15 de Junho de 2019,

Polícia

A | A

Segunda-Feira, 16 de Julho de 2018, 10h:45 | Atualizado:

DESTINO

Bebê "enterrada viva" aguarda decisão em abrigo em MT


TVCA

BEBEINDIO.jpg

 

A bebê indígena que sobreviveu após ficar enterrada por seis horas em Canarana, a 838 km de Cuiabá, deixou o hospital nessa semana aguarda por decisão judicial em um abrigo naquele município.

A menina ficou mais de um mês internada na Santa Casa de Misericórdia em Cuiabá e teve alta na última segunda-feira (9).

Em entrevista ao Fantástico, os médicos que atenderam a bebê firmaram que o caso é inédito e gravíssimo.

Como foi a recuperação

A criança chegou ao hospital de Canarana na noite do dia 5 de junho e recebeu os primeiros atendimentos em uma maca. Ela respirava com muita dificuldade, por isso, o primeiro passo foi desobstruir as vias aéreas.

O nariz e a boca ainda estavam com muita terra e foi preciso fazer a higienização com água morna. Em seguida, a criança foi levada para uma incubadora.

Aquecida e com suporte de oxigênio, a recém-nascida foi transferida para a UTI neonatal da Santa casa de Cuiabá.

Seis horas enterrada

Segundo a polícia, a criança foi enterrada por volta do meio-dia e a uma denúncia foi feita no início da tarde. A menina só foi resgatada no período da noite. Os policiais não imaginavam que ela estivesse viva. Para a surpresa deles, ouviu-se um pequeno choro embaixo da terra.A bisavó assumiu que enterrou a criança e foi presa. Três dias depois, a avó também foi detida como suspeita de participação no crime. Ambas alegam que acreditavam que a bebê tinha nascido morta. A mãe – uma adolescente de quinze anos – disse que não sabia que a filha estava viva quando foi enterrada.

O caso está sendo investigado pela Polícia Civil.

“Nós apuramos que a mãe e a avó da adolescente planejaram todo o evento. Elas trouxeram outras parentes da reserva indígena e elas providenciaram o parto da adolescente em casa e depois enterraram a criança viva”, afirmou o delegado Deuel Paixão Santana.

Para o delegado, não há motivação cultural. A família não aceitava a criança porque a filha é solteira.

Mais de um mês na UTI

A recém-nascida apresentou um sangramento gastrointestinal – região mais afetada pela falta de oxigenação durante o tempo em que ela ficou embaixo da terra.

Ela chegou a sofrer uma parada cardiorrespiratória e as funções renais também ficaram comprometidas, além de ter uma infecção generalizada.

A menina ficou 16 dias entubada, mas aos poucos foi reagindo de maneira surpreendente.

Foram 36 dias na UTI Neonatal, onde a menina recebeu atendimento de uma equipe multidisciplinar. Foi um novo desafio a cada dia na batalha pela vida.

Os médicos tentam entender como uma recém-nascida que ficou seis horas embaixo da terra conseguiu sobreviver sem nenhuma sequela aparente.

“Dentro da barriga da mãe, dentro do período fetal, o recém-nascido tem baixas taxas de oxigênio. A placenta que dava oxigênio para ele. Quando o bebê nasce, ele começa a respirar, mas essa transição é feita de forma lenta, gradativa e provavelmente por isso esse recém-nascido teve esse sucesso de conseguir se manter com baixas taxas de oxigênio”, explicou a médica neonatologista, Juliana Del Bigio.

Uma semana antes da alta, o pai da criança, que alegou não ter sido informado da gravidez, registrou a bebê e demonstrou interesse em assumir a guarda da filha.

Em nota, a Funai disse que está acompanhando o caso para garantir que os direitos dos indígenas envolvidos sejam respeitados. A menina aguarda a decisão da Justiça no abrigo da cidade, ganhando peso e cuidados.

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS