20 de Setembro de 2019,

Política

A | A

Segunda-Feira, 05 de Agosto de 2019, 17h:00 | Atualizado:

CALOTE NOS HONORÁRIOS

Advogado processa ex-governador de MT e cobra R$ 60 mil

Lauro da Matta alega não ter recebido por defesa de Silval em ação no TRE no ano de 2010


Da Redação

mpe-silval.jpg

 

O advogado Lauro José da Mata decidiu processar o ex-governador Silval da Cunha Barbosa para cobrança de uma dívida de R$ 60 mil em honorários advocatícios. De acordo com o peticionante, ele prestou serviços em uma ação que tramitou em 2010 no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e firmou na ocasião um contrato verbal com o ex-chefe do Executivo.

Na ação de arbitragem e cobrança de honorários advocatícios com pedido de tutela de urgência em caráter liminar, o advogado afirma que corria o dia 26 de fevereiro de 2010 quando ele aceitou a tratativa com Silval e apresentou defesa em representação eleitoral proposta pelo Ministério Público Federal na qual Silval era acusado de fazer propaganda extemporânea com o envio de cartas enviadas à população apresentando-se como candidato.

Serviço prestado, Da Mata não estranhou o fato de Barbosa não firmar o pagamento dos honorários advocatícios convencionados, porém como tinha relação de confiança com o cliente, achou normal e esperava ter liberdade para negociar o recebimento dos honorários. Viu-se frustrado em seu intento.

“Em decorrência da urgência daquela demanda, especificamente por se tratar de processo regido pela legislação eleitoral, na qual os prazos são extremamente exíguos, e em razão da relação de confiança que existia entre as partes, o requerido acabou por não assinar o contrato de honorários que havia sido formalizado pelo autor”, alega. O advogado afirma ter tentado negociar os valores de todas as formas consensuais possíveis e chegou mesmo a sugerir o parcelamento da dívida.

No dia 1º de julho deste ano, ainda buscando resolução amigável para o conflito, Lauro José da Mata teria enviado ao escritório de Silval uma notificação pedindo “especial atenção” à possibilidade de juntos chegarem a um acordo sobre o dinheiro pendente. Chegou, diz, a se reunir em duas ocasiões com o ex-governador no próprio escritório dele.

Em um desses encontros, esteve presente inclusive um dos filhos do ex-chefe do Palácio Paiaguás, o médico Rodrigo Barbosa. A outra vez em que se encontraram foi no escritório do atual advogado de Barbosa, Walber Melo. Não adiantou muito, sempre de acordo com Lauro da Mata, pois não chegou-se a nenhuma solução plausível.

“Todavia, conforme é de conhecimento público e notório, o requerido (ex-governador de Mato Grosso) se envolveu em processos judiciais extremamente graves, inclusive, tendo sido preso. Em razão de tais fatos graves, foram suspensas as negociações do autor com o requerido, sendo que o requerente entendeu por bem aguardar a melhor oportunidade para realizar a devida cobrança”, justificou o autor da ação.

 

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Kaike | Terça-Feira, 06 de Agosto de 2019, 04h37
    0
    0

    Os órgãos investigativos de MT, deveria ter vergonha em aceitar essa COLABORAÇÃO desse malandro que acabou com nosso estado, os caras roubam 2 Bilhões e só aceitam que ele devolva 80 milhões em traias ainda?? Ai tem grana envolvida, juízes e promotores, tenham pena do nosso país

  • trabalhador | Segunda-Feira, 05 de Agosto de 2019, 19h35
    1
    0

    puxa dizer que esta sem dinheiro perguntar não ofende cadê o dinheiro.

Matéria(s) relacionada(s):

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS