Polícia Terça-Feira, 02 de Abril de 2019, 22h:35 | Atualizado:

Terça-Feira, 02 de Abril de 2019, 22h:35 | Atualizado:

VALLEY

Sobrevivente de atropelamento que matou amigos depõe e diz não lembrar de acidente

 

SUELEN ALENCAR
Da Redação

Compartilhar

WhatsApp Facebook google plus

hya-girotto.jpg

 

A estudante Hya Girotto, (21) sobrevivente do atropelamento em frente à Valley Pub que vitimou duas pessoas, disse em depoimento que não se lembra de nada após o momento em que saiu da boate e que não assistiu as imagens do acidente. O depoimento dado a Polícia Civil não revelou nenhum novo detalhe que antecedeu o acidente. 

Hya e dois amigos, sendo o cantor sertanejo Ramon Viveiros e a estudante de Direito Myllena Lacerda Inocêncio, foram atropelados por uma caminhonete conduzida pela professora Rafaela Screnci da Costa Ribeiro, em frente a bote Valley, na Avenida Isaac Póvoas. Milena morreu na hora e Ramon chegou a ficar internado, mas morreu cinco dias depois.

O acidente ocorreu no dia 23 de dezembro de 2018 e um vídeo divulgado mostra detalhes do caso. A jovem extremamente abalada relatou que não se lembra dos momentos seguintes quando saiu da boate.

De acordo com o delegado Cristhian Cabral, Hya também relatou que não teve acesso às imagens divulgadas e que não chegou a ler matérias jornalísticas sobre o acidente para não sofrer abalo emocional. Peritos da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) realizaram, na madrugada desta terça-feira (02), uma perícia no local do acidente com o objetivo de complementar os resultados obtidos com a análise específica das imagens da ocorrência.

Os dados coletados durante a análise serão confrontados com as imagens do atropelamento. De acordo com Christian, a perícia pendente busca a precisão da velocidade efetiva do carro da Rafaela, assim como a influência do comportamento da Hya nos instantes que antecederam o acidente.

“Essa perícia busca revelar com maior precisão a velocidade efetiva do veículo conduzido pela Rafaela nos instantes que antecederam o acidente, bem como a influência que o comportamento que a Hya teve na tragédia, quer retardando a conclusão da travessia do Ramo e da Milena, quer distraindo-os, impedindo a reação dos mesmos em relação ao carro”, explicou o delegado titular da Delegacia Especializada de Delitos de Trânsito (Deletran), Christian Alessandro Cabral.

 

 





Postar um novo comentário





Comentários (4)

  • priscila

    Quarta-Feira, 03 de Abril de 2019, 10h01
  • NAO acredito que não lembra, imagina...isso e instrução do Advogado. Agorinha vai estar nas baladas. Duro foi as maes e familia dos que se foi...mto triste para uma maezinha perder seu filho.
    1
    0



  • Rick Bi dos comentarios

    Quarta-Feira, 03 de Abril de 2019, 08h23
  • Lógico, estava chapadassa! Vai lembrar como?
    6
    0



  • Observadora do Futuro

    Quarta-Feira, 03 de Abril de 2019, 00h13
  • Uai, é só mostrar o vídeo que ela lembra. Garanto que as famílias daqueles que se foram não gostariam de lembrar disso.
    15
    2



  • Gl?ucio

    Terça-Feira, 02 de Abril de 2019, 23h32
  • Dr Christian é o melhor delegado do Mato Grosso, pode ter certeza que o processo investigativo vai ficar perfeito, agora, quando cai na mão do judiciário é só tristeza .
    15
    6









Copyright © 2018 Folhamax - Mais que Notícias, Fatos - Telefone: (65) 3028-6068 - Todos os direitos reservados.
Logo Trinix Internet