22 de Outubro de 2019,

Polícia

A | A

Quarta-Feira, 09 de Outubro de 2019, 19h:13 | Atualizado:

ENVENENAMENTO

Justiça prorroga prisão de madrasta que matou enteada

jaira.jpg

 

A Justiça prorrogou, nesta quarta-feira (9), a prisão preventiva de Jaira Gonçalves de Arruda, de 42 anos, suspeita de matar a enteada dela, Mirella Poliane Chue de Oliveira, de 11 anos, por envenenamento. A menina morreu no dia 14 de junho após dar entrada em um hospital particular de Cuiabá. Jaira está presa há 30 dias.

A investigação apontou que a madrasta deu doses diárias de veneno para a menina durante dois meses. Uma substância de venda proibida foi ministrada gota a gota, entre abril e junho deste ano, de acordo com a Delegacia Especializada de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Deddica).

Inicialmente, houve suspeita de meningite, bem como de abuso sexual, mas um exame de necrópsia no Instituto de Medicina Legal (IML), da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec), descartou estas hipóteses.

O laudo pericial, até aquele momento, apontava como morte por causa indeterminada. Depois, através de exames, foram detectadas duas substâncias no sangue da vítima: uma delas veneno que provoca intoxicação crônica ou aguda e a morte.

Motivo do crime

Investigações da Deddica apontam que a madrasta tinha plano e queria matar a menina para ficar com uma herança, que a vítima teria recebido.

A menina tinha direito a uma indenização pela morte da mãe durante o parto, decorrente de erro médico em um hospital da capital. A ação foi movida pelos avós maternos da criança. Em 2019, após 10 anos, o processo foi encerrado, e o hospital foi condenado a pagar uma indenização de R$ 800 mil à família, já descontando os honorários advocatícios.

Parte do dinheiro ficaria depositada em uma conta para a menina movimentar na idade adulta. A Justiça autorizou que fosse usada uma pequena parte desse fundo para despesas da criança, mas a maior quantia só poderia ser acessada aos 24 anos. O dinheiro começou a ser pago neste ano.

Mirella foi criada pelos avós paternos até 2017. Entretanto, após a morte deles, passou a ser criada pelo pai e pela madrasta. A partir daí, a mulher deu início ao plano de matar a criança para ficar com a indenização, segundo investigadores.

Internações

Do final do ano passado até a morte, Mirella foi internada várias vezes. No total, foram nove entradas em um hospital particular de Cuiabá, onde ficava de três a sete dias e, depois, melhorava. Ao retornar para casa, ela voltava a adoecer.

 

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS