17 de Fevereiro de 2020,

Polícia

A | A

Sexta-Feira, 10 de Abril de 2015, 22h:17 | Atualizado:

LIMPEZA NA CIVIL

Inquérito indicia delegado, investigadores e advogados em MT


Da Redação

maurozaque-operacao.jpg

 

A Polícia Civil concluiu nesta sexta-feira inquérito que culminou na prisão preventiva do chefe de operações da Delegacia de Repressão a Roubos e Furtos de Várzea Grande, Welington Fernandes. O inquérito conduzido pela corregedoria decidiu indiciá-lo por corrupção ativa, corrupção passiva, falsidade ideológica, advocacia administrativa e porte ilegal de arma de fogo. 

Ele é suspeito de chefiar uma quadrilha na Baixada Cuiabana que praticava extorsão, agiotagem e até vendia munições da Polícia Civil para criminosos. O delegado titular da Delegacia de Roubos e Furtos, Francisco Kunze, foi indiciado por falsidade ideológica.

Isso por conta do seu envolvimento na constituição de uma empresa de segurança privada, o que é vedado para servidores públicos. A investigação apurou que essa empresa de vigilância comercializava armas de fogo e munição da Polícia Civil. 

Também estão na lista de suspeitos de atividades criminosas o escrivão José Fernandes Nunes de Araújo, o investigador Jucimauro Benedito de Freitas Antunes, José Carlos de Oliveira Guimarães Junior, Benedita Fátima Pimentel Kunze, e Cleberson Rodrigues Sigarini, este último advogado com condenação pela Justiça por participação em esquema de tráfico de mulheres. Também foram indiciados o advogado José Jurandir de Lima Júnior e Tassia Fabiana Barbosa de Lima. Ambos são filhos do desembargador aposentado do Tribunal de Justiça, José Jurandir de Lima. 

Por meio da assessoria de imprensa, a Polícia Civil informou que não iria se manifestar a respeito do indiciamento de quatro servidores dos quais se incluem delegados, investigadores e escrivães, pois o inquérito tramita em segredo de Justiça. Em relação à punição na esfera administrativa, foi informado que é aguardada a instauração de ação penal na Justiça para que seja solicitado o compartilhamento de provas que poderão ser usadas pela corregedoria da Polícia Civil, órgão competente para apuração disciplinar dos suspeitos. 

Após a conclusão, o inquérito policial foi encaminhado para o Tribunal de Justiça, onde foi distribuído para a 7ª Vara Criminal, de responsabilidade da juíza Selma Rosane Santos Arruda. A magistrada encaminhou os autos ao Ministério Público Estadual (MPE) que avalia se devolve o inquérito para que sejam feitas novas diligências ou se oferece denúncia na esfera criminal de todos os indiciados. 

 

VEJA MAIS

Desembargador barra quebra dos sigilos de advogado e empresa de segurança em MT

Chefe da DERF preso atuou em grandes operações em MT

Polícia prende chefe de operações da DERF em Várzea Grande

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • AECIO HISTORIADOR | Sábado, 11 de Abril de 2015, 07h30
    7
    0

    Só gente boa!

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS