29 de Maio de 2020,

Polícia

A | A

Sexta-Feira, 03 de Abril de 2020, 18h:53 | Atualizado:

CASA ENGANADA

Universitária denuncia tenente da Rotam por agressões em Cuiabá

Jovem alega que militar a agrediu e chamou de "vagabunda e noiada"

yanke2.jpg

 

Uma estudante de jornalismo denunciou que foi agredida por um policial da equipe de Rondas Ostensivas Tático Móvel (Rotam) da Polícia Militar, em Cuiabá. Yanke Amorin registrou um boletim de ocorrência depois que, segundo ela, o policial invadiu a casa dela, nessa quinta-feira (2), no Bairro Nova Esperança.

A conduta do policial vai ser apurada pela Corregedoria da PM. Na denúncia, a estudante disse que estava em casa acompanhada dos irmãos e primos, alguns menores de idade, quando ele e outros policiais entraram na residência e pediram que ela saísse da casa.

Ela saiu e também retirou as crianças do local. Ela relatou que quando estava conversando do lado de fora com um dos policiais que a abordou, o tenente se aproximou e a agrediu com tapas e socos e a derrubou.

Ao cair no chão, o policial ainda a chutou, tentou enforcá-la e depois algemou a estudante, conforme o boletim. Yanke contou na delegacia que não ofereceu resistência e ainda avisou o policial que estaria com suspeita de gravidez e, de acordo com ela, o militar continuou a chutá-la e ainda disse: "tomara que perca", segundo o registro da ocorrência.

No boletim, a jovem ainda diz que o policial que a agrediu chamava ela a todo momento de “vagabunda e noiada”. A estudante foi levada algemada para a Central de Flagrantes, acompanhada do namorado.

Na delegacia, ela assinou o Termo Circunstanciado de Ocorrência e fez exame de corpo de delito. Foi liberada horas depois com a presença do advogado dela, conforme a denúncia.

Em nota, a Corregedoria da Polícia Militar informou que vai instaurar um procedimento administrativo para apurar a conduta do policial e que aguarda do Comando do Batalhão Rotam os documentos que darão início ao processo investigatório. Ela vai ser chamada para prestar depoimento.

A estudante fez um desabafo nas redes sociais dizendo que foi humilhada e que os policiais entraram na casa errada. “Estou completamente acabada com isso que aconteceu. Minha vida é só trabalhar, estudar e ficar em casa ou em programas familiares com meu noivo. Quando foi mais tarde eles descobriram que entraram na casa errada. Hoje foi um dia terrível que não desejo a ninguém, principalmente para as mulheres, e eu não irei me calar”, diz na postagem.

O namorado da vítima disse ao G1 que nesta sexta-feira (3) ele e a estudante foram chamados para conversar com o comandante da Rotam. Na próxima segunda-feira (6), vão prestar depoimento à Corregedoria da Polícia Militar.

Abaixo a nota da PM na íntegra:

Na lista de documentos estão, entre outros, o Boletim de Ocorrência (BO) gerado no atendimento do chamado do Ciosp que levou os policiais ao bairro Nova Esperança, em Cuiabá, onde a denunciante e seu irmão foram detidos e o auto de resistência à prisão em desfavor da denunciante, além do Boletim de Ocorrência por lesão corporal registrado pelo policial contra a denunciante, acompanhado de requisição de exame de corpo de delito.Informa ainda que aguarda a presença da denunciante na sede da Corregedoria para que possa formalizar denúncia e ser ouvida em depoimento.

Galeria de Fotos

Postar um novo comentário

Comentários (14)

  • Lorisvaldo | Sábado, 04 de Abril de 2020, 22h40
    1
    2

    Nesse angu tem caroço, polícia não sai entrando na casa das pessoas e agride quem acha pela frente não, alguma coisa Ela aprontou.

  • Mas É | Sábado, 04 de Abril de 2020, 12h55
    6
    1

    Marcos Justus com certeza você geme Algemado de lingerie vermelha

  • Sincero | Sábado, 04 de Abril de 2020, 12h34
    8
    2

    Covardao se fosse bichão mesmo tava no Rio de Janeiro veado fardado bate em mulher é veado enrrustido chupa que chora

  • guilherme | Sábado, 04 de Abril de 2020, 10h24
    9
    3

    Cade o nome do Tenente na Matéria?? Começamos ai o corporativismo... nem o nome do meliante temos para saber quem é. As pessoa tem que rezar a Deus quando sai anoite ou de madrugada para nao ser abordado pelo tatico movel, pq esses cara chegam na brutalidade com qualquer uma pessoa, outra vez eu fui abordado nao tinha nada de ilicito e me taxaram como suspeito de um assalto sendo que eu estava voltando do meu arduo trabalho de eletricista no shopping. me distendeu o musculo da perna na abordagem pq disseram que nao estava abrindo a perna direito para me revistarem, foi humilhante ser tratado como bandido em um momento que eu voltava de meu trabalho. Até pensei em ir na corregedoria mas se vc vai fica perseguido depois por vagabundo institucionalizado.

  • Cpa | Sábado, 04 de Abril de 2020, 09h52
    8
    1

    Existe sim na PM, pessoas de bem. Mas existe tem passado mal. Por exemplo: procedimento totalmente fora dos padrões. Como Barra a reportagem não houve resistência, porém só um único individuo despreparado da PM passou dos limites. Punição já. Tenho um irmão graduado na PM. Sempre cumpriu com suas obrigações. Pessoa do bem e conheço mtos colegas meus de adolescência bons tbem.

  • Ana | Sábado, 04 de Abril de 2020, 09h26
    10
    2

    Nossa a querentena não fez nada bem a essa menina, governador libere os salões de beleza a trabalhar.

  • Marcos Justos | Sábado, 04 de Abril de 2020, 08h14
    8
    19

    Se a moça faz Jornalismo (Cursinho p ser Tornar Canhota), logo tá fazendo cursinho p Bandida! Parabéns a ROTAM, falou que faz Jornalismo é suspeito!! Jornalista, Direitos Humanos, defendem Bandidos. Logo, se ela não Defendeu o PM, logo, o Pm não é Bandido. Da Mesma forma que ela que não credibilidade alguma o Chama de Bandido, em esse liberdade p acusar, eu também tenho! Famoso ditado “Eu não sei pq To batendo”, mas “vc sabe pq está apanhando”.

  • Ares | Sábado, 04 de Abril de 2020, 08h03
    4
    3

    José acho que na sua família tem mais bandidos que na polícia do Brasil inteiro ?

  • Mario | Sexta-Feira, 03 de Abril de 2020, 22h25
    25
    9

    Como sempre não dará em nada porque dentro da corporação tem o corporativismo e irá ficar por isso mesmo como.sempre a palavras deles tem mais valor mesmo eles estando errado. Por causa desse corporativismo dentro da PM muitos pilantras de farda fazem o que querem e ainda riem não dá nada mesmo!!!!

  • Marcinho | Sexta-Feira, 03 de Abril de 2020, 22h07
    22
    6

    Vixi....Deu bote errado, moçada da Rotam.....

  • valdiley | Sexta-Feira, 03 de Abril de 2020, 20h56
    17
    19

    Jose, você chama o policial de bandido sem ter conhecimento de nada em relação ao que de fato aconteceu, tome cuidado com esse tipo de acusação, nós policiais somos acostumados a recebermos denúncias infundadas em todas as ações de repressão, seja elas quais sejam, é comum esse tipo de denúncia, e tenha certeza que os policiais que estavam nessa ocorrência não se furtarão a responder tais acusações, não cabe a voce Jose acusá-los, até porque tenho certeza de que você não estava o local do fato.

  • Dos santos | Sexta-Feira, 03 de Abril de 2020, 20h46
    28
    5

    Não sabemos se a história é real, mas, a verdade, é que alguns desse policiais militares abusam da autoridade mesmo, se sentem Deuses, principalmente, perto de pessoas simples e comuns. Perto de outras autoridades maiores como juízes, desembargadores, promotores tratam que nem seda. Se o fato for verdade, será que vai resolver alguma coisa fazer B.O.?...Esperamos que sim!! Cabe sua defesa orientá-la e que o tal militar receba punição exemplar, se possível até exoneração pra respeitar aquele cidadão ou cidadã que contribuí com o pagamento do salário.

  • jcesardesp@gmail.com | Sexta-Feira, 03 de Abril de 2020, 20h04
    33
    13

    Infelizmente não vai dar em nada por ela ser pobre coitada. Agora a conversa séria diferente se fosse um filhinho de papai este militar já estaria preso. Mas nesse país a justiça não foi feita para os pobres somente beneficia quem tem dinheiro. Podem esperar daqui 10 dias cai no esquecimento e quem só perdeu nessa história foi ela que vai ficar para sempre com seu psicológico abalado. Em momento algum foi citado na matéria que o militar foi afastado das suas funções de rua. Mas se fosse um praça já estaria preso.

  • José | Sexta-Feira, 03 de Abril de 2020, 19h48
    33
    20

    Bandidos de farda?

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS