16 de Junho de 2019,

Polícia

A | A

Terça-Feira, 11 de Junho de 2019, 22h:54 | Atualizado:

HOMÔNIMO

Jovem de MT fica preso nove dias por engano em SP

alisson-capa.jpg

 

Um jovem mato-grossense passou 9 dias preso em São José do Rio Preto (SP) acusado de ter cometido o crime de tentativa de homicídio triplamente qualificado em Diamantino, a 229 km de Cuiabá, em 2016. Alisson Rodrigues dos Santos, de 25 anos, foi detido no dia 18 de maio.

Natural de São Pedro da Cipa, a 149 km de Cuiabá, Alisson mudou-se recentemente para São José do Rio Preto, onde trabalha e pretende continuar a cursar a faculdade de Engenharia Civil, transferido de Primavera do Leste. Ele aguarda o início do segundo semestre para retomar os estudos. “Visualizamos as fotos dos ‘dois Alissons’ e constatamos que, de fato, o rapaz havia sido preso por engano. Ao olhar o processo, vimos que a qualificação indireta havia sido feita por meio de pesquisa superficial, sem observar que o Alisson que a polícia procurava já havia sido qualificado antes em outro procedimento”, explicou o defensor público Moacir Gonçalves Neto.

Durante o inquérito policial, a vítima identificou, por meio de fotos, os supostos autores do crime: P.I.M.A.S. e Alisson Rodrigues dos Santos, conhecido como “Lagoa”. Porém, os policiais não localizaram Alisson (o suspeito) no endereço de que dispunham e, por determinação da autoridade policial, foi realizada a qualificação indireta na tentativa de localizar o autor do crime. O acusado foi identificado pelo nome, mas os policiais não se atentaram aos outros itens de sua qualificação (filiação, data de nascimento etc.).

Como consequência, Alisson (o inocente) foi preso em abordagem policial realizada no dia 18 de maio em São José do Rio Preto. O mato-grossense estava trabalhando no dia do crime, conforme consta em sua folha de ponto. Ele ficou recolhido na unidade prisional no noroeste paulista até a decisão judicial favorável à soltura – dia 27 de maio.

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Shomano | Quarta-Feira, 12 de Junho de 2019, 06h42
    0
    0

    E agora, vão indeniza-lo? Ou vão fingir não nada de errado aconteceu?

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS