiotão – sejam concretizados, de modo que o município retome o crescimento econômico e a geração de emprego e renda para sua população.

FOLHAMAX faz uma homenagem à cidade aniversariante de hoje com esse editorial especial. Detalha os principais pontos que poderão, ao longo dos próximos anos, aliado a uma nova e eficás gestão, tornar Várzea Grande o verdadeiro município de transformação e deixar aos poucos de se identificar como cidade industrial para se transformar na cidade universitária e tecnológica.

Parque Tecnológico

O Parque será implantado em uma área de 80 hectares, sendo 16 do governo e 64 privados, doado pelo empresário Juarez Ductievicz, e está localizado na região denominada Chapéu do sol. Deve transformar o município no principal centro de pesquisa tecnológica e inteligência de Mato Grosso e contribuir no fortalecimento das instituições de ensino que investem em pesquisa e tecnologia. Será uma revolução no perfil econômico da cidade, fixando jovens estudantes que buscam nível superior nestas áreas de conhecimento, além da geração de emprego e renda que essas novas empresas poderão gerar.

Serão necessários cerca de R$ 100 milhões para sua instalação efetiva. Parte desse dinheiro virá do governo, com investimentos do Ministério de Ciência e Tecnologia e do estado de Mato Grosso, através da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação-Seciteci, enquanto outra parte deverá ser financiada pela iniciativa privada, universidades e órgãos de fomento à pesquisas, instituições parceiras do projeto, como a Google Inc., que já firmou acordo coim o Estado para implantar ações de tecnologia no Parque.

O projeto prevê a instalação de três parques em um único espaço: Parque Tecnológico, Parque de serviços e Parque científico, que juntos contarão com a implantação de um centro de inovação, incubadoras, aceleradoras,  centro de pesquisa, edifícios coorporativos, estacionamento, parques, lagos, restaurantes, e prestadoras de serviço.

O município foi escolhido, pois tem melhores possibilidades de receber o ambiente de inovação. Na área serão construídos câmpus da UFMT, do IFMT e da Unemat e ainda tem proximidade com as maiores universidades particulares do Estado. Essas instituições públicas de ensino comporão um ambiente voltado à ciência, tecnologia e inovação, o que propiciará a atração de incubadoras de empresas start-ups e empresas inovadoras que darão suporte às soluções tecnológicas voltadas ao desenvolvimento sustentável. Sua localização geográfica e logística propícia para o fluxo de bens e serviços trazem versatilidade à distribuição e alcance da tecnologia produzida. Além do mais, o município tem diretrizes estratégicas já definidas nos anexos do Plano Diretor Municipal, resguardando garantia jurídica aos investidores e permitindo que as empresas interessadas em se instalar possam contar com incentivos fiscais oferecidos pela prefeitura, através da Lei de Incentivos Fiscais, recentemente aprovada pela Câmara Municipal.

Várzea Grande entra em um novo rumo de sua história, alterando seu perfil de cidade industrial de outrora, para o de cidade universitária e tecnológica. Tem o desafio de aliar produção e preservação, internacionalização e inovação de ponta, para alavancar o estado de Mato Grosso.

COT do Pari

Com 52,1 mil metros quadrados, a estrutura esportiva, que deveria ter sido conclusa em outubro de 2013 e utilizada durante a Copa do Mundo, deverá ser transformada em um centro de treinamento para as instituições da segurança pública do Estado, como a Polícia Militar e Corpo de Bombeiros. O local também poderá se transformar em uma central olímpica/paraolímpica, aproveitando a Olimpiada 2016 do Rio de Janeiro, ou no primeiro estádio de futebol do município, colocado à disposição dos clubes da região metropolitana de Cuiabá, como os times do Operário, Cuiabá, Mixto, Dom Bosco e Mato Grosso, oportunizando aporte aos times locais, que vem em franco crescimento no cenário nacional nos últimos anos.

Quando ficar pronto o local terá capacidade para três mil pessoas e terá salas de imprensa, cabines de transmissão, vestiários, camarotes, estacionamento, lounge, sala de musculação, sala de fisioterapia, alojamentos, lavanderia, cozinha, refeitório e restaurante.

A nova estrutura poderá se transformar em referência na região Centro-Oeste e empulsionar ainda mais o esporte da região.

Fiotão

Monumento histórico e que serviu de cartão postal para Várzea Grande e é o orgulho da cidade, o ginásio esportivo Gonçalo Domingos de Campos, o “Fiotão”, localizado na região central da cidade ao lado do terminal André Maggi, já foi palco de importantes eventos como concursos de misses, formaturas, posses de prefeitos e vereadores, casamentos comunitários, eventos esportivos importantes, shows nacionais e os jogos estudantis do município.

Inaugurado em 1985, há 31 anos, mas há cinco anos se encontrava abandonado pelo poder público. No mês de maio, porém, depois do apelo da sociedade varzea-grandense, que chegou a fazer ações de limpeza no local, se iniciou projeto de revitalização do local.

A reforma é estruturante e geral, custará R$ 4,2 milhões e compreende arquibancadas, calçadas, estacionamento, iluminação com tecnologia LED, paisagismo, pintura, piso, portas e janelas, sala de imprensa, telhado e revitalização de todo entorno do ginásio e as quadras devem atender aos padrões internacionais dos jogos.

Essa reforma poderá trazer de volta o orgulho dos varzea-grandenses pela história vivida nesse ginásio. Depende do poder público municipal planejar ações que movimentem e deem vida a esse espaço. Oportunizar eventos grandiosos, trazer jogos nacionais e internacionais, e organizar novamente os jogos estudantis da cidade, oportunizando a interação entre os estudantes, a população em geral, em um lugar propício ao desenvolvimento das atividades esportivas e sociais.

VLT – Veículo Leve sobre Trilhos

O VLT é um sistema de metrô de superfície que está sendo implantado em Várzea Grande e Cuiabá. O modelo foi proposto como alternativa para melhorar a mobilidade urbana na Região Metropolitana, durante e após a Copa do Mundo de 2014. 

Iniciadas em 2012, as obras de implantação do metrô de superfície Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) em Cuiabá deverão extrapolar em mais de quatro anos o prazo inicial de conclusão, sendo finalmente entregues à população da região metropolitana em setembro de 2018. Conforme previsão que consta no cronograma de finalização das obras entregue ao governo do Estado.

O VLT pode se tornar a verdadeira transformação no transporte público e representar o que há de melhor em termos de qualidade, modernidade e eficiência, podendo proporcionar um salto na qualidade de vida dos usuários do transporte público da cidade. Alem de fomentar fortemente o setor de turismo de negócios, pois torna a cidade mais atrativa e propensa para eventos nacionais e internacionais.

Aeroporto Internacional Marechal Cândido Rondon

Principal aeroporto do estado do Mato Grosso e segundo mais movimentado do Centro-Oeste, o Aeroporto Internacional Marechal Cândido Rondon chegou em 2015 a ter fluxo de mais de 3,3 milhões de passageiros e a demanda de passageiros deverá continuar crescendo. Seu terminal de logística de carga se encontra em plena ascenção.

Iniciadas pela Copa do Mundo de 2014, as obras devem ser finalizadas até novembro de 2016 e com a ampliação, o terminal passará a ter 13.200 m² no terminal de passageiros, que antes eram de 7.200 m². A capacidade irá subir de 2,5 milhões de passageiros para quase 6 milhões. 

Com o novo terminal internacional, o aeroporto já recebeu o 1º voo internacional, em abril deste ano, direto da cidade de  Santa Cruz de la Sierra, transportando o presidente da Bolívia. Esse primeiro voo internacional é bastante significativo, pois marca o início da ligação comercial entre o estado de Mato Grosso e a Bolívia, e coloca Várzea Grande novamente no caminho da construção histórica de nosso país. Essa nova área poderá impulsionar ainda mais a geração de negócios, além de fomentar o turismo natural e o turismo de negócios do município e de Mato Grosso.

Devido à localização geográfica, centro geodésico da América do Sul, aliado a um bom planejamento nas gestões municipais futuras, o aeroporto poderá ser explorado para ligações comerciais de transporte de carga. Pode vir a se tornar um potente terminal de carga e descarga.

Várzea Grande Shopping

Primeiro conglomerado comercial do município, o shopping center foi inaugurado em 2015 após anos de expectativa de abertura. Com serviços em mais de 120 lojas numa área de 35 mil m², o faturamento é estimado em R$ 400 milhões por ano.

O Várzea Grande Shopping entra no mercado com geração direta de quase 6.000 empregos diretos e indiretos. O empreendimento tem 14 megalojas, 6 lojas âncoras e mais de 200 lojas satélites.

Para impulsionar ainda mais a economia e prestação de serviços na cidade, o governo do estado de Mato Grosso inaugurou em março no shopping a nova unidade do Ganha Tempo, a primeira da gestão Taques, que conta com equipamento de alta tecnologia capaz de atender cerca de 1.200 pessoas por dia. A unidade irá gregar num só espaço vários serviços prestados à sociedade.

Sua localização privilegiada em frente ao aeroporto e ao VLT faz com que se torne referência não só para a população varzea-grandense, mas para os visitantes e turistas que passam pela cidade. Inclusive, o Aerorpoto Marechal Cândido Rondon se torna um dos raros casos de aeroporto com toda uma estrutura de lazer, compras e hospedagem em torno de si. Mais um up para o comércio local e para o turismo, que cada vez mais tem condições de bem atender quem vem para a cidade.

Distrito industrial

O Distrito Industrial da cidade abriga 40 empresas e ainda não dispõe de infraestrutura para atração de novos investimentos, já que ainda depende da regularização fundiária e da implantação de rede de água e esgoto. Também não tem sequer coleta regular de lixo e as ruas estão em péssimo estado de conservação. A criação de um novo distrito industrial é conversa na boca de muitos empresários que querem espaço e estrutura para investir no município, porém, será necessário primeiramente suprir de estrutura necessária ao que se encontra instalado hoje.

O município é localizado em um ponto central na América do Sul e vizinho da capital do Estado, com acesso à BR 364 e BR 070. A primeira que por um lado liga Várzea Grande à BR 163, região Norte do Estado, maior produtor de grãos do país, e pelo outro, o sul do Estado e o Sudeste, Sul e restante do Centro-Oeste do País. A segunda que liga Várzea Grande à Rondônia e, principalmente à Bolívia, país que tem promissor interesse em se tornar parceiro comercial de Mato Grosso.

Município de transformação

Dois pontos nevrálgicos ainda repelem o encorajamento de empresários em investir no município: a falta de estrutura da cidade e as constantes crises políticas que assolam Várzea Grande ao longo dos últimos anos. Se por um lado o empresário precisa de uma excelente estrutura para investir, por outro depende de estabilidade política para ter segurança jurídica para seu negócio.

Resolvidos esses dois pontos, aliado à sua localização estratégica, Várzea Grande poderá retomar novamente a pujança econômica de outrora e se tornar um verdadeiro município de transformação!

 

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Omero Pereira do Nascimento | Sábado, 11 de Junho de 2016, 12h17
    0
    2

    Não tem o que discutir: Várzea Grande depende de D Lucimar continuar Prefeita porque só os Campos para fazerem o desenvolvimento que nossa cidade precisa.

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS