13 de Agosto de 2020,

Artigos

Polícia

A | A

Sexta-Feira, 09 de Fevereiro de 2018, 21h:33 | Atualizado:

VÍDEOS

Pedófilo terá que pagar fiança de R$ 25,7 mil em Cuiabá

burro.jpg

 

Um homem de 42 anos, investigado por crime de pedofilia, foi preso durante cumprimento de mandados de busca e apreensão, na manhã desta sexta-feira (09.02), pela Gerência de Combate aos Crimes de Alta Tecnologia (Gecat) e a Delegacia Especializada de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Deddica). O suspeito G.H.M foi autuado em flagrante no artigo 241-B, do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), por adquirir, possuir ou armazenar, por qualquer meio, fotografia, vídeo ou outra forma de registro que contenha cena de sexo explicito ou pornográfico envolvendo criança e adolescente.

 Ele teve fiança de R$ 25.758,00 mil aplicada na Delegacia. Caso não seja recolhida, será apresentado em audiência de custódia, à disposição da Justiça.

Os materiais foram encontrados em um dos dois imóveis pertencentes ao investigado, localizados em dois bairros de Cuiabá. No local, os policiais apreenderam dois notebook’s, cinco pendrives e cinco smartphones.

Em um dos celulares, que já foi enviado à perícia, os policiais encontraram um vídeo contendo cenas de duas crianças. A investigação iniciou no ano passado com comunicação oficial da Secretaria Nacional de Justiça (Senasp), que em outubro de 2017, deflagrou a operação “Luz na Infância”.

Na ocasião, a Gecat ainda não tinha obtido autorização judicial para proceder às buscas e assim esteve fora da ação desencadeada em todo o Brasil para prender pedófilos na internet, que tiveram as condutas mapeadas. O delegado da Gecat, Eduardo Augusto Botelho de Paula, disse que a perícia será feita em todo o material para identificar outras imagens, uma vez que muitos dos arquivos encontrados nos aparelhos estão com senha. “Esse material será analisado para identificar se há conteúdo de pornografia adulta e infantil”, disse.

O suspeito contou aos policiais que apenas havia feito download do vídeo, mas o simples fato de baixar os arquivos e armazená-los, já é considerado crime. Os dois mandados de busca e apreensão foram concedidos pela 14ª Vara Criminal de Cuiabá.

A operação contou com a paricipação da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) que auxiliou nas buscas aos equipamentos. 

 



Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS