22 de Agosto de 2019,

Polícia

A | A

Terça-Feira, 21 de Maio de 2019, 11h:00 | Atualizado:

BAFÃO NO PAÇO

Após sair com chefe em VG, estagiária denuncia assédio sexual

Vítima alegou que aceitou condição porque precisa trabalhar

prefeitura-de-vg.jpg

 

Uma estagiária denunciou um servidor da Prefeitura de Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá, por assédio sexual. A vítima, de 23 anos, procurou a Delegacia Especializada de Defesa da Mulher, Criança e Idoso de Várzea Grande (DEDMCI-VG), que investiga o caso.

O servidor foi identificado como Sérgio Freitas da Silva, de 36 anos, superintendente da Controladoria-Geral da prefeitura. Um boletim por assédio sexual foi registrado no dia 17 de maio.

A Polícia Civil informou ao G1 que um inquérito policial foi aberto pelo delegado Cláudio Alvares Sant'Ana. O G1 tenta localizar o advogado de Sérgio.

A assessoria da Prefeitura de Várzea Grande disse que aguarda o momento em que o servidor, que é concursado, seja acusado formalmente. Disse que se a Justiça torná-lo réu, somente então determinará a abertura de um Processo Administrativo Disciplinar (PAD).

A jovem procurou a delegacia para denunciar os assédios, que teriam ocorrido em meados do mês de abril deste ano dentro do órgão da prefeitura. Ela afirmou que Sérgio, que é o supervisor do estágio dela, ameaçou demiti-la da controladoria caso ela não saísse com ele.

A vítima, com medo de perder o emprego, aceitou sair com o supervisor. Ela afirmou à polícia que só aceitou porque estava com receio de ser demitida e que precisava muito trabalhar.

Depois de sair com Sérgio, a vítima relatou que o servidor teve outro comportamento: começou a passar as mãos na cintura dela, nos cabelos, na mão e no rosto, chamando a estagiária de 'meu amor'. A Polícia Civil comentou que não passará mais detalhes por se tratar de 'uma ocorrência envolvendo a vida íntima da vítima'.

O secretário da Controladoria-Geral de Várzea Grande, Kleber Ferreira Ribeiro, disse, por telefone ao G1, que Sérgio estava de férias até esta segunda-feira (20).

Postar um novo comentário

Comentários (11)

  • LUNETA | Terça-Feira, 21 de Maio de 2019, 20h33
    5
    0

    SE O INQUÉRITO CORRE SOB A ÉGIDE DE PRESERVAR A INTIMIDADE DAS PARTES ENVOLVIDAS, POR QUÊ CITOU NOMES SEM RESPEITAR O CONTRADITÓRIO E AMPLA DEFESA DO ACUSADO, FAZENDO UM PRÉJULGAMENTO DA SUA PESSOA???? DE POLÍTICO BANDIDO VEM SEMPRE ASSIM: R.J, J.R, W.S...DOIS PESOS, DUAS MEDIDAS.

  • INACIO | Terça-Feira, 21 de Maio de 2019, 15h28
    12
    1

    Fica para nós o velho mas valioso ditado: onde se ganha o pão não se come a carne.

  • INDIGNAÇÃO | Terça-Feira, 21 de Maio de 2019, 13h32
    5
    1

    História fiada.

  • Leticia | Terça-Feira, 21 de Maio de 2019, 13h28
    6
    1

    Cuidado c isso, pq sem provar nada, crime de Denunciação Caluniosa e o site de notícias tb levado colocando nome da pessoa. Nem conheço o suposto chefe...mas ... cuidado

  • ROBERTO RUAS | Terça-Feira, 21 de Maio de 2019, 13h25
    4
    1

    Tem tudo para ser verdade . Esses tais " cargos de livre nomeação" em prefeituras e órgãos públicos são preenchidos muitas vezes por moçoilas escolhidas a dedo ; sempre gostosonas e bem articuladas . São pequenos arranjos sociais feitos por malandros que se aproveitam dessas posições para faturar uma coisinha diferente. Não fosse isso uma triste realidade , me digam porque as que servem café são sempre tias já passadas dos cinquenta e as da limpeza mulheres comuns de periferia trajando coturnos iguais aos que servente de pedreiro usa?

  • Kirk Ham | Terça-Feira, 21 de Maio de 2019, 13h13
    10
    1

    "A vítima, com medo de perder o emprego, aceitou sair com o supervisor. Ela afirmou à polícia que só aceitou porque estava com receio de ser demitida e que precisava muito trabalhar."... ah, tá. As moças do zero km começam assim mesmo.

  • FIDEDIGNO | Terça-Feira, 21 de Maio de 2019, 12h53
    5
    0

    algo me diz que uma transada no zero ficaria bem mais barata...

  • Santos. | Terça-Feira, 21 de Maio de 2019, 12h01
    15
    4

    estória

  • Galileu | Terça-Feira, 21 de Maio de 2019, 11h51
    17
    4

    Não tenho dúvida que vai dar cadeia e demissão do supervisor. Por precaução , todos os supervisores de estagiários, devem fazer qualquer abordagem a estagiária ou funcionária, sempre acompanhado de uma terceira pessoa. Parece exagero mas não é não. Essa atitude de chamar a estagiária ou funcionária a sós na sala do chefe é no mínimo temerário nos dias atuais. Não existe no trabalho, qualquer conversa que os colegas de trabalho não possam ouvir.

  • Luana | Terça-Feira, 21 de Maio de 2019, 11h29
    20
    5

    HISTÓRIA ESTRANHA.

  • joana | Terça-Feira, 21 de Maio de 2019, 11h19
    26
    1

    não acho justo colocar o nome da pessoa acusada. que colocassem só as inicias como fizeram no caso de quem denunciou. depois não da em nada e o cara fica marcado e a moça .... ou tudo ou nada pau que bate em chico bate em francisco. espero que tudo seja esclarecido

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS