11 de Agosto de 2020,

Polícia

A | A

Segunda-Feira, 17 de Março de 2014, 10h:22 | Atualizado:

OPERAÇÃO LAVA JATO

PF invade duas empresas por lavagem de R$ 10 bi em Cuiabá


Da Redação

Divulgação PF

camaro.jpg

Carro apreendido pelo PF durante a operação "Lava Jato"

A Polícia Federal cumpriu dois mandados de busca e apreensão em Cuiabá durante a Operação “Lava Jato”, deflagrada na manhã de hoje para combater crime de lavagem de dinheiro em seis Estados mais o Distrito Federal.

Segundo informações preliminares, os alvos na capital matogrossense foram duas casas de câmbio, usadas para ‘lavar o dinheiro’ oriundo de operações ilegais. A base da operação é no estado do Paraná. Ao todo, foram expedidos 47 mandados de prisão preventiva, temporária ou condução coercitiva, em seis Estados e no Distrito Federal.

De busca e apreensão foram mais 79 mandados, além de ordens de sequestro de imóveis de alto padrão, apreensão de patrimônio e bloqueio de dezenas de contas e aplicações bancárias.

O esquema

De acordo com a PF, o esquema funcionava em três etapas. Na primeira, as organizações criminosas de diversos segmentos como tráfico de drogas, contrabando de pedras preciosas, corrupção e desvio de recursos públicos procuravam doleiros para 'lavar o dinheiro'.

Na segunda, os doleiros, localizados em Estados como São Paulo, Paraná e no Distrito Federal, utilizavam empresas de fachada na China e Hong Kong para simular operações de importação e exportação e enviar o dinheiro para fora do país, o que dava uma aparência de legalidade às transações. 

A terceira e última etapa começava depois que o dinheiro chegava à China. Os recursos eram reenviados aos criminosos por meio de transferências para contas no exterior ou mesmo no Brasil. A PF informou ainda que no caso das quadrilhas envolvidas com o tráfico internacional de drogas, as remessas ilegais eram utilizadas para comprar drogas fora do país.  

VEJA MAIS

Operação da PF combate lavagem de R$ 10 bi em MT e 7 estados



Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS