25 de Fevereiro de 2020,

Polícia

A | A

Quinta-Feira, 30 de Outubro de 2014, 15h:40 | Atualizado:

AVIÃO DE RIVA

Pilotos relatam drama e risco de morte antes de serem liberados

pilotos-coletiva.jpg

 

Os pilotos Evandro Rodrigues de Abreu e Rodrigo Frais Agnelli, desaparecidos desde o dia 20 de setembro quando foram sequestrados durante o roubo de um avião de propriedade da família do deputado estadual José Riva (PSD) em Pontes e Lacerda retornaram nesta quinta-feira a Mato Grosso. Eles foram encontrados na madrugada de hoje na cidade de Guajará-Mirim, na fronteira entre Rondônia e Bolívia.

Muito emocionados, os pilotos que prestaram depoimento na Polícia Civil de Rondônia foram recebidos pelas suas famílias e falaram com a imprensa sobre os 40 dias em que passaram em poder dos sequestradores. "Só pensava na minha família e em como conseguir voltar", disse Evandro.

De acordo com as vítimas, o roubo foi cometido por dois homens brasileiros armados com capuzes que invadiram a aeronave no aeroporto de Pontes e Lacerda e os obrigaram a pilotá-la com o radar e o rádio desligado até uma pista clandestina já no território boliviano. “Eram dois sequestradores. Apontaram armas para nós apenas na decolagem. Não fomos maltratados nem verbalmente e nem fisicamente. Ficamos em rancho, casas, fazendas”, disse Evandro.

Os pilotos informaram que durante os 40 dias que tiveram em poder dos seqüestradores não foram maltratados. Eles pilotaram a aeronave por três vezes, sempre em rotas clandestinas. No período, eles passaram por ranchos e fazendas. 

No período do seqüestro, os pilotos perceberam que os seqüestradores negociavam a venda da aeronave com supostos narcotraficantes. Na terça-feira, quando perceberam que haveria uma negociação e que ela poderia dar errada, os próprios pilotos pediram para serem liberados. “A gente pediu, deixa a gente sair. Nisso um dos sequestradores disse que era pra gente seguir nosso coração e começamos nossa caminhada”, afirmou Evandro. 

Os pilotos afirmaram que optaram por andar por cerca de 50 quilômetros sem pedir ajuda pelo risco de encontrarem traficantes na região. Nesse período, eles pararam por diversas vezes para descansar em sombra de árvores.

INVESTIGAÇÃO

Recepcionando os pilotos das aeronaves, o deputado estadual José Riva (PSD) criticou as investigações das autoridades bolivianas e da Interpol no caso. Segundo ele, todas as informações passadas eram ‘furadas’. 

O deputado afirma que com as informações passadas pelos pilotos, as autoridades tem condições de localizar a aeronave ainda nesta semana. “Só não pega se não quiser”, afirmou.

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS