Polícia Sexta-Feira, 26 de Abril de 2019, 15h:50 | Atualizado:

Sexta-Feira, 26 de Abril de 2019, 15h:50 | Atualizado:

INVESTIGAÇÃO

Mãe denuncia que filha de 2 anos foi abusada sexualmente em creche de MT

Mãe disse que menina tinha cortes e ferimentos nas partes íntimas.

G1-MT

Compartilhar

WhatsApp Facebook google plus

menina

 

Uma mulher procurou a polícia para denunciar que a filha de 2 anos foi abusada sexualmente em uma creche em Alta Floresta, a 800 km de Cuiabá. Ela registrou boletim de ocorrência na Polícia Civil no dia 19 deste mês e o caso está sendo investigado. A delegada Ana Paula disse que a polícia aguarda laudo pericial para comprovar o abuso.

Segundo a mãe da criança, que pediu para não ser identificada, a menina tinha cortes e ferimentos nas partes íntimas. À família, a direção da creche negou que o suposto abuso tenha ocorrido na instituição. Afirmou também que, se ocorreu, não foi nas dependências da creche. A reportagem não conseguiu contato com a unidade de ensino.

Inicialmente, a mãe disse ter pensado que os ferimentos fossem decorrentes de assaduras, mas a criança passou a reclamar de dores e a não deixar que a mãe desse banho nas partes afetadas.

Os ferimentos foram descobertos no dia 18 deste mês. A menina fica no período da manhã até o final da tarde na instituição.

“Quando percebi que era algo sério, perguntei a ela o que aconteceu. Ela disse que 'a titia da creche colocou o dedo'. Ela disse que chorou muito. No outro dia, ela estava com dificuldades para fazer xixi. Quando tirei a fralda, vi que tinha sangue”, contou a mãe ao G1.

A mãe ligou para a diretora da creche e avisou que levaria a filha para o hospital.

“Eu avisei que, se isso [um abuso sexual] fosse constatado, eu procuraria a polícia e perguntei o que estava acontecendo”, relatou a mãe.

A mãe garante que a menina não fica sozinha ou com estranhos e que só vai de casa para creche e da creche para casa.

“No hospital, minha filha disse a mesma coisa à médica, que a tia teria colocado o dedo. De lá, já fui para a Polícia Militar e para a Polícia Civil”, lembrou.

Os dois médicos legistas da cidade estão em férias. A mãe teve que levar a filha para fazer exame de corpo de delito em Guarantã do Norte, a 721 km de Cuiabá. A cidade fica a 293 km de Alta Floresta.

O resultado do exame deve sair em 10 dias. A menina não voltou mais para a creche e a família espera o resultado dos exames.





Postar um novo comentário





Comentários (1)

  • EDSON LIMA

    Sexta-Feira, 26 de Abril de 2019, 17h26
  • Primeiro o abuso contra a mulheres ou crianças começa com quem a vítima tem mais contato. Ex em casa pai.irmao.tio.primo.vô.na igreja. No médico. Na escola. São tantos perigo que as mulheres são sobreviventes em um mundo de lunáticos sexual.
    8
    0









Copyright © 2018 Folhamax - Mais que Notícias, Fatos - Telefone: (65) 3028-6068 - Todos os direitos reservados.
Logo Trinix Internet